Segunda-feira, 30 de Junho de 2008

LGBT em Portugal: de onde vimos e para onde vamos?

Andei, na Internet, à procura de reacções à Marcha do Orgulho LGBT 2008 e Arraial Pride de Lisboa.

Não encontrei nada extremamente interessante, devo dizer, pelo menos nada que fosse além das etiquetas "marco histórico", "visibilidade" e "festa". Talvez ainda seja muito cedo (ainda não