Sexta-feira, 30 de Maio de 2008

Eu (também) Não Vou

 

porque

 

 

e eu não gosto.

 

Mas adoro quando o liberalismo selvagem lhes corre mal.

 

(imagens recebidas por e-mail).

 

Buraco tapado por Citadina às 10:18
Link do post | Tapa também
12 comentários:
De Observador a 30 de Maio de 2008 às 16:27
Há algumas semanas que não abasteço a minha viatura nos postos GALP e BP.
Na REPSOL, só aos fins de semana onde se tem um desconto de 5 cts. por litro.
Contudo, a manter-se esta tendência inflaccionária com a participação da REPSOL, nem ali abasteço.
De Citadina a 2 de Junho de 2008 às 12:34
Observador,
O melhor é mesmo andar a pé e de transportes públicos sempre que possível.
É mais saudável, mais amigo do ambiente e não alimenta chulos!
De Pugo a 31 de Maio de 2008 às 17:11
Já há bastante tempo que só abasteço na Esso que normalmente está a menos 5/6 centimos todos os dias da semana....
De Citadina a 2 de Junho de 2008 às 12:56
Fazes muito bem, Pugo!
Obrigada pela visita!
De DD a 31 de Maio de 2008 às 18:27
Está visto que a Galp já reagiu a isto com medo e baixou em um cêntimo a gasolina e o gasóleo.
Ou então teve medo da aplicação de um Decreto-Lei que retira o acesso exclusivo da Galp a uns depósitos estratégicos e a mais não sei o quê em Sines.
De qualquer modo, todos os especialistas dizem que a época do petróleo barato acabou.

A organização que regista os seguros marítimos internacionais diz que nas últimas três semanas a OPEC reduziu a produção em um milhão de barris diários - vidé Expresso Economia de hoje.

Ainda do mesmo jornal; O preço do Brent em EUROS aumentou de 39 em Janeiro de 2007 para 80 em Maio do 2008. E em Janeiro de 2005 estava a 30 Euros, portanto a desvalorização do dólar contribui pouco para evitar o aumento do petróleo bruto.

Curiosamente, a primeira greve relacionada com o aumentos dos combustíveis vem dos pescadores que não pagam qualquer imposto sobre o gasóleo; nem ISC nem IVA, e a pesca de longo curso recebe, além disso, um subsídio por litro.

Agora os agricultores querem protestar quando também não pagam impostos sobre o combustível e em tudo o que compram pagam apenas 5% de IVA.

Não podemos ser "pescadinhas de rabo na boca" que é dar dinheiro para receber. Sim, porque Estado somos nós, os contribuintes; somos nós que damos para receber. O IVA do Peixe é de 5% apenas e não é 0%, como já foi, porque a UE não autorizou.

Mesmo a redistribuição de riqueza está relativamente assegurada com o escalão de 42% sobre ordenados e rendimentos superiores a ca. de 70 mil euros anuais e com muita coisa mais, incluindo as casas de realojamento lá para cima da Azinhaga da Cidade. E 70 mil Euros não são nada para o ordenado de um milhão e trezentos mil eurosz do Paulo de Azevedo, filho do Belmiro.

Não ficou contente com o fim dos bairros de barracas da Musgueira e das casitas degradadas do Bairro da Cruz Vermelho?

Conheci bem esses bairros e sei que aquilo fazia imenso mal à saúde das pessoas no inverno com a entrada da humidade e, mesmo, chuva nas casas. Sofriam todos de reumatismo, artrites, etc.

