Quinta-feira, 29 de Novembro de 2007

Desabafo intimista e filosófico com potencialidades de controvérsia à séria

Interessar-me por homens (eroticamente falando) seria mais fácil se eles fossem conversadores compulsivos, se tomassem as rédeas de um diálogo com pulso e me poupassem a trabalheira.
Se não ficassem ali especados a olhar para mim com aquele sorrisinho que é sempre o mesmo e lhes está de certeza no código genético. Que quer dizer sempre o mesmo. Ai, o que o óbvio me irrita nem sei dizer!
Não importa muito o que dissessem, desde que o proferissem com alguma noção de bom estilo narrativo e acima de tudo, desde que evitassem a todo o custo a ladainha lamecho-primária (acabei de inventar) sobre os meus atributos mais superficiais.
Ouvi dizer que os há. E então se a amostra tiver por fonte a blogosfera, eu própria admito que eles são aos montes! Mas nunca se cruzaram comigo in persona. Ou então reservam os virtuosismos intelectuais em exclusividade para o mundo virtual. Ou então são exactamente esses que me ignoram ostensivamente. De qualquer forma, a conclusão é a mesma: a incompatibilidade parece ser incontornável.

Buraco tapado por Citadina às 17:04
Link do post | Tapa também | Ver comentários (15)
Quarta-feira, 28 de Novembro de 2007

Porque hoje é Quarta...

Ofereço-vos dois poemas de Eugénio de Andrade.

 

É urgente o amor.

É urgente um barco no mar.
 
É urgente destruir certas palavras,
ódio, solidão e crueldade,
alguns lamentos,
muitas espadas.
 
É urgente inventar alegria,
multiplicar os beijos, as searas,
é urgente descobrir rosas e rios
e manhãs claras.
 
Cai o silêncio nos ombros e a luz
impura, até doer.
É urgente o amor, é urgente
permanecer.

 

 

 

Hoje roubei todas as rosas dos jardins
e cheguei ao pé de ti de mãos vazias.

 

Buraco tapado por Cosmopolita às 14:01
Link do post | Tapa também | Ver comentários (6)
Terça-feira, 27 de Novembro de 2007

Cenas da vida conjugal (revisited with a jet lag)

Sexta-feira à noite, sofazando.
O filho pródigo chega a casa e diz:
"Que horror, cheira imenso a tabaco!", o que faz a mãe erguer-se de um salto para abrir as portas da sala, que dão para a varanda, de par em par (and did I mention it was 12ºC outside ??!!)
De imediato entra uma varejeira nojenta que tenta a todo custo escapar da morte por hipotermia e é a minha vez de intervir com um sonoro "Fecha isso, caramba!", e para a gata: "Do something about it, you're the cat in the house!"
Nada.
Passados trinta segundos de nojo e ansiedade, finalmente uma reacção. A gata começa a emboscar o insecto asqueroso.
"Ah! Até que enfim! Caça! Mata!"
Cosmo, de volta ao sofá, diz: "I could have killed it. I may not be the cat in the house, but I have a pantufa."

Buraco tapado por Citadina às 14:46
Link do post | Tapa também | Ver comentários (7)
Segunda-feira, 26 de Novembro de 2007

Medo

Numa concorrida bilheteira lisboeta:

- Filho, vamos ao circo?
- Oh, mãe, não!
- Mas porquê?!
- Porque é muito, muito assustador.

Tirou-me as palavras da boca. E eu tenho 35 anos.

