Quinta-feira, 15 de Março de 2007

Pelo direito a morrer com dignidade

Laurence Tramois, médica, e Chantal Chanel, enfermeira, estão a ser julgadas em França por, em 2003, terem respeitado a vontade de morrer com dignidade, expressa por Paulette Druais, uma doente terminal com 65 anos, padecendo de cancro no pâncreas. Esta decisão foi apoiada por toda a família de Paulette Druais, que agora concomitantemente reclama a não aplicação da lei que pune a eutanásia às duas profissionais. Incorrem ambas numa pena que poderá ir até trinta anos de prisão.
 
Mas a  administração do hospital onde o acontecimento ocorreu, numa atitude de hipocrisia ignóbil e mais papista que o papa (e com este é difícil) não desiste da acusação.
 
Diversas personalidades francesas assinaram uma petição a favor do direito a morrer com dignidade e da não condenação de Laurence Tramois e Chantal Chanel.
 
Além de desejar que estas mulheres, que agiram de boa fé e com muita coragem, numa atitude de compaixão e humanismo extraordinários, não sofram nenhuma represália pelo seu acto, desejo também que se algum dia eu me vir numa situação semelhante à de Paulette Druais, alguém, como Laurence Tramois e Chantal Chanel, me ajude a morrer com dignidade.
Buraco tapado por Citadina às 12:47
Link do post | Tapa também
6 comentários:
De Viz a 15 de Março de 2007 às 17:50

Cara vizinha,
o nosso direito de dignidade na vida e na morte tem sido "vítima" da eutanásia praticada pela igreja e o seu pseudo-moralismo .
O primeiro passo já foi feito com a lei pela IVG , depende de todos nós despertar o bom senso e acabar com o sofrimento imposto à tantas pessoas.
Eu tb gostava, caso enfrentasse uma situação semelhante, ter ao meu lado estes anjos da misericórdia.
[Error: Irreparable invalid markup ('<br [...] <a>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

<BR>Cara vizinha, <BR>o nosso direito de dignidade na vida e na morte tem sido "vítima" da eutanásia praticada pela igreja e o seu pseudo-moralismo . <BR>O primeiro passo já foi feito com a lei pela IVG , depende de todos nós despertar o bom senso e acabar com o sofrimento imposto à tantas pessoas. <BR>Eu tb gostava, caso enfrentasse uma situação semelhante, ter ao meu lado estes anjos da misericórdia. <BR class=incorrect name="incorrect" <a>Viz</A>
De Citadina a 16 de Março de 2007 às 11:54
Sem dúvida, Viz , concordo com a tua perspectiva, obrigada pelo teu comentário.
De Duca a 16 de Março de 2007 às 10:56
Apesar da eutanásia ser um assunto de enorme delicadeza, não são desejáveis atitutes hipócritas. Uma coisa é a existência da lei que visa proteger abusos que coloquem em risco a vida de pessoas que estando em fase terminal querem, contudo, continuar a viver. Outra coisa é insistir-se na aplicabilidade da lei contra a vontade da família de Paulette Druais que sempre soube da vontade da doente e apoiou o acto eutanásico.
De Citadina a 16 de Março de 2007 às 11:58
Sim, Duca, a lei deve precaver e impedir os abusos, sem dúvida, mas também deve respeitar o direito a morrer com dignidade de quem expressa essa vontade, que é uma coisa que falta ainda no nosso país!
Beijinhos!
De Cosmopolita a 16 de Março de 2007 às 12:38
Sobre a questão da Eutanásia, é curioso observar que ela já se põe há décadas.

Quando tinha 12 anos li um livro espantoso, e um dos grandes clássicos da literatura universal, de Roger Martin Du Gard (1881-1958) "Les Thibault".

Roger Martin Du Gard recebeu o prémio Nobel da Literatura em 1937 "pela consideração dos aspectos fundamentais da vida contemporânea reflectidos na novela Les Thibault".

Nela, Antoine, uma das figuras principais deste livro, médico, adopta a eutanásia com o pai. A tomada desta decisão é qualquer coisa de dramático, de uma agonia e sofrimento indizíveis, não só porque se trata de um médico que se debate com profundos problemas morais e éticos, mas também porque o doente em questão é o próprio pai!

Como diria António numa das suas falas" Estou condenado a morrer sem ter entendido grande coisa nem do mundo nem de mim mesmo"...

Recentemente, vi um filme que aborda, com grande sensibilidade e beleza, esta questão, de as pessoas em determinados estados de saúde, terem o mesmo direito a morrer, que a sociedade reinvindica para o direito à vida.

Chama-se "Mar adentro" e é do realizador Alejandro Amenábar, tendo sido lançado em Espanha em 2004. Por muita pena que se tenha do personagem central, é impossível não estarmos do lado dele na sua luta pelo direito a morrer.

Por estes dias, em Espanha, um caso real de pedido de eutanásia, foi autorizado porque a doente em questão estava ligada a um ventilador e aí, em vez de se considerar eutanásia o desligar-se o ventilador, foi considerada "suspensão de tratamento"...

Enfim, malhas que a ética tece...
De Citadina a 19 de Março de 2007 às 11:29
Hoje já é conhecida a decisão do tribunal francês: Laurence Tramois foi condenada a um ano de prisão com pena suspensa e Chantal Chanel foi absolvida.
Enfim, do mal o menos.

Comentar post

Dezembro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
16
17
18
19
20
25
26
27

Posts por autora

Pesquisa no blog

Subscrever feeds

Outras ruas

Arquivo

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Tags

a vida dos outros(31)

açores e madeira(7)

ambiente e oceanos(21)

aniversários(19)

artes(6)

autarquias(12)

auto-recriações(24)

autores(7)

bem-estar(11)

blogs(73)

capitalismo(8)

catástrofes(4)

charlatonices(2)

cidadania(14)

ciências(3)

cinema(18)

citações(38)

clima(7)

condomínio(2)

curiosidades(26)

democracia(32)

desemprego(13)

desporto(22)

dilectos comentadores(5)

direitos humanos(11)

direitos liberdades e garantias(39)

e-mail e internet(6)

economia(27)

educação(8)

eleições(14)

emigração(5)

empresas(3)

estados de espírito(60)

europa(2)

eventos(33)

excertos da memória(24)

fascismo(9)

férias(25)

festividades(29)

fotografia(12)

gatos(10)

gestão do blog(15)

gourmet(3)

grandes tentações(11)

hipocrisia(3)

homens(6)

homofobia(17)

humanidade(8)

humor(24)

igualdade(20)

impostos(5)

infância(7)

insónia(6)

int(r)agável(25)

intimismos(38)

ivg(17)

justiça(17)

legislação(17)

lgbt(71)

liberdade de expressão(13)

língua portuguesa(7)

lisboa(27)

livros e literatura(21)

machismo(3)

mau gosto(8)

media(3)

mulheres(17)

música(35)

noite(5)

notícias(22)

óbitos(5)

países estrangeiros(19)

personalidades(9)

pesadelos(5)

petróleo(4)

poesia(9)

política(86)

política internacional(30)

por qué no te callas?(9)

portugal(31)

publicações(6)

publicidade(9)

quizes(8)

redes sociais virtuais(9)

reflexões(58)

religião(19)

saúde(6)

ser-se humano(15)

sexualidade(9)

sinais dos tempos(8)

sociedade(45)

sonhos(6)

televisão(23)

terrorismo(4)

trabalho(20)

transportes(7)

viagens(19)

vícios(13)

vida conjugal(17)

violência(4)

todas as tags

Quem nos cita