Eu faço greve total à gasolina. O meu carro fica quase todo o tempo à porta de casa; ando de Metro e a pé.
De Citadina a 2 de Junho de 2008 às 14:40
DD,
É sabido que a escalada dos preços do petróleo nada tem a ver com as leis da oferta e da procura.
É certo que os tempos do petróleo "barato" se acabaram, mas não há nenhuma razão plausível para os preços se encontrarem no nível actual.
Estes níveis absurdos devem-se a estratagemas dos produtores e apatia do poder político.
E o contribuinte/consumidor é que paga, para não variar.
Os pescadores infelizmente têm outros problemas a associar ao aumento dos preços do combustível. Problemas muito graves que os deixam à beira do colapso. A acrescentar a eles, têm ainda que despender de cada vez mais dinheiro em combustível, seja ele taxado ou não. É óbvio que isso lhes afecta a actividade.
O combustível, líquido de impostos ou não, está a aumentar vertiginosamente de preço. E para quem já estava financeiramente estrangulado, esta situação torna-se incomportável, seja um indivíduo armador, pescador, agricultor, taxista ou utilizador de viatura particular.
Em relação à redistribuição de riqueza via IRS, enquanto não se chegar a um nível muito mais eficaz de detecção da evasão fiscal por parte dos mais ricos e poderosos, a redistribuição é apenas uma miragem.
Os Belmiros são casos que se conhecem bem e por isso têm muitos olhos postos em cima deles, mas o mesmo não se pode dizer de todos os anónimos que têm rendimentos superiores a 70 000€ ao ano e que arranjam subterfúgios para não declarar nem metade.

Sim, fiquei contente com o fim dos bairros de barracas da Musgueira e das casas degradadas do Bairro da Cruz Vermelha, assim como fico contente com todos os realojamentos que permitam dar às pessoas melhores condições de vida, embora não perceba muito bem como é que isso é para aqui chamado...

Eu também faço greve à gasolina e ao gasóleo porque me desloco de Metro e a pé.
De DD a 3 de Junho de 2008 às 00:39
CaraCita,

Há vinte anos atrás eu era jornalista e escrevi a notícia sobre a chegada da população mundial aos 4 mil milhões de habitantes. Hoje, está nos 6,5 mil milhões. Aumentou neste curto espaço de tempo mais de 50%, o que não deixa de ter implicações em todos os consumos.

A especulação nunca existe na economia, pois é sempre baseada numa previsão de subida de preços por excesso de procura sobre a oferta.

E os pescadores queixam-se de serem explorados pelos comerciantes, mas o espanhol que falou no "Prós e Contra" disse que em Espanha estão organizados em "confradias", pelo que devem ter algum poder sobre os preços de venda. Quem vende pode mandar sempre nos preços, basta que combinem entre si não vender abaixo de um certo limite e podem impor isso na lota. Podem dizer que a sardinha só se vende a partir de um euro e meio por kg e quem quiser deve dar mais. Se arriscarem não vender durante alguns dias, acabarão por impor o seu preço.
Mas já assiti a lotas e conheço pescadores, principalmente no Algarve. Eles vendem directamente nos restaurantes e metem o gasóleo dos barcos nas carrinhas frigoríficas. O problema deles é haver pouco peixe e haver uma necessidade de um defeso maior e de áreas de reprodução de espécies onde não podem pescar. Querem isso, mas a troco de subsídios do Estado ou da UE.Toda a gente quer o nosso pouco dinheiro.
De resto é o que fazem os países da OPEC e outros que não se importam nada de vender caro. O preço do petróleo tem ver com o facto de se produzir abaixo do nível da procura mundial que seriam uns 87 a 90 milhões de barris diários. A produção deve estar a uns 85 milhões, mas o Canadá está de tal modo a aumentar a produção de petróleo a partir das areias e lamas betuminosas do Estado de Alberta que deve vir a colocar no mercado americano uns 3 a 4 milhões de barris diários.
De Citadina a 3 de Junho de 2008 às 12:40
DD,
Malthus previu o que se está a passar hoje no início do séc. XIX, através das suas bem conhecidas teorias sobre o crescimento da população. De teórico do caos a génio já ouvi chamarem-lhe muitas coisas. Eu inclino-me mais para a última.