Buraco tapado por Citadina às 13:54
Link do post | Tapa também | Ver comentários (6)
Quinta-feira, 22 de Novembro de 2007

Orgulho parvo



Buraco tapado por Citadina às 15:15
Link do post | Tapa também | Ver comentários (20)

Parabéns selecção

E parabéns "mister" Scolari.
Resisti até agora - e já lá vai quase um ano - a falar aqui abertamente sobre futebol, esgueirando-me do assunto com apenas três referências vagas.
Pois chegou a hora de acabar com esse jejum e manifestar o meu franco apoio a Scolari como seleccionador da equipa principal de futebol profissional.
É certo que ultimamente ele tem cedido aos nervos de formas bastante infelizes, mas também tem sofrido as consequências inerentes. Mas mais do que as consequências expectáveis, têm também sofrido o ataque constante de um bando de abutres cegos pela ânsia de carniça, que não conseguem distinguir entre o que é justamente exigível e a perfeição.
Facto é que o homem levou uma selecção de futebol ao título de campeões do mundo e outra diferente ao quarto lugar de idêntica competição. Haverá assim muitos outros treinadores de futebol que possam dizer o mesmo de si próprios? Não me parece.
Facto é que Scolari levou a nossa selecção a atingir classificações que esta quase nunca tinha atingido. Fomos muitas vezes vice-campeões europeus? E estivemos muitas vezes entre os quatro melhores do mundo? Não, pois não?
Ontem, Scolari, como dirigente técnico máximo da selecção portuguesa de futebol, levou esta a mais uma qualificação para o Campeonato Europeu de Futebol em 2008. Cumpriu - mais uma vez - os objectivos.
Portanto muito me espanta ver alguns - pronto, muitos - comentadores e jornalistas viciados em crítica cega quererem fazer disto algo parecido com um fracasso em toda a linha.
É que essa gente parece estar muito convencida que tem poderes especiais de análise e que vê aquilo que Scolari não vê, e que tem muito a ensinar ao seleccionador sobre futebol em geral e como desempenhar as funções de seleccionador em particular. Treinadores de bancada, portanto.
Mas falar da bancada, ou de um elegante estúdio de televisão, para analisar à lupa todo e qualquer defeitozinho, toda e qualquer falha, negligenciando ou mesmo ignorando os resultados, é que me parece uma análise muito parcial, pouco racional, nada justa, nada séria.
Não sei o que tanto os excita no fracasso alheio. Mas suspeito ser o triste corolário que afirma que "misery loves company".

Tags:
Buraco tapado por Citadina às 10:33
Link do post | Tapa também
Terça-feira, 20 de Novembro de 2007

A minha fantasia urbano-depressiva sobre Tóquio

Tóquio é a cidade ideal para se estar deprimid@. Pressinto isto desde o Lost in Translation, essa obra cinematográfica discreta, magistral e demonstração plena do tal ideal.
Em Londres e outras cidades cinzentas sente-se frio e outros desconfortos, mas também uma excitação cosmopolita que é antónima de depressão.
Em Tóquio não se percebe nada do que se lê, não se compreendem os discursos, a cultura, os gestos. Mergulha-se na desorientação total e na procura desesperada de uma pista de sentido que nos oriente para um conforto minimal.
Em Tóquio não se sente nada de positivo pela cidade, portanto não se tem pena de passar o dia todo encafuad@ num bom hotel.
Há espaço de sobra para a depressão, amplo, digno e com estilo. Há também motivos e argumentos para side effects como o escárnio, o choro, o desprezo, a auto-comiseração e a apatia.
E nem precisa de estar a chover. Aquele manto de poluição entre nós e o céu serve lindamente.
Alguém tem um bilhetinho de avião a mais?

Buraco tapado por Citadina às 17:40
Link do post | Tapa também | Ver comentários (12)
Segunda-feira, 19 de Novembro de 2007

Voltaram os céus de Londres

Jamie Cullum - London Skies
in: Catching Tales, Setembro 2005.



Paint a picture,
Clear cut and pale on a cold winter's day,
Shapes and cool light wander the streets like an army of strays,
On a cold winters day.

Will you let me romanticize,
The beauty in our London Skies,
You know the sunlight always shines,
Behind the clouds of London Skies.

Patient moments chill to the bone under infinite greys,
Vision hindered mist settling low like a ghostly ballet,
On a cold winter's day.

