Quarta-feira, 14 de Janeiro de 2009

Casar com muçulmanos

Sem mais hipocrisias, eu até acho que entendo onde o Cardeal Patriarca de Lisboa queria chegar quando afirmou que casar com muçulmanos "é meter-se num monte de sarilhos que nem Alá sabe onde é que acabam".

O que ele se esqueceu de dizer foi que não é preciso casar com um muçulmano para uma mulher ser maltratada. Basta casar com certos portugueses, a maioria deles mui católicos até.

Buraco tapado por Citadina às 16:36
Link do post | Tapa também
10 comentários:
De -pirata-vermelho- a 14 de Janeiro de 2009 às 20:03
...e vai você e lança as premissas de um problema e propõe as conclusões de outro!


De Citadina a 15 de Janeiro de 2009 às 10:36
Não acho, caro amigo. O problema é o mesmo.
De Feronica a 15 de Janeiro de 2009 às 13:06



Que o Sr Cardeal e a grande maioria dos seus companheiros de trabalho estavam a ficar ché chés, já quase todos nós sabíamos. Só que opiniões são opiniões e cada um tem as suas. Valha-nos o facto de a julgar pela plateia do Sr nesta palestra (pelo menos nos planos filmados pela C. Social) não se encontrarem mulheres casadoiras susceptíveis de serem influenciadas por tal discurso intimista.
Por ser tão insólita, a sua opinião acabou por ter divulgação nacional. Sinto-me por isso na obrigação de responder, afinal sou mulher e solteira, logo pertenço ao grupo que o Sr Policarpo queria de forma tão paternalista aconselhar.
Agradeço o conselho bem intencionado mas inútil. Inútil porque para alem de absurdo é no meu caso descabido. Pelo que conheço de mim, sei que nunca me apaixonaria por um muçulmano. A bem da verdade, nem por um muçulmano nem por nenhum homem de qualquer outra religião. Apenas fiquei com uma dúvida: E ser for por uma muçulmana? Persistirá o problema?
De Citadina a 15 de Janeiro de 2009 às 14:22
É uma excelente questão, Ferónica.
Nesse caso, provavelmente o Sr. Cardeal já consideraria não haver problema nenhum, desde que se casassem as duas com o mesmo muçulmano, assim em jeito de castigo divino.
É deixar o Alá fazer o trabalho sujo de as matar, ou assim, que o deus do Sr. Cardeal, como sabemos, é "todo misericordioso ".
De Cosmopolita a 15 de Janeiro de 2009 às 15:37
Pois...Cá para mim é mais assim "casar-se com alguém é meter-se num monte de sarilhos, que nenhum Deus ou profeta sabe onde acabam".

A melhor maneira de, não conseguindo deixar de dar o nó, se sobreviver com relativa qualidade de vida, é casar com alguém que tenha, bem como a família, as mesmas origens geográficas, religiosas, económicas e socio-culturais que a nossa e que viva, de preferência na mesma cidade, bairro, etc.

Tudo o que possa minimizar os conflitos que inevitavelmente surgirão é bem vindo.
De Cosmopolita a 15 de Janeiro de 2009 às 15:39
Credo, faltou-me o políticas e o gastronómicas!!!! Como pude esquecer-me de factores tão primordiais?!
De Feronica a 15 de Janeiro de 2009 às 17:25
E aquela tese tão popular da complementaridade dos opostos?
De Cosmopolita a 16 de Janeiro de 2009 às 17:13
É tanga Ferónica, é tanga! Ou então é, por masoquismo assumido,o desejo deliberado de se meter em complicações mais diversas e profundas dos que as normalmente existentes!
De Duca a 16 de Janeiro de 2009 às 13:58
E casar com uma brasileira com uma misturada de sangue europeu e índio tamoio que não liga nenhuma aos policarpos e outros "bentos"?
Ai kórror! Estou duplamente em pecado! Para além de ter casado com outra mulher, ela está-se literalmente nas tintas para o vaticano e para as várias interpretações do corão. Caneco! Agora é que assinei de vez o meu mergulho nas profundezas do inferno. Putz!
De Citadina a 16 de Janeiro de 2009 às 14:24
Encontramo-nos lá, querida Duca! Deve ser o lugar mellhor do mundo, se é para lá que tod@s @s meus amig@s vão!

Comentar post

Dezembro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
16
17
18
19
20
25
26
27

Posts por autora

Pesquisa no blog

Subscrever feeds

Outras ruas

Arquivo

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Tags

a vida dos outros(31)

açores e madeira(7)

ambiente e oceanos(21)

aniversários(19)

artes(6)

autarquias(12)

auto-recriações(24)

autores(7)

bem-estar(11)

blogs(73)

capitalismo(8)

catástrofes(4)

charlatonices(2)

cidadania(14)

ciências(3)

cinema(18)

citações(38)

clima(7)

condomínio(2)

curiosidades(26)

democracia(32)

desemprego(13)

desporto(22)

dilectos comentadores(5)

direitos humanos(11)

direitos liberdades e garantias(39)

e-mail e internet(6)

economia(27)

educação(8)

eleições(14)

emigração(5)

empresas(3)

estados de espírito(60)

europa(2)

eventos(33)

excertos da memória(24)

fascismo(9)

férias(25)

festividades(29)

fotografia(12)

gatos(10)

gestão do blog(15)

gourmet(3)

grandes tentações(11)

hipocrisia(3)

homens(6)

homofobia(17)

humanidade(8)

humor(24)

igualdade(20)

impostos(5)

infância(7)

insónia(6)

int(r)agável(25)

intimismos(38)

ivg(17)

justiça(17)

legislação(17)

lgbt(71)

liberdade de expressão(13)

língua portuguesa(7)

lisboa(27)

livros e literatura(21)

machismo(3)

mau gosto(8)

media(3)

mulheres(17)

música(35)

noite(5)

notícias(22)

óbitos(5)

países estrangeiros(19)

personalidades(9)

pesadelos(5)

petróleo(4)

poesia(9)

política(86)

política internacional(30)

por qué no te callas?(9)

portugal(31)

publicações(6)

publicidade(9)

quizes(8)

redes sociais virtuais(9)

reflexões(58)

religião(19)

saúde(6)

ser-se humano(15)

sexualidade(9)

sinais dos tempos(8)

sociedade(45)

sonhos(6)

televisão(23)

terrorismo(4)

trabalho(20)

transportes(7)

viagens(19)

vícios(13)

vida conjugal(17)

violência(4)

todas as tags

Quem nos cita