Quinta-feira, 10 de Janeiro de 2008

"E eu é que sou burro?!"

Espantada com o post anterior, dei-me ao trabalho de ir ler o Boletim Económico de Inverno 2007 do Banco de Portugal, publicado no dia 8 de Janeiro e que é o motivo das notícias assinadas pelo tal Luís Reis Ribeiro, nas páginas 6 e 7 do Diário Económico de ontem (edição impressa).


Referências a mulheres, só constam as seguintes:

3.1. Emprego (pág 17)

"A oferta de trabalho tem sido marcada ao longo dos últimos anos pela tendência ascendente da taxa de actividade, que reflecte, entre outros factores, a crescente participação das mulheres no mercado de trabalho, a dinâmica demográfica e a promoção do envelhecimento activo através de políticas de retenção no emprego dirigidas aos grupos etários mais avançados. No entanto, o impacto de alguns destes factores tenderá a diminuir ou mesmo extinguir-se, assumindo-se uma estabilização da taxa de actividade em valores próximos de 74 por cento, a que corresponde um crescimento da população activa ao longo do horizonte de projecção inferior ao aumento médio registado nos últimos anos."

Daí extrapolar que: "Dizem as estatísticas que uma das causas do desemprego em Portugal é o género feminino. Muito simplesmente porque, por cá, há muito mais mulheres a querer trabalhar.", é completamente ridículo e misógino.
 
Buraco tapado por Cosmopolita às 14:05
Link do post | Tapa também
12 comentários:
De Miguel Madeira a 10 de Janeiro de 2008 às 15:57
Como assim?

Concorde-se ou não com a tese de Luis Ribeiro, o texto citado neste post (ou, pelo menos, a parte a bold) até vai de acordo ao que ele diz.
De Cosmopolita a 10 de Janeiro de 2008 às 18:25
Caro Miguel Madeira,

Antes de mais, obrigada pelo seu comentário e seja bem-vindo, como comentador, a este blog.
Pelos vistos, discordamos em absoluto neste tema, mas tenho todo o prazer em lhe poder apresentar os meus argumentos.
Num primeiro aspecto, seja quem for que acha - o Banco de Portugal ou o Sr. Luís Reis Pereira ou quem quer que seja - que as mulheres deviam era ficar quietinhas em casa a fazer lavores e sob nenhum pretexto desatar para aí a procurar emprego que é para não estragar as estatísticas e as taxas de desemprego, é de facto, um misógino primário. E burro também.
Porquê? (Tenho mesmo de explicar?...) Porque me parece que está escrito em algum lado - acho que é na Carta dos Direitos Humanos, na Constituição da República Portuguesa e noutros documentos assim de somenos importância, que ninguém lê, é verdade, mas está lá - que os cidadãos são todos iguais em direitos e deveres perante a sociedade.
Ora isto tem duas implicações:
1) Como sabe a tradição já não é o que era, portanto agora eu sugiro que sejam os homens - para variar - a ficar quietinhos em casa a fazer lavores e a cuidar dos pirralhos, enquanto as mulheres provam as suas potencialidades no mercado de trabalho. Assim também deixa de haver gente a mais no mercado de trabalho e já não se estragam as estatísticas.
2) Quem concebeu (ou concordou ou se absteve ou assobiou para o alto ou deu continuidade, etc.) às políticas que originaram esta situação de, em menos de duas gerações, subitamente um rendimento por agregado familiar já não garantir uma subsistência digna e muitas vezes, já nem dois, esses obreiros, dizia eu, são normalmente os mesmos que dizem pataquadas como esta ao mesmo tempo que agradecem aos santinhos o rendimento extra que o/a seu/sua companheiro/a leva para casa.
Mas respondendo concretamente à sua pergunta:
Não, o texto citado não “vai de acordo ao que ele diz” por duas (também...) razões:
1 - “Oferta de trabalho” não é o mesmo que desemprego, ou taxa de desemprego (também tenho de explicar porquê?... OK). Bem, para começar, taxas são medidas relativas, que expressam uma grandeza em função de outra, neste caso, o número de desempregados em relação à população activa. Oferta de trabalho é uma grandeza absoluta, daí que a extrapolação seja, como dizer isto... burra.
2 – O que as estatísticas transmitem é que a taxa de actividade, ou seja a população activa relativamente à população total, aumentou e não que as mulheres são as causadoras da taxa desemprego, o que são duas coisas bem diferentes. Mas admitindo-se – porque é verdade – que há (cada vez) mais mulheres na população activa, isso é que causa desemprego?! Quando muito contribui para um aumento da taxa de desemprego – volto a chamar a atenção para a diferença de conceitos e definições – assim como contribuem outros factores mencionados pelo Banco de Portugal. Mas não, o misoginozinho de merda que escreveu isto tinha de ir pegar precisamente neste – porquê?! Porque é o mais importante? Relevante? – só para descarregar as suas frustrações e complexos de inferioridade em relação ao sexo oposto...
Ora, caro amigo - e desculpe o abuso, assim, sem mais nem menos – convenhamos que não foi isto que o Banco de Portugal disse nem quis dizer.
De Miguel Madeira a 10 de Janeiro de 2008 às 19:47
"Pelos vistos, discordamos em absoluto neste tema"