Will you let me romanticize,
The beauty in our London Skies,
You know the sunlight always shines,
Behind the clouds of London Skies.

Nothing is certain except everything you know can change,
you worship the sun but now,
can you fall for the rain...

Will you let me romanticize,
The beauty in our London Skies,
You know the sunlight always shines,
Behind the clouds of London Skies.

Tags: ,
Buraco tapado por Citadina às 12:53
Link do post | Tapa também
Sexta-feira, 16 de Novembro de 2007

Paradoxos da vida profissional no "Portugal real" - uma ilustração neo-surrealista


Caro Pedro Teixeira,

Obrigada pelo seu Curriculum Vitae, que teve a amabilidade de enviar para o endereço de e-mail geral desta empresa e que já foi - estou certa - parar ao recycle bin da maioria dos meus colegas, apesar de ter chegado somente há dez segundos.

Eu, não tendo nada melhor para fazer e movida por uma compaixão idiota própria de quem já se viu na sua triste condição, decidi responder-lhe, só para saber que, contra todas as expectativas e demonstrações científicas, é possível obter alguma espécie de eco desse buraco negro no ciberespaço exclusivamente dedicado à procura de emprego.

Infelizmente este eco não é aquele que tão ansiosamente aguarda. Desculpe mas não está nas minhas mãos. No entanto, não deixa de ser um eco. Fica agora à sua consideração decidir se prefere o silêncio habitual.

Se assim for, pelo menos  - traumatizado pela minha missiva - não deixará de reformular o excerto do seu discurso que versa sobre o seu alegado "conhecimento de que a Vossa empresa está em franca expansão (...)".

Eu própria, a certa altura, reconheci quão patética era a minha atitude de lambe-botas e deixei de tentar cair nas boas graças dos departamentos de recursos humanos das empresas a quem enviava CVs dizendo que elas estavam a ir de vento em popa e eram muito promissoras.

Passei antes a dizer-lhes, no primeiro parágrafo das cartas de apresentação, que me estava a cagar para o que faziam ou em que parte do ciclo económico se encontravam mas achava uma certa graça a esta palermice de tentar parecer muito competente em duas páginas falando de mim própria na terceira pessoa, tendo ao mesmo tempo muito cuidado com a sintaxe e a ortografia.

Estranhamente isto captou inusitado interesse em alguns círculos restritos de funcionários acometidos por um tédio brutal, que tiveram a gentileza de me recomendar nas mais altas instâncias do submundo empresarial. E aqui estou eu. Temos que ser uns para os outros.

Buraco tapado por Citadina às 16:47
Link do post | Tapa também | Ver comentários (7)
Quarta-feira, 14 de Novembro de 2007

Há alturas na vida...

... em que a realidade não é conciliável com a actualização regular do blog. Esta seguirá dentro de momentos, que podem ser mais ou menos longos. Mas para não vos deixar completamente a seco, querid@s leitor@s, recomendo uma visita atenta a dois blogs:
Blindness, da autoria de Fernando Meirelles, realizador de filmes como "A Cidade de Deus" e "The Constant Gardener". Este blog é um diário das filmagens da sua nova longa-metragem, baseada no livro de José Saramago "Ensaio Sobre a Cegueira". Muitíssimo interessante.
Outro é o blog de Lucía Etxebarría, Una Blog Como Otra Cualquiera... . Para quem, como eu, é fã desta escritora espanhola. Quem não é ou não conhece, pode ter sempre a abertura de espírito necessária para se deixar surpreender.
 
Buraco tapado por Citadina às 15:01
Link do post | Tapa também
Segunda-feira, 5 de Novembro de 2007

Post dedicado aos "homens bons"

... e também, como não podia deixar de ser, às mulheres boas, e a todos os politicamente correctos, independentemente do sexo, credo, etnia, raça, orientação sexual, et cetera.
Para vós, um lindo momento de poesia da boa:

Algumas perguntas a um “homem bom”

Bom, mas para quê?
Sim, não és venal, mas o raio
Que sobre a casa cai também
Não é venal.
Nunca renegas o que disseste.
Mas que disseste?
És de boa fé, dás a tua opinião.
Que opinião?

