Terça-feira, 13 de Janeiro de 2009

Dicionário

Eu consulto muito o dicionário. Aliás, eu adoro consultar o dicionário. Vários dicionários. Pode parecer uma coisa chata, mas acreditem, é espectacular.

Normalmente, a premência da consulta instala-se quando me cruzo com palavras que conheço bem, mas não ao ínfimo detalhe. Isto não sucederá amiúde a quem não tenha o hábito de ler, mas a quem tenha e ainda por cima seja obsessivo-compulsivo, há que dizer com frontalidade, corre-se o risco.

Por exemplo: "neurótico". Toda a gente sabe o que significa neurótico, mas quantos de vocês, estimados leitores, podem afirmar que conhecem a fundo a classificação gramatical, etimologia, sinónimos e aplicações correctas da palavra?

Eu tive que ir ver se neurótico era mesmo o que eu pensava quando li um texto que mencionava "almoços neuróticos", mas no dicionário, e achei isto uma lacuna assinalável, não vem referência nenhuma ao meu ambiente profissional...

Buraco tapado por Citadina às 10:14
Link do post | Tapa também
5 comentários:
De Feronica a 13 de Janeiro de 2009 às 13:56
No trabalho, em regra geral, as meuroses manifestam-se em multiplas formas, desde a obsessiva que é frequantíssima nos chefezinhos e nos contabilistas, até à de classe que é a mais banal (embora não muito evidente) nos comuns assalariados.
Em casa? Só a neurose idiossincrática porque como consequência das vivências laborais, o que levamos mesmo são os sindromes depressivos ou o alheamento.
Enfim, nada que a reforma antecipada, um razoavel aumento, ou em desespero de causa , idas regular a um tecnico de saude mental não possam minimizar.
De Citadina a 14 de Janeiro de 2009 às 11:14
Ou ter o melhor emprego do mundo, aquele que é seis meses na Great Barrier Reef a ser pag@ para fazer rien, já ouviste falar? Isso é que era!
De Feronica a 14 de Janeiro de 2009 às 12:40
Pois era, só que a crer na comunicação social, as candidaturas estão ao ritmo de 30 por minuto e as vagas são as que se sabe. E depois desta adenda informativa? O que nos resta? A meu ver as tais neuroses e depressões mas agravadas.
De Citadina a 14 de Janeiro de 2009 às 18:06
Não, olha, dada a tua informação utilíssima resta-me relaxar, um relaxamento próprio da ausência de ansiedade "será que me escolhem, será que não?"
De Cosmopolita a 15 de Janeiro de 2009 às 15:48
Lembro-me da raiva que sentia por nos obrigarem a, escada acima, escada abaixo, os irmos buscar (sim, os dicionários), sempre que se punha alguma questão na família. Hoje agradeço e tento retribuir obrigando os filhos a fazer a mesma coisa.

Quanto ao "melhor trabalho do mundo", desde que não tivesse de fazer mergulho, velejar ou surfar e pudesse ler, dormir, comer e nadar não me importava nada de concorrer.

Comentar post

Dezembro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
16
17
18
19
20
25
26
27

Posts por autora

Pesquisa no blog

Subscrever feeds

Arquivo

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Tags

a vida dos outros(31)

açores e madeira(7)

ambiente e oceanos(21)

aniversários(19)

artes(6)

autarquias(12)

auto-recriações(24)

autores(7)

bem-estar(11)

blogs(73)

capitalismo(8)

catástrofes(4)

charlatonices(2)

cidadania(14)

ciências(3)

cinema(18)

citações(38)

clima(7)

condomínio(2)

curiosidades(26)

democracia(32)

desemprego(13)

desporto(22)

dilectos comentadores(5)

direitos humanos(11)

direitos liberdades e garantias(39)

e-mail e internet(6)

economia(27)

educação(8)

eleições(14)

emigração(5)

empresas(3)

estados de espírito(60)

europa(2)

eventos(33)

excertos da memória(24)

fascismo(9)

férias(25)

festividades(29)

fotografia(12)

gatos(10)

gestão do blog(15)

gourmet(3)

grandes tentações(11)

hipocrisia(3)

homens(6)

homofobia(17)

humanidade(8)

humor(24)

igualdade(20)

impostos(5)

infância(7)

insónia(6)

int(r)agável(25)

intimismos(38)

ivg(17)

justiça(17)

legislação(17)

lgbt(71)

liberdade de expressão(13)

língua portuguesa(7)

lisboa(27)

livros e literatura(21)

machismo(3)

mau gosto(8)

media(3)

mulheres(17)

música(35)

noite(5)

notícias(22)

óbitos(5)

países estrangeiros(19)

personalidades(9)

pesadelos(5)

petróleo(4)

poesia(9)

política(86)

política internacional(30)

por qué no te callas?(9)

portugal(31)

publicações(6)

publicidade(9)

quizes(8)

redes sociais virtuais(9)

reflexões(58)

religião(19)

saúde(6)

ser-se humano(15)

sexualidade(9)

sinais dos tempos(8)

sociedade(45)

sonhos(6)

televisão(23)

terrorismo(4)

trabalho(20)

transportes(7)

viagens(19)

vícios(13)

vida conjugal(17)

violência(4)

todas as tags

Quem nos cita