Terça-feira, 11 de Setembro de 2007

9/11

New York City will mark the event as it has for the past five anniversaries with a solemn ceremony punctuated by the reading of names of the 2,750 innocent people who died at the World Trade Center. (Reuters)

Os iraquianos, não querendo deixar de seguir tão comovente exemplo, estão ainda indecisos sobre que data escolher para começar a ler os nomes de todas as vítimas inocentes que já morreram na guerra injusta, ilegal e imoral que lhes arrasou o país nos últimos anos.
Já estão a organizar turnos e prevêem demorar cerca de três meses, se lerem ininterruptamente 24 horas por dia. Ou mais.

Buraco tapado por Citadina às 10:19
Link do post | Tapa também
4 comentários:
De Inha a 11 de Setembro de 2007 às 12:29
Pode ser que lá pelos States alguém lhes troque a lista dos nomes.., claro que só amanhã darão por isso, burros como são..estarão 2 horas a tentar ler 2 nomes árabes..e vão achar que se trata de erros ortográficos, ou uma linguagem de código não decifrada.!!
Contudo, tudo foi e é horrivel..que mundo tão miserável!!
Beijos moça
De Cosmopolita a 11 de Setembro de 2007 às 12:54
Nunca acreditei no terrorismo como forma de luta para repôr a democracia ou outro sistema qualquer! Em nenhuma forma de terrorismo, seja ele "privado" ou de Estado. E quer o atentado ao World Trade Center quer a guerra no Iraque são exemplos destes dois tipos de terrorismo. Embora ambos, a solo, se auto-legitimizem, quem acaba por pagar o preço são, na sua esmagadora maioria, pessoas inocentes.
E o mais terrível disto tudo é que, no meio de tantos atentados, guerras civis, genocídeos, raptos, violações, mortos de todos os males que assolam o mundo, entre os quais a fome e doenças resultantes de uma extrema pobreza indigna de qualquer ser humano, etc (e não só de terrorismo), a morte em massa se banalizou e o mundo assiste impassível como se nada disto lhe dissesse respeito!
De viz a 11 de Setembro de 2007 às 14:34
só tu citadina,
abraço forte moça
De Shitan a 14 de Setembro de 2007 às 18:21
Porque não fazem os árabes uma homenagem aos seus inocentes? Porque são eles considerados tão maus? Se calhar os fundamentos são mentira, queres ver... Devia era lá caír uma bomba e matá-los todos!

É por essas e por outras que tenho pavor de andar de metro... Então em Lisboa, quando vejo as peles curtidas, as barbas gigantescas (provavelmente carregadas de pulgas e mosquitos), os turbantes e as túnicas (sim, porque também há destes em Lisboa), começo logo a transpirar...

Por favor... O verdadeiro árabe é contra as atitudes que a maioria deles vem tomando ao longo dos tempos. E o verdadeiro árabe tem vergonha da interpretação fanática que, também a maioria, vem fazendo da sua religião.
O verdadeiro árabe é contra a violência e opressão do povo...

Ora quer-me parecer que, antes dos EUA, já o historial violento deles tinha muitos anos...

Poupem-me...à vossa opinião e mais à vossa solidariedade...

Porque os árabes não querem saber se morre a mulher ou o filho na guerra! A maioria fica contente com o facto de o seu filho querer ser suicida! Por um lado, ainda bem...pode ser que se assista a uma auto-extinção da sua raça...

Mas não tenho conhecimento de árabes nos EUA a prestar auxílio aos americanos... Curioso...não é?

FIM AO TERRORISMO

Comentar post

Dezembro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
16
17
18
19
20
25
26
27

Posts por autora

Pesquisa no blog

Subscrever feeds

Outras ruas

Arquivo

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Tags

a vida dos outros(31)

açores e madeira(7)

ambiente e oceanos(21)

aniversários(19)

artes(6)

autarquias(12)

auto-recriações(24)

autores(7)

bem-estar(11)

blogs(73)

capitalismo(8)

catástrofes(4)

charlatonices(2)

cidadania(14)

ciências(3)

cinema(18)

citações(38)

clima(7)

condomínio(2)

curiosidades(26)

democracia(32)

desemprego(13)

desporto(22)

dilectos comentadores(5)

direitos humanos(11)

direitos liberdades e garantias(39)

e-mail e internet(6)

economia(27)

educação(8)

eleições(14)

emigração(5)

empresas(3)

estados de espírito(60)

europa(2)

eventos(33)

excertos da memória(24)

fascismo(9)

férias(25)

festividades(29)

fotografia(12)

gatos(10)

gestão do blog(15)

gourmet(3)

grandes tentações(11)

hipocrisia(3)

homens(6)

homofobia(17)

humanidade(8)

humor(24)

igualdade(20)

impostos(5)

infância(7)

insónia(6)

int(r)agável(25)

intimismos(38)

ivg(17)

justiça(17)

legislação(17)

lgbt(71)

liberdade de expressão(13)

língua portuguesa(7)

lisboa(27)

livros e literatura(21)

machismo(3)

mau gosto(8)

media(3)

mulheres(17)

música(35)

noite(5)

notícias(22)

óbitos(5)

países estrangeiros(19)

personalidades(9)

pesadelos(5)

petróleo(4)

poesia(9)

política(86)

política internacional(30)

por qué no te callas?(9)

portugal(31)

publicações(6)

publicidade(9)

quizes(8)

redes sociais virtuais(9)

reflexões(58)

religião(19)

saúde(6)

ser-se humano(15)

sexualidade(9)

sinais dos tempos(8)

sociedade(45)

sonhos(6)

televisão(23)

terrorismo(4)

trabalho(20)

transportes(7)

viagens(19)

vícios(13)

vida conjugal(17)

violência(4)

todas as tags

Quem nos cita