A especulação não existe na economia??!!! Essa é boa! Então quer dizer que a Escola Americana (movimento científico dedicado ao estudo da economia fundado por Alexander Hamilton no séc. XIX) passou tanto tempo tempo a estudar algo que não existe?! Oh que caraças! E depois deles, Marx, Keynes, e outros?... Pobes tipos! Alguém tem de lhes dizer, coitados!
Agora a sério: eu sei que num mundo liberal perfeito, em que a "mão invisível" funcionasse mesmo e tudo isso, a sua frase até tinha razão de ser, mas isso, e desculpe-me dar-lhe assim a notícia sem preparação nenhuma, (é que) não existe.

E ainda bem que fala de Espanha, um país cada vez mais admirável, temos que nos render às evidências.
E é aqui que eu lhe vou dar (alguma) razão. De facto lá não há esta mentalidade do "coitadinho" e as lutas políticas e sociais fazem-se a sério, doa a quem doer. Não se está à espera, como cá, da "caridade europeia", luta-se em sede própria (ou nas ruas, ou onde e como calhar) pelos direitos que se entende ter.
Aqui não há um culto da união para nos defendermos, há um culto da união para nos queixarmos. Mais que uma pena, é um desperdício patético e mesquinho.
(Vê, estou a dizer que tem (alguma) razão.)
O que não invalida os problemas de dimensão que DE FACTO temos e consequências disso ao nível negocial contra os "grandes" da Europa. Mas isso é outra história.

Voltando à vaca fria, o petróleo, o preço dele não tem "só" a ver com o facto de se produzir abaixo da procura mundial (e é aqui que o amigo se contradiz) porque se assim fosse, perante as reservas conhecidas que ainda existem a explorar, não só no Canadá, mas na (muito mais importante) faixa de Orinoco, então, segundo a sua teoria "das previsões", a oferta aumentaria e os preços teriam de estar a descer e não a subir, não é?
De rogério gonçalves a 1 de Junho de 2008 às 19:19
É muito triste ter um País destes!!!
Pobreza em todos os cantos. Pessoas individadas até ao pescoço, e Jose,com J pequeno Sócrates continua com falta de visa e bom censo. Ditadura sim, coninuamos pior que o tempo de SALAZAR. Quer imitar, nâo consegue! Triste que ele é.
De Citadina a 3 de Junho de 2008 às 12:50
Caro Rogério,
Sócrates nunca escondeu o que e quem era. Pena que a única alternativa que a maioria das pessoas veja a Sócrates seja (agora) Manuela Ferreira Leite.
Ela já lá esteve, e é incrível que as pessoas, passado tão pouco tempo, já não se lembrem disso! Mas nessa altura, quando ela era Ministra das Finanças, Sócrates é que era bom! Dá que pensar, não dá?

Obrigada pela sua visita.
De DD a 5 de Junho de 2008 às 22:42
Há pessoas que tem a mania que é tudo culpa do Sócrates, sem saber de que estão a falar concretamente e sem saberem que a procissão ainda vai no adro.

Depois das próximas eleições. Nós todos temos de resolver o mais grave problema de sempre que é o do défice da balança de pagamentos que inclui a balança de transacções correntes, deficitária em mais de 10% do PIB. E as medidas a tomar vão ser culpa de quem estiver no governo, mas na verdade são uma consequência da incapacidade nacional de exportar e de uma economia que quis viver na base de mão-de-obra barata e não é capaz de concorrer com os 40 cêntimos à hora dos chineses e com os 60 a 70 cêntimos dos romenos, etc.

Além disso, de uma economia que vive para importar tudo e mais alguma coisa. Eu não vou comprar uma bandeira dita nacional para colocar na janela, porque a bandeira é chinesa - Made in China.

O Mundo Comunista proporcionou o "paraíso" aos capitalistas, oferecendo-lhes um "Lumpenproletariat" quase gratuito. É curiosa esta contradição que, a meu ver, não tem pés para andar. Ou aumentam os salários dos seus trabalhadores ou acabam na revolta geral das populações.