Tens coragem.
Contra quem?
És cheio de sabedoria.
Para quem?
Não olhas aos teus interesses.
Aos de quem olhas?
És um bom amigo.
Sê-lo-ás do bom povo?

Escuta pois: nós sabemos
Que és nosso inimigo.
Por isso vamos
Encostar-te ao paredão.
Mas em consideração
Dos teus méritos e das tuas boas qualidades
Escolhemos um bom paredão e vamos fuzilar-te com
Boas balas atiradas por bons fuzis e enterrar-te com
Uma boa pá debaixo da terra boa.

(Bertolt Brecht)


E ainda, porque um é pouco e dois é bom, parece:

O Analfabeto Político

O pior analfabeto
é o analfabeto político.
Ele não ouve, não fala,
nem participa dos acontecimentos políticos.
Ele não sabe que o custo da vida,
o preço do feijão, do peixe, da farinha,
do aluguer, do sapato e do remédio
dependem das decisões políticas.

O analfabeto político
é tão burro que se orgulha
e estufa o peito dizendo
que odeia a política.
Não sabe o imbecil que,
da sua ignorância política
nasce a prostituta, o menor abandonado
e o pior de todos os bandidos:
O político vigarista,
pelintra, corrupto e lacaio
das empresas nacionais e multinacionais.

(Bertolt Brecht)


Gostaram? Eu sei que sim. De nada, sempre às ordens.

Buraco tapado por Cosmopolita às 12:32
Link do post | Tapa também | Ver comentários (13)

Dezembro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
16
17
18
19
20
25
26
27

Posts por autora

Pesquisa no blog

Subscrever feeds

Outras ruas

Arquivo

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Tags

a vida dos outros(31)

açores e madeira(7)

ambiente e oceanos(21)

aniversários(19)

artes(6)

autarquias(12)

auto-recriações(24)

autores(7)

bem-estar(11)

blogs(73)

capitalismo(8)

catástrofes(4)

charlatonices(2)

cidadania(14)

ciências(3)

cinema(18)

citações(38)

clima(7)

condomínio(2)

curiosidades(26)

democracia(32)

desemprego(13)

desporto(22)

dilectos comentadores(5)

direitos humanos(11)

direitos liberdades e garantias(39)

e-mail e internet(6)

economia(27)

educação(8)

eleições(14)

emigração(5)

empresas(3)

estados de espírito(60)

europa(2)

eventos(33)

excertos da memória(24)

fascismo(9)

férias(25)

festividades(29)

fotografia(12)

gatos(10)

gestão do blog(15)

gourmet(3)

grandes tentações(11)

hipocrisia(3)

homens(6)

homofobia(17)

humanidade(8)

humor(24)

igualdade(20)

impostos(5)

infância(7)

insónia(6)

int(r)agável(25)

intimismos(38)

ivg(17)

justiça(17)

legislação(17)

lgbt(71)

liberdade de expressão(13)

língua portuguesa(7)

lisboa(27)

livros e literatura(21)

machismo(3)

mau gosto(8)

media(3)

mulheres(17)

música(35)

noite(5)

notícias(22)

óbitos(5)

países estrangeiros(19)

personalidades(9)

pesadelos(5)

petróleo(4)

poesia(9)

política(86)

política internacional(30)

por qué no te callas?(9)

portugal(31)

publicações(6)

publicidade(9)

quizes(8)

redes sociais virtuais(9)

reflexões(58)

religião(19)

saúde(6)

ser-se humano(15)

sexualidade(9)

sinais dos tempos(8)

sociedade(45)

sonhos(6)

televisão(23)

terrorismo(4)

trabalho(20)

transportes(7)

viagens(19)

vícios(13)

vida conjugal(17)

violência(4)

todas as tags

Contadores

Quem nos cita