Quarta-feira, 18 de Abril de 2007

Coisas que me emocionam

Esta relacionada com a biologia marinha e o ambiente: o Oceanário de Lisboa (e bendita seja a Expo'98 por permitir que este maravilhoso projecto nascesse) devolveu ontem ao Oceano Atlântico uma manta gigante que já atingia uma envergadura de 3,5 metros e que portanto já estava no limite de tamanho para viver em cativeiro no Oceanário.

Esta manta tinha sido capturada na costa algarvia há cerca de dois anos, com apenas um metro e meio de envergadura, e desde então crescia e  "voava" no tanque central, fazendo as delícias de milhares de visitantes.

Ontem foi solta a cerca de seis milhas da costa ocidental portuguesa e depois de passar por debaixo do casco do barco que a transportou, desapareceu no azul profundo. Boa sorte, bela jamanta! Que nada te impeça de atingir uns gloriosos sete metros de envergadura na tua maturidade.

 

Buraco tapado por Citadina às 10:49
Link do post | Tapa também
2 comentários:
De Duca a 18 de Abril de 2007 às 11:12
Olha, de certeza que era esta a manta (e não mantra) que a nossa amiga T imitou quando eu e ela fomos ao oceanário há cerca de dois anos!

Ainda bem que a manta foi devolvida ao oceano. Adoro apreciar animais, mas prefiro sabê-los em liberdade e no seu elemento natural.
De Viz a 18 de Abril de 2007 às 22:49
Pois tb estivemos em ´98 ao nascer do oceanário
(e sem estar na bicha)..e estivemos tb em janeiro '07.
A manta foi o bicho mais "karmico" que alguma vez vi. Mas tens razão mil vezes melhor é saber que ela está livre a voar no oceano aberto.
Bjs com sabor a saudade ...da manta.

Comentar post

Dezembro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
16
17
18
19
20
25
26
27

Posts por autora

Pesquisa no blog

Subscrever feeds

Outras ruas

Arquivo

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Tags

a vida dos outros(31)

açores e madeira(7)

ambiente e oceanos(21)

aniversários(19)

artes(6)

autarquias(12)

auto-recriações(24)

autores(7)

bem-estar(11)

blogs(73)

capitalismo(8)

catástrofes(4)

charlatonices(2)

cidadania(14)

ciências(3)

cinema(18)

citações(38)

clima(7)

condomínio(2)

curiosidades(26)

democracia(32)

desemprego(13)

desporto(22)

dilectos comentadores(5)

direitos humanos(11)

direitos liberdades e garantias(39)

e-mail e internet(6)

economia(27)

educação(8)

eleições(14)

emigração(5)

empresas(3)

estados de espírito(60)

europa(2)

eventos(33)

excertos da memória(24)

fascismo(9)

férias(25)

festividades(29)

fotografia(12)

gatos(10)

gestão do blog(15)

gourmet(3)

grandes tentações(11)

hipocrisia(3)

homens(6)

homofobia(17)

humanidade(8)

humor(24)

igualdade(20)

impostos(5)

infância(7)

insónia(6)

int(r)agável(25)

intimismos(38)

ivg(17)

justiça(17)

legislação(17)

lgbt(71)

liberdade de expressão(13)

língua portuguesa(7)

lisboa(27)

livros e literatura(21)

machismo(3)

mau gosto(8)

media(3)

mulheres(17)

música(35)

noite(5)

notícias(22)

óbitos(5)

países estrangeiros(19)

personalidades(9)

pesadelos(5)

petróleo(4)

poesia(9)

política(86)

política internacional(30)

por qué no te callas?(9)

portugal(31)

publicações(6)

publicidade(9)

quizes(8)

redes sociais virtuais(9)

reflexões(58)

religião(19)

saúde(6)

ser-se humano(15)

sexualidade(9)

sinais dos tempos(8)

sociedade(45)

sonhos(6)

televisão(23)

terrorismo(4)

trabalho(20)

transportes(7)

viagens(19)

vícios(13)

vida conjugal(17)

violência(4)

todas as tags

Quem nos cita