Sim, na China está um partido comunista há precisamente 60 anos no poder em todo o país e mais em certas regiões e isso cansa.

Quanto à expeculação, não passa de um bode expiatório, pois a concorrência é a lei sobre a qual vivemos todos, a começar pelos que trabalham em empresas que vendem bens e serviços. De resto, as petrolíferas estão a oferecer descontos; primeiro a Repsol aos sócios do ACP e agora a Galpa oferec 5 cêntimos. A última vez que atestei o depósito, há mais de um mês, deram-me um talão de quase dois euros para voltar a atestar na mesma bomba.

A expeculação é a própria lei geral do capitalismo que significa a maximização dos lucros. Pode ser péssima, mas foi até agora a única que funciona.

Os inocentes metem dinheiro nos futuros na esperança de ganharem dinheiro, mas, como acontece com as acções, os inocentes acabam perdendo, enquanto os esperto preferem ganhar um pouquito todos os dias e não esperam pela fortuna. Apenas uns cêntimos hoje para comprar e voltar a vender com um por cento de lucro no dia seguinte. Fizeram isso durante anos nas bolsas e hoje estão cansados por que já só ganham 0,001% ao dia e têm de esperar por uma subida inopinada, o que até nem tem acontecido.

As areias betuminosas do Estado de Alberta no Canadá estão a ser exploradas em crescendo para darem uns 3 a 5 milhões de barris diários daqui a uns dois anos, mas apenas para os EUA. A Venezuela não as quer explorar e os outros países petrolíferos sentem que não devem esgotar nesta geração toda a riqueza que têm e que as gerações futuras têm direito a usufruir daquilo que foi apenas a natureza a produzir e os inventores euro-americanos a dar a utilização necessárias das máquinas e motores.

Claro, árabes, russos e sul-americanos só querem o dinheiro para o espatifarem na Europa ou nos EUA e, por isso, é que muitos países não se importam muito com a alta de preços desde que não atinja valores exagerados e os 135 dólares estão já nesse domínio.

O ideal era mesmo o motor a água do mar que está descrita no

Jornalblog A Luta
http://alutablog.blogs.sapo.pt

Saudações Democráticas

Nota: A revista do movimento anarquista português chama-se A Ideia e está à venda no
Centro de Estudos Libertários - Rua Marquês Ponte de Lima, 37-2º Dto / 1100-337 Lisboa.

Perguntem pelo camarada João Freire.

Anarquistas uni-vos.
De Citadina a 6 de Junho de 2008 às 13:05
Vá lá, DD, também não é preciso começar a ofender...
Se - quando diz "Há pessoas (...)" - se refere a mim, deixe-me dizer-lhe o seguinte (com muita pena que ainda não tenha compreendido):
Eu não acho que nem "tenho a mania" que "é tudo culpa do Sócrates" pura e simplesmente porque não sou propriamente atrasada mental.
Nem Sócrates tem esse poder todo, felizmente!
O Sócrates, no entanto, é Primeiro Ministro deste país e principal responsável pelo Governo em exercício.
Como tal, toma decisões e adopta medidas, muitas vezes REAGINDO aos problemas que surgem e não - como parece querer dar a entender - agindo SEMPRE para solucionar os problemas do passado.
Seja como for, a responsabilidade inerente ao cargo ninguém lha tira.

E também não é verdade que eu não saiba do que estou a falar, como insinua.
A questão aqui, meu amigo, é tão-só uma: se houvesse soluções perfeitas não havia opiniões divergentes. Tão simples quanto isso. A discussão política é saudável e útil, não devia ser praticada com o intuito de ofender ninguém.
Eu estou aqui (no blog) a dar opiniões minhas e o DD está a dar opiniões suas, que muito respeito e agradeço. Em política ninguém é dono da verdade principalmente quando ela é tão volátil, logo, não me parece correcto por as questões em termos de "não sabe do que está a falar".

