Terça-feira, 14 de Julho de 2009

Legislativas e igualdade no acesso ao casamento civil

Perante o resultado das eleições europeias o choque só pode ter sido grande para a esquerda portuguesa, independentemente das subidas em percentagem e número de votos do BE e da CDU.

Para mim foi porque, pior que a vitória da direita a nível europeu, tive de assistir à vitória da direita a nível nacional, algo que poucos dias antes da ida às urnas parecia altamente improvável. E ainda porque, em relação a uma questão que me é cara, o que antes parecia garantido, de repente passou a ser bastante incerto. Falo da igualdade no acesso ao casamento civil.

Claro que não se pode avaliar um governo ou tomar uma decisão de voto apenas centrada neste assunto mas, se virmos bem, o que é este assunto? Um capricho, uma não-prioridade, uma luta de franjas? Ou uma questão de direitos fundamentais, de direitos humanos, de não-discriminação das minorias, de respeito e cumprimento efectivo da Constituição Portuguesa?

A igualdade no acesso ao casamento civil é, além do óbvio, uma medida de civilização e de qualidade da democracia e da sociedade portuguesa. E isso são indicadores essenciais para toda a gente, presumo.

Se a direita ganhar as eleições legislativas, teremos como Primeira Ministra uma pessoa declaradamente homófoba e uma defensora do liberalismo económico, o mesmo que afundou o mundo na crise em que está mergulhado. E não é com políticas dessas que o país vai passar a ser um país melhor, mais igualitário, mais justo, mais civilizado, mais próspero.

Portanto, a meu ver, é essencial que a esquerda ganhe as eleições. Mas que esquerda? Uma esquerda baseada na enfraquecida plataforma de apoio do PS, ajudada por quem escolhe o menor de dois males para governar o País (Sócrates ou Ferreira Leite)?

Ou uma esquerda plural mas que no seu conjunto garanta a maioria parlamentar?

Uma coisa é certa: é altamente improvável (para não dizer já impossível) que o PS sozinho consiga uma (outra) maioria absoluta parlamentar nas próximas legislativas.  E eu até torço para que o PS ganhe ao PSD. Mas daí até lhe dar o meu voto, vai um abismo. Primeiro, porque, como pessoa de esquerda, me é impossível premiar quem não merece, esquecer as traições do passado recente e as políticas anti-sociais e, segundo, porque acredito que devo recompensar com votos as forças políticas que efectivamente lutaram e continuam a travar as difíceis batalhas por melhores políticas sociais, como a dos direitos LGBT, com consistência, perseverança, assiduidade e convicção.

Assim, só posso desejar que o trabalho pró-consenso para se atingirem compromissos que realmente sirvam a sociedade (em vez de servirem os partidos políticos), por oposição a autoritarismo cego e teimosia gratuita (dos mesmos) seja possível de pôr em prática e se torne uma realidade.

Esse trabalho será mais difícil, sem dúvida, mas eu assumo que gostava de / quero ver como corre. Quanto mais não seja para testar, de facto, certas teorias [a governabilidade só é possível com maioria absoluta de um só partido] que se apregoam por aí como verdades inquestionáveis.

Buraco tapado por Citadina às 13:02
Link do post | Tapa também
2 comentários:
De Duca a 15 de Julho de 2009 às 15:55
Pois é, o PS rejeitou essa possibilidade quando a oportunidade surgiu. E tudo por uma manobra política convencido, arrogantemente, diga-se, de que ganharia as próximas eleições com maioria absoluta. Agora, que é muito provável que não obtenha maioria absoluta o que lhe resta? Coligar-se à esquerda? Mas o PCP e o BE quererão coligar-se com este PS? Coligar-se à direita? Com os homofóbicos do PSD ou "daqueles-que-vão-a-todas" e igualmente homofóbicos do CDS?
De facto, não vai ser tão cedo que o legítimo direito ao casamento por parte da comunidade LGBT passe a ser uma realidade. Houve uma oportunidade que não foi aproveitada, infelizmente!
De Citadina a 15 de Julho de 2009 às 18:25
Não creio que o PS consiga coligar-se com nenhum partido à sua esquerda, mas é possível (digo eu), mesmo sem coligações formais, trabalhar para um objectivo comum estabelecendo acordos em situações concretas.
Quanto à direita, são históricas as coligações do PS, principalmente quando existe um partido que dá o cú e cinco tostões por um quinhão de poder, como é o caso do CDS.
Mas eu tenho esperança que a direita não ganhe, pode ser que esta esperança tenha morte anunciada já para Setembro, mas até lá...
Se não morrer, é hora de cobrar ao PS. Se morrer, é continuar a lutar, não desistir, nunca desistir!

Comentar post

Dezembro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
16
17
18
19
20
25
26
27

Posts por autora

Pesquisa no blog

Subscrever feeds

Outras ruas

Arquivo

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Tags

a vida dos outros(31)

açores e madeira(7)

ambiente e oceanos(21)

aniversários(19)

artes(6)

autarquias(12)

auto-recriações(24)

autores(7)

bem-estar(11)

blogs(73)

capitalismo(8)

catástrofes(4)

charlatonices(2)

cidadania(14)

ciências(3)

cinema(18)

citações(38)

clima(7)

condomínio(2)

curiosidades(26)

democracia(32)

desemprego(13)

desporto(22)

dilectos comentadores(5)

direitos humanos(11)

direitos liberdades e garantias(39)

e-mail e internet(6)

economia(27)

educação(8)

eleições(14)

emigração(5)

empresas(3)

estados de espírito(60)

europa(2)

eventos(33)

excertos da memória(24)

fascismo(9)

férias(25)

festividades(29)

fotografia(12)

gatos(10)

gestão do blog(15)

gourmet(3)

grandes tentações(11)

hipocrisia(3)

homens(6)

homofobia(17)

humanidade(8)

humor(24)

igualdade(20)

impostos(5)

infância(7)

insónia(6)

int(r)agável(25)

intimismos(38)

ivg(17)

justiça(17)

legislação(17)

lgbt(71)

liberdade de expressão(13)

língua portuguesa(7)

lisboa(27)

livros e literatura(21)

machismo(3)

mau gosto(8)

media(3)

mulheres(17)

música(35)

noite(5)

notícias(22)

óbitos(5)

países estrangeiros(19)

personalidades(9)

pesadelos(5)

petróleo(4)

poesia(9)

política(86)

política internacional(30)

por qué no te callas?(9)

portugal(31)

publicações(6)

publicidade(9)

quizes(8)

redes sociais virtuais(9)

reflexões(58)

religião(19)

saúde(6)

ser-se humano(15)

sexualidade(9)

sinais dos tempos(8)

sociedade(45)

sonhos(6)

televisão(23)

terrorismo(4)

trabalho(20)

transportes(7)

viagens(19)

vícios(13)

vida conjugal(17)

violência(4)

todas as tags

Quem nos cita