Talvez não em absoluto - a minha discordância é apenas a nível do argumento utilizado.

É verdade que "oferta de trabalho" não é igual a "desemprego", mas, se tudo o resto se mantiver igual (nomeadamente a procura de trabalho), quanto maior a oferta de trabalho, maior o desemprego.
De Cosmopolita a 11 de Janeiro de 2008 às 10:40
Pronto, então ainda bem que não discordamos em absoluto, ao ler o seu blog também não me parece que isso seja possível. Pelo menos "em absoluto".

Quanto ao mais, creio que quis dizer que quanto maior a oferta de trabalho (ceteris paribus) maior o emprego (e não o desemprego), correcto?
O problema é que o resto não se mantém igual, dado que a volatilidade do mercado de trabalho é sobejamente conhecida (vide as variações mensais na taxa de desemprego, para já não falar nas variações de tipos de desemprego), mas há esperança, a avaliar pelo que diz o BP: "No entanto, o impacto de alguns destes factores tenderá a diminuir ou mesmo extinguir-se, assumindo-se uma estabilização da taxa de actividade em valores próximos de 74 por cento, a que corresponde um crescimento da população activa ao longo do horizonte de projecção inferior ao aumento médio registado nos últimos anos."
Mas, perdoe-me a insistência, continuo a não vislumbrar a relevância que isso possa ter para o assunto, uma vez que continua a não ser verdade que as estatísticas digam que "uma das causas do desemprego em Portugal é o género feminino. Muito simplesmente porque, por cá, há muito mais mulheres a querer trabalhar."

Finalmente, permita-me uma pequena observação: "procura de trabalho" conceptualmente não existe. O que existe é procura de emprego. Os empregadores oferecem trabalho e os trabalhadores procuram emprego.

Mais uma vez, agradeço a visita e o comentário.
De Miguel Madeira a 11 de Janeiro de 2008 às 12:13
"Quanto ao mais, creio que quis dizer que quanto maior a oferta de trabalho (ceteris paribus) maior o emprego (e não o desemprego), correcto?"

Não - é mesmo quanto maior a oferta de trabalho, maior o desemprego.

