Quinta-feira, 30 de Dezembro de 2010

Reflectindo #2

Os hologramas são imagens/registos codificados a três dimensões. Não têm existência corpórea real.

Buraco tapado por Cosmopolita às 10:50
Link do post | Tapa também
7 comentários:
De Observador a 30 de Dezembro de 2010 às 15:14
A holografia é foi concebida teoricamente em 1948 e somente executada pela primeira vez nos anos 60, após a invenção do laser.
Certo?
De Cosmopolita a 30 de Dezembro de 2010 às 23:55
Meu caro Observador, para mais leitura acessível faça o favor de ler este link http://en.wikipedia.org/wiki/Hologram. Segundo reza a história, foi inventada em 1947 por um físico húngaro.britânico, Denis Gabor. E sim, só foi desenvolvida esta técnica em 1960 após o desenvolvimento do laser.
Aproveito a ocasião para lhe desejar um Feliz Ano Novo em que todos os seus sonhos se possam realizar!
Um abraço
De Observador a 31 de Dezembro de 2010 às 13:05
Citadina
Já consultei o "link" que me indicou.
Existem algumas pequenas diferenças em relação ao local onde fui buscar a minha informação, mas nada de relevante.

Agradeço e retribuo, com amizade, os votos de um Feliz Ano Novo.

De Observador a 31 de Dezembro de 2010 às 13:06
Peço desculpa à Cosmopolita por me ter dirigido à Citadina.

Estou perdoado?
De João a 30 de Dezembro de 2010 às 16:06
É sabido que um holograma não é uma verdadeira imagem. É um conjunto de estímulos que uma vez agrupados e integrando determinados atributos, faz com que nós humanos, na nossa imperfeição perceptiva o entendamos como tridimensional.
Não é tridimensional nem sequer uma verdadeira imagem, muito menos tem existência material para além do seu suporte.
Já agora, alguma vez encontrou alguém com tal crença?
De Cosmopolita a 31 de Dezembro de 2010 às 00:03
Meu caro João, encontrei: eu própria!

Às vezes convenço-me de que alguns hologramas têm existência real de tão vívidas que são as suas projecções na minha memória.

Agora falando a sério, estou convencida que daqui a alguns séculos se poderá transformar a matéria em energia de tal maneira que seja possível fazê-la transportar, como se vê na ficção científica, para outros planetas a anos-luz de distância. Sempre seria mais prático do que ter viagens espaciais em que (pelo menos até agora e segundo Einstein) a velocidade das naves não pode ultrapassar a velocidade da luz, não acha?
De João a 31 de Dezembro de 2010 às 17:03
Cara Cosmopolita,


Respondendo-me assim, faz com que agora também eu passe a conhecer um caso quase real de alguem que acredita que o holograma tem existencia fisica tridimensional e real.
Para mim, talvez porque a primeirta imagem que me vem á cabeça quendo falamos em hologramas é a do passarinho dois cartões VISA, um holograma é mesmo uma falsa realidade, uma miragem ou até mesmo um embuste.

Quanto à matéria e à sua transformação em energia, a verdade é que extrair a energia da matéria, transformá-la e transportá-la, é algo que já se faz há muito. Já transformar toda a matéria em energia e fazê-la viajar no espaço (e no tempo, pq não?) para uma vez no destino a energia voltar a ser matéria, já me parece coisa, tal como diz, de filme.

As minhas convicções quanto ao futuro dos transportes e da propria humanidade, para daqui a uns seculos, não vão para alem do obviamente expectável.

De qualquer modo, caso a Cosmopolita esteja certa, por favor, nesse futuro tenha cuidado com as moscas.



Comentar post

Dezembro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
16
17
18
19
20
25
26
27

Posts por autora

Pesquisa no blog

Subscrever feeds

Outras ruas

Arquivo

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Tags

a vida dos outros(31)

açores e madeira(7)

ambiente e oceanos(21)

aniversários(19)

artes(6)

autarquias(12)

auto-recriações(24)

autores(7)

bem-estar(11)

blogs(73)

capitalismo(8)

catástrofes(4)

charlatonices(2)

cidadania(14)

ciências(3)

cinema(18)

citações(38)

clima(7)

condomínio(2)

curiosidades(26)

democracia(32)

desemprego(13)

desporto(22)

dilectos comentadores(5)

direitos humanos(11)

direitos liberdades e garantias(39)

e-mail e internet(6)

economia(27)

educação(8)

eleições(14)

emigração(5)

empresas(3)

estados de espírito(60)

europa(2)

eventos(33)

excertos da memória(24)

fascismo(9)

férias(25)

festividades(29)

fotografia(12)

gatos(10)

gestão do blog(15)

gourmet(3)

grandes tentações(11)

hipocrisia(3)

homens(6)

homofobia(17)

humanidade(8)

humor(24)

igualdade(20)

impostos(5)

infância(7)

insónia(6)

int(r)agável(25)

intimismos(38)

ivg(17)

justiça(17)

legislação(17)

lgbt(71)

liberdade de expressão(13)

língua portuguesa(7)

lisboa(27)

livros e literatura(21)

machismo(3)

mau gosto(8)

media(3)

mulheres(17)

música(35)

noite(5)

notícias(22)

óbitos(5)

países estrangeiros(19)

personalidades(9)

pesadelos(5)

petróleo(4)

poesia(9)

política(86)

política internacional(30)

por qué no te callas?(9)

portugal(31)

publicações(6)

publicidade(9)

quizes(8)

redes sociais virtuais(9)

reflexões(58)

religião(19)

saúde(6)

ser-se humano(15)

sexualidade(9)

sinais dos tempos(8)

sociedade(45)

sonhos(6)

televisão(23)

terrorismo(4)

trabalho(20)

transportes(7)

viagens(19)

vícios(13)

vida conjugal(17)

violência(4)

todas as tags

Quem nos cita