Quanto ao "mais grave problema de sempre" que refere, parafraseado um seu colega de partido, "o equilíbrio das contas públicas deveria ser um meio e não um fim". (Manuel Alegre, ontem na Grande Entrevista na RTP1, se está a ponderar quem possa ter dito tamanha barbaridade. Logo viu, não é?)
A verdade é que há causas para tudo, e até a incapacidade para exportar de que fala (e que é bem real) é consequência de más decisões políticas do passado.

Eu também não ponho bandeiras "chinesas" na janela, era só o que faltava!!
Aliás, concordo inteiramente com o que diz sobre a China.

Quanto à especulação e à concorência, o amigo acaba de demonstrar uma ingenuidade asinalável quando diz que "a concorrência é a lei sobre a qual vivemos todos" porque de facto há uns quantos que não vivem, como por exemplo a GALP em refinação, e aliás, se baixam agora só estão a provar que era possível já ter baixado antes, e quando diz que "A expeculação é a própria lei geral do capitalismo que significa a maximização dos lucros.", e aqui, desculpe-me mas não tem a lição bem estudada. Mas numa coisa lhe dou razão: o capitalismo, na sua forma mais desumana de liberalismo selvagem, é mesmo péssimo! E não funciona, aliás, está-se a ver!

O seu discurso a seguir só corrobora o que eu já tinha dito antes: que a subida dos preços dos combustíveis é em grande parte "artificial", não tendo directamente a ver com as reservas de petróleo nem com a lei da oferta e da procura.

E está mais uma vez errado em relação a mim: eu não sou anarquista.

Comentar post

Dezembro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
16
17
18
19
20
25
26
27

Posts por autora

Pesquisa no blog

Subscrever feeds

Outras ruas

Arquivo

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Tags

a vida dos outros(31)

açores e madeira(7)

ambiente e oceanos(21)

aniversários(19)

artes(6)

autarquias(12)

auto-recriações(24)

autores(7)

bem-estar(11)

blogs(73)

capitalismo(8)

catástrofes(4)

charlatonices(2)

cidadania(14)

ciências(3)

cinema(18)

citações(38)

clima(7)

condomínio(2)

curiosidades(26)

democracia(32)

desemprego(13)

desporto(22)

dilectos comentadores(5)

direitos humanos(11)

direitos liberdades e garantias(39)

e-mail e internet(6)

economia(27)

educação(8)

eleições(14)

emigração(5)

empresas(3)

estados de espírito(60)

europa(2)

eventos(33)

excertos da memória(24)

fascismo(9)

férias(25)

festividades(29)

fotografia(12)

gatos(10)

gestão do blog(15)

gourmet(3)

grandes tentações(11)

hipocrisia(3)

homens(6)

homofobia(17)

humanidade(8)

humor(24)

igualdade(20)

impostos(5)

infância(7)

insónia(6)

int(r)agável(25)

intimismos(38)

ivg(17)

justiça(17)

legislação(17)

lgbt(71)

liberdade de expressão(13)

língua portuguesa(7)

lisboa(27)

livros e literatura(21)

machismo(3)

mau gosto(8)

media(3)

mulheres(17)

música(35)

noite(5)

notícias(22)

óbitos(5)

países estrangeiros(19)

personalidades(9)

pesadelos(5)

petróleo(4)

poesia(9)

política(86)

política internacional(30)

por qué no te callas?(9)

portugal(31)

publicações(6)

publicidade(9)

quizes(8)

redes sociais virtuais(9)

reflexões(58)

religião(19)

saúde(6)

ser-se humano(15)

sexualidade(9)

sinais dos tempos(8)

sociedade(45)

sonhos(6)

televisão(23)

terrorismo(4)

trabalho(20)

transportes(7)

viagens(19)

vícios(13)

vida conjugal(17)

violência(4)

todas as tags

Quem nos cita