Sexta-feira, 21 de Setembro de 2007

Qualidade: o novo mito

Ontem ao almoço, numa tasca onde vou frequentemente, pedi bacalhau com grão.
Essa tasca tem um aspecto um bocado para o nojento, mas em termos de qualidade da comida não é melhor nem pior do que qualquer outro sítio aqui nas redondezas do meu emprego.
Tem é uns empregados mais simpáticos, independentemente de o seu aspecto condizer com o da tasca.
Apesar de serem nitidamente pessoas humildes, que se esfalfam ali diariamente a trabalhar, não dizem palavrões à frente dos clientes e são até muito educados, atenciosos e sorridentes.
O local é frequentado por trabalhadores da construção civil, assim como por agentes de seguros, pessoal administrativo e quem mais lá calhar.
Pois bem: no meio do grão vinha um berlinde. Uma bolinha de vidro transparente do tamanho de um grão.
Quando eu a mostrei ao empregado ele nem queria acreditar. Ficou aflitíssimo, desfez-se em desculpas e depois de indagar, veio explicar-me que aquilo tinha vindo na lata do grão. E eu acreditei.
De facto, não havia razão nenhuma para me mentir e o objecto não era nada que se parecesse com uma peça de um colar (a esfera não estava furada) nem parte de um anel (não havia sinais de incrustação) nem nada que pudesse ter caído da roupa de alguma das cozinheiras, que são duas e usam toucas e batas brancas de trabalho sem qualquer adereço.

Hoje voltei lá para almoçar. E vou voltar muito mais vezes. Em rigor, claro que não devia. Em rigor, devia fazer valer os meus direitos de consumidora, apresentar uma queixa formal, para que esses senhores encapuzados e armados até aos dentes com uns coletes à prova de bala que têm nas costas as letras ASAE escritas, fossem lá assustar os clientes e fechar ou multar o estabelecimento.

Mas quem é que ia sofrer com isso? A empresa responsável pela embalagem do grão, ou aquele homem (que se farta de trabalhar e é com toda a certeza mal pago – bem paga é a minha mulher a dias!), que me disse com orgulho de bom aluno: “Sabe, doutora, ainda ontem nós estivemos num curso de higiene-e-essas-coisas-no-trabalho, em que eles falavam sobre isto!”?

Neste país, quem se lixa é o mexilhão. Eu toda a minha vida fui mexilhão. Sei o que é. Não vou fazer queixa. Não lhes vou exigir que a formalizem, embora acredite que o façam ou que tentem fazer.

É muito fácil gritar aos quatro ventos que se o consumidor não exigir qualidade nunca a terá, e que o consumidor deve lutar pelos seus direitos, e isso é tudo verdade em teoria. Mas também é verdade que o exemplo deve vir de quem está em melhores condições para o dar, e não é nada disso que acontece na prática. E enquanto for assim, a qualidade neste país será apenas um mito.

Tags:
Buraco tapado por Citadina às 18:18
Link do post | Tapa também
4 comentários:
De nnannarella a 23 de Setembro de 2007 às 19:39
Essa é uma guerra que há-de continuar a ser minha.

E quanto mais próximas de mim as vítimas, pior para os prevaricadores miticamente imunes.

No silêncio, pode não haver fumo, mas o fogo fervilha nas entranhas.

Temos de acabar com essa triste fama do mexilhão. A de se encolher.


Beijo saudoso.
De Citadina a 24 de Setembro de 2007 às 10:33
Querida Nnanna,
Eu sou pela união "mexilhoeira" contra os abusos dos "tubarões". Unidos venceremos! Chama-me comuna :-)
Saudades também, muitas! Beijinhos!
De duca a 24 de Setembro de 2007 às 16:51
Se viesses almoçar comigo à Jacinta, nada disso acontecia ...
Não preciso convidar, pois não?

Beijo
De Rita a 24 de Setembro de 2007 às 17:31
A mim, a coisa mais curiosa que me calhou num prato foi parte da varinha mágica... também protestei e acho que consegui uma redução no preço. O certo é que uma varinha mágica não me faz muito nojo... Também já tive um bocado de celofane, num restaurante todo chique. Aí os protestos foram mais fortes e não paguei de todo o prato. Mas juro que não ando a levar estas coisas comigo para os restaurantes, heim!
Sabes que o Ary fez uma vez - antes do 25 de Abril - um slogan para a pescanova ou afins que era "Pescadinhas de todos os mares, uni-vos!"? E passou a censura!

Comentar post

Dezembro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
16
17
18
19
20
25
26
27

Posts por autora

Pesquisa no blog

Subscrever feeds

Outras ruas

Arquivo

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Tags

a vida dos outros(31)

açores e madeira(7)

ambiente e oceanos(21)

aniversários(19)

artes(6)

autarquias(12)

auto-recriações(24)

autores(7)

bem-estar(11)

blogs(73)

capitalismo(8)

catástrofes(4)

charlatonices(2)

cidadania(14)

ciências(3)

cinema(18)

citações(38)

clima(7)

condomínio(2)

curiosidades(26)

democracia(32)

desemprego(13)

desporto(22)

dilectos comentadores(5)

direitos humanos(11)

direitos liberdades e garantias(39)

e-mail e internet(6)

economia(27)

educação(8)

eleições(14)

emigração(5)

empresas(3)

estados de espírito(60)

europa(2)

eventos(33)

excertos da memória(24)

fascismo(9)

férias(25)

festividades(29)

fotografia(12)

gatos(10)

gestão do blog(15)

gourmet(3)

grandes tentações(11)

hipocrisia(3)

homens(6)

homofobia(17)

humanidade(8)

humor(24)

igualdade(20)

impostos(5)

infância(7)

insónia(6)

int(r)agável(25)

intimismos(38)

ivg(17)

justiça(17)

legislação(17)

lgbt(71)

liberdade de expressão(13)

língua portuguesa(7)

lisboa(27)

livros e literatura(21)

machismo(3)

mau gosto(8)

media(3)

mulheres(17)

música(35)

noite(5)

notícias(22)

óbitos(5)

países estrangeiros(19)

personalidades(9)

pesadelos(5)

petróleo(4)

poesia(9)

política(86)

política internacional(30)

por qué no te callas?(9)

portugal(31)

publicações(6)

publicidade(9)

quizes(8)

redes sociais virtuais(9)

reflexões(58)

religião(19)

saúde(6)

ser-se humano(15)

sexualidade(9)

sinais dos tempos(8)

sociedade(45)

sonhos(6)

televisão(23)

terrorismo(4)

trabalho(20)

transportes(7)

viagens(19)

vícios(13)

vida conjugal(17)

violência(4)

todas as tags

Quem nos cita