O problema é que, no dia-a-dia, tendemos a usar a expressão "oferta de trabalho" e "procura de trabalho" ao contrário do seu significado "técnico" - "oferta de trabalho" são os trabalhadores que "oferecem" (i.e., poem à venda) o seu trabalho, e "procura de trabalho" são as empresas que procuram trabalhadores, mas, na linguagem quotidiana temos a mania de dizer que são as empresas que "oferecem trabalho" e que os potencias trabalhadores "procuram trabalho" (ou emprego)
De Cosmopolita a 11 de Janeiro de 2008 às 12:49
Caro Miguel,
Então lamento dizer-lhe que está incorrecto. Em qualquer manual da especialidade poderá verificar que, tudo o resto constante, quanto maior a oferta de trabalho (que consiste no número de postos de trabalho que os empregadores disponibilizam no mercado para os trabalhadores), maior o emprego, até se atingir o pleno emprego, que consiste, como o nome indica na inexistência de desemprego. Por isso é que se fala, por exemplo, em "as empresas criarem postos de trabalho".
Do mesmo modo, se a procura de emprego, por parte dos trabalhadores (ou de trabalho, se quiser utilizar uma expressão do dia-a-dia) aumentar, ou seja se houver mais pessoas a procurar emprego (com a oferta estática) isso gera um aumento do desemprego, e daí a minha observação no comentário anteiror.
De modo que, mais uma vez, não: os termos técnicos correctos, como também poderá verificar nos manuais são, de facto, "procura de emprego" e "oferta de trabalho", sendo que "procura de trabalho" é que é uma expressão técnicamente incorrecta da linguagem quotidiana.
Contudo, eu entendo o seu ponto de vista, embora ele seja inexacto nas definições, e se me dispusesse a aceitá-lo como correcto - que, desculpe, não é - dar-lhe ia razão quando diz que "quanto maior a oferta de trabalho, maior o desemprego". No entanto, o seu conceito de "oferta de trabalho" está invertido, porque assume que são os trabalhadores a oferecer trabalho, e isso não corresponde à realidade de uma economia de mercado, com muita pena minha acredite!
De Miguel Madeira a 11 de Janeiro de 2008 às 13:30
"De modo que, mais uma vez, não: os termos técnicos correctos, como também poderá verificar nos manuais são, de facto, "procura de emprego" e "oferta de trabalho", sendo que "procura de trabalho" é que é uma expressão técnicamente incorrecta da linguagem quotidiana."

não tenho nenhum manual de economia à mão, mas, se no google procurar "labour supply", vai-lhe aparecer isto (http://tutor2u.net/economics/content/topics/labourmarket/labour_supply.htm):

The labour supply refers to the total number of hours that labour is willing and able to supply at a given wage rate. It can also be defined as the number of workers willing and able to work in a given occupation or industry for a given wage

Ou seja, a "oferta de trabalho" é a quantidade de trabalho que os trabalhadores estão dispostos a fornecer aos seus clientes (as empresas)


"porque assume que são os trabalhadores a oferecer trabalho, e isso não corresponde à realidade de uma economia de mercado, com muita pena minha acredite!"

E quando eu não tinha emprego e mandava cartas para empresas dizendo "Miguel... Madeira, ...blá, blá..., vem apresentar a sua candidatura à empresa X, blá, blá..."? Estava a oferecer o meu trabalho!

Ou seja, os trabalhadores oferecem trabalho e as empresas procuram trabalho (e, em troca, as empresas oferecem e os trabalhadores procuram emprego).

Imagine-se que não estamos a falar de trabalho mas de carapaus - numa praça, quem é que procura e quem é que oferece carapaus? As pessoas que têm carapaus e querem trocá-los por dinheiro ou as pessoas que têm dinheiro e querem trocá-lo por carapaus?
De Citadina a 11 de Janeiro de 2008 às 18:06
Desculpem lá meter aqui uma colherada, mas em abono da verdade, o Miguel Madeira tem razão quando diz que os detentores do factor de produção "força de trabalho" é que o oferecem...
Sinto que a culpa deste mal-entendido é minha, eu é que sou a "economista" que não te explicou bem, ou não me fiz entender convenientemente, Cosmopolita. E ao Miguel também, olhe, desculpe...
Sei que a confusão provém de eu ter referido à Cosmopolita que em economia se estuda mais o nível de DESemprego que o nível de emprego no mercado de trabalho, o que inverte (ou pelo menos confunde) as dinâmicas de oferta e procura.
Enfim, coisas destas acontecem, somos humanos.
Isso não invalida que eu concorde com a Cosmopolita até ao ponto em que ela diz que "continua a não ser verdade que as estatísticas digam que "uma das causas do desemprego em Portugal é o género feminino. Muito simplesmente porque, por cá, há muito mais mulheres a querer trabalhar".
Para além de que o facto de haver mais mulheres a querer trabalhar é muito mais uma consequência do que uma causa de desemprego.
De -pirata-vermelho- a 10 de Janeiro de 2008 às 19:33
Mas quem é que diz que "Dizem as estatísticas que uma das causas do desemprego em Portugal é o género feminino. Muito simplesmente porque, por cá, há muito mais mulheres a querer trabalhar." ?

