Sexta-feira, 23 de Março de 2007

Série "Mulher a dias" - 2

A minha mulher a dias vem à terça-feira (Só escrevo sobre isso hoje, sexta, porque só hoje consegui controlar os níveis de irritação que as investidas dela ao meu lar-doce-lar me causam).

 

Já me habituei a muita coisa. Já não tenho um ataque de nervos quando chego a casa nas terças à noite aflita para mijar e depois do alívio encontro o papel higiénico todo encharcado (don’t ask).
Já não lhe chamo nem metade dos nomes que lhe chamava por ter de voltar a arrumar tudo, desta vez nos devidos sítios, salvando os objectos dos locais estapafúrdios para onde a lógica patibular da mulher os arremessou.
Já não me angustiam tanto os "desaparecimentos" da lista das compras que elaborei criteriosamente durante os últimos dias, e da qual só dou falta, invariavelmente já de saída para o supermercado, com as chaves do carro na mão. Limito-me a fazer um percurso alargado pelos corredores do dito e comprar milhentas coisas que nunca consumirei (como marmelada russa), mas entre elas, com alguma sorte, acabo por trazer o que realmente preciso. É claro que fica caro, mas poupa-me os nervos.
Agora o que me põe doida, mas atenção, mesmo à beira de um internamento hospitalar na secção psiquiátrica, é o que ela faz ao meu tabuleiro de xadrez. Para ela, aquilo são apenas quadradinhos pretos e brancos num padrão engraçadinho, que só não se pendura na parede porque tem uns bonequinhos em cima a enfeitar. Esses bonequinhos podiam ser dispostos de uma forma muito mais criativa, mas a chata da dona da casa – que sou eu – insiste em enfileirar bonecos de cada cor em extremos opostos, num arranjo militar, como se eles fossem entrar em guerra. Enfim, manias, lá se respeita que todos as temos.
Assim, depois da passagem dela, o resultado com que me deparo, quando chego a casa, é, simplesmente, o caos: embora esteja tudo muito limpinho e sem pó, as torres, os bispos e os cavalos ocupam o lugar das rainhas, de peões e das torres, respectivamente, enquanto o rei avança para proteger um reles peão, que se esconde timidamente atrás dele!!!
Que fazer?! Desenhar um croquis?? Ensinar o estafermo a jogar?!
Buraco tapado por Citadina às 09:51
Link do post | Tapa também
6 comentários:
De Viz a 23 de Março de 2007 às 18:09
Eu não sei o que se passa. Tu imaginas que a minha mulher de dias limpava as janelas com Pronto-Móveis em spray gorduroso???
Do outro lado esta estratégia que ela adopta é a mais frequente hoje em dia...em todos os níveis lolol
De João F. Curvêlo a 25 de Março de 2007 às 11:15
Bom dia!

O meu blog - "A Pedra no Caminho" - tem um novo grafismo. Achei que era necessária uma mudança, porque não gosto de ver as coisas iguais durante muito tempo!
( http://pedranocaminho.blogspot.com )


Por outro lado, tenho um blog novo, de poesia, este com comentários. Conto com os vossos comentários. Podem encontra-lo em:

http://felizmentehapoesia.blogspot.com


Até breve!
Beijinho,

JFC
De Citadina a 26 de Março de 2007 às 10:29
Olá João!
É bom ver que continuas activo na blogosfera !
Já te linkei aqui na Azinhaga.
Beijinhos e até breve!!
De Citadina a 26 de Março de 2007 às 10:39
"Pronto" nos vidros?! Argh , que nojo!! Mas porquê?! O que é que nós lhes fizemos ?? Não lhes pagamos, porventura muuuiiito bem (!!!) ao fim do mês?!!
Quanto à estratégia... de facto tens razão. Embora no caso dela isto se explique apenas por aquilo que eu chamo a intuição natural da ignorância. O que ela apreende do mundo é o que ela reflecte nas suas atitudes e opções... E não é nada de bom... That's the world we live in ...
De Rita a 29 de Março de 2007 às 17:39
Ó cunhadinha!
Não sei se já reparaste, mas estes posts sobre as empregadas são imensamente burgueses e snobs...
Querias que a empregada soubesse jogar xadrez?...
Mas pronto, o povo é um horror, e isto de ter gente estranha em casa é pêssimo e ainda para mais são estrangeiros e não percebem nada do que nós dizemos, podiam ao menos aprender a língua, e é uma devassa que nos fazem à casa!
Se ao menos já tivessem vulgarizado os robôs podíamos dispensar este povo todo ignorante lá em casa!

Beijinhos! :)
De Citadina a 30 de Março de 2007 às 10:25
Cunhadinha,
Sim, já tinha reparado. Mea culpa, é mais forte do que eu... :-)
Mas esta senhora é portuguesa. Se fosse estrangeira o mais provável era não perceber nada do que eu dissesse, mas saber pôr as peças de xadrez nos sítios correctos! :-)
Beijinhos!

Comentar post

Dezembro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
16
17
18
19
20
25
26
27

Posts por autora

Pesquisa no blog

Subscrever feeds

Arquivo

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Tags

a vida dos outros(31)

açores e madeira(7)

ambiente e oceanos(21)

aniversários(19)

artes(6)

autarquias(12)

auto-recriações(24)

autores(7)

bem-estar(11)

blogs(73)

capitalismo(8)

catástrofes(4)

charlatonices(2)

cidadania(14)

ciências(3)

cinema(18)

citações(38)

clima(7)

condomínio(2)

curiosidades(26)

democracia(32)

desemprego(13)

desporto(22)

dilectos comentadores(5)

direitos humanos(11)

direitos liberdades e garantias(39)

e-mail e internet(6)

economia(27)

educação(8)

eleições(14)

emigração(5)

empresas(3)

estados de espírito(60)

europa(2)

eventos(33)

excertos da memória(24)

fascismo(9)

férias(25)

festividades(29)

fotografia(12)

gatos(10)

gestão do blog(15)

gourmet(3)

grandes tentações(11)

hipocrisia(3)

homens(6)

homofobia(17)

humanidade(8)

humor(24)

igualdade(20)

impostos(5)

infância(7)

insónia(6)

int(r)agável(25)

intimismos(38)

ivg(17)

justiça(17)

legislação(17)

lgbt(71)

liberdade de expressão(13)

língua portuguesa(7)

lisboa(27)

livros e literatura(21)

machismo(3)

mau gosto(8)

media(3)

mulheres(17)

música(35)

noite(5)

notícias(22)

óbitos(5)

países estrangeiros(19)

personalidades(9)

pesadelos(5)

petróleo(4)

poesia(9)

política(86)

política internacional(30)

por qué no te callas?(9)

portugal(31)

publicações(6)

publicidade(9)

quizes(8)

redes sociais virtuais(9)

reflexões(58)

religião(19)

saúde(6)

ser-se humano(15)

sexualidade(9)

sinais dos tempos(8)

sociedade(45)

sonhos(6)

televisão(23)

terrorismo(4)

trabalho(20)

transportes(7)

viagens(19)

vícios(13)

vida conjugal(17)

violência(4)

todas as tags

Quem nos cita