É que...
o disparate é tão evidente que não merecia a sua pequena investigação.
Perdeu tempo, Cosmopolitana ou! deu importância a quem não parece iletrado ou incipiente ou tosco ou isso tudo junto. (seija quem four...)
De -pirata-vermelho- a 10 de Janeiro de 2008 às 19:34
CORRECÇÃO

... a quem parece iletrado etc , claro!

( desculp! )
De Cosmopolita a 11 de Janeiro de 2008 às 10:52
Pirata, você é viperino! Não melindre os outros comentadores, vá lá.
Quanto ao meu tempo, não considerei que o estivesse a perder. Isto pode agora soar paternalista, mas olhe que não é: aprende-se mesmo (pelo menos alguma coisa) com os outros e/ou através dos outros. Além de que uma opinião diferente é sempre um desafio para o intelecto. E é da discussão e do debate de ideias que nasce a luz, ou lá o que é que nasce, já não sei...
Na invetigação tive a ajuda da Citadina, que é (embora se recuse a admitir) economista. Portanto nem me deu um trabalho por aí além (apenas gozo, isso sim, admito).
Finalmente, e para que tão estimado comentador como o Pirata é atine de vez com o meu nick, ele não é "Cosmopolitana", mas sim e tão somente "Cosmopolita".
De -pirata-vermelho- a 11 de Janeiro de 2008 às 12:21
Cosmopolita(na! um joke bacoke... não ligue)
repare na hora-minuto dos comentários; não melindraria um seu 'convidado'. O que por vezes tenho feito é confrontar claramente quando o que me parece enormidade o justifica (um parecer havido com a devida modéstia, subentenda-se) e não é aqui o caso, entenda-se.

Comentar post

Dezembro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
16
17
18
19
20
25
26
27

Posts por autora

Pesquisa no blog

Subscrever feeds

Outras ruas

Arquivo

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Tags

a vida dos outros(31)

açores e madeira(7)

ambiente e oceanos(21)

aniversários(19)

artes(6)

autarquias(12)

auto-recriações(24)

autores(7)

bem-estar(11)

blogs(73)

capitalismo(8)

catástrofes(4)

charlatonices(2)

cidadania(14)

ciências(3)

cinema(18)

citações(38)

clima(7)

condomínio(2)

curiosidades(26)

democracia(32)

desemprego(13)

desporto(22)

dilectos comentadores(5)

direitos humanos(11)

direitos liberdades e garantias(39)

e-mail e internet(6)

economia(27)

educação(8)

eleições(14)

emigração(5)

empresas(3)

estados de espírito(60)

europa(2)

eventos(33)

excertos da memória(24)

fascismo(9)

férias(25)

festividades(29)

fotografia(12)

gatos(10)

gestão do blog(15)

gourmet(3)

grandes tentações(11)

hipocrisia(3)

homens(6)

homofobia(17)

humanidade(8)

humor(24)

igualdade(20)

impostos(5)

infância(7)

insónia(6)

int(r)agável(25)

intimismos(38)

ivg(17)

justiça(17)

legislação(17)

lgbt(71)

liberdade de expressão(13)

língua portuguesa(7)

lisboa(27)

livros e literatura(21)

machismo(3)

mau gosto(8)

media(3)

mulheres(17)

música(35)

noite(5)

notícias(22)

óbitos(5)

países estrangeiros(19)

personalidades(9)

pesadelos(5)

petróleo(4)

poesia(9)

política(86)

política internacional(30)

por qué no te callas?(9)

portugal(31)

publicações(6)

publicidade(9)

quizes(8)

redes sociais virtuais(9)

reflexões(58)

religião(19)

saúde(6)

ser-se humano(15)

sexualidade(9)

sinais dos tempos(8)

sociedade(45)

sonhos(6)

televisão(23)

terrorismo(4)

trabalho(20)

transportes(7)

viagens(19)

vícios(13)

vida conjugal(17)

violência(4)

todas as tags

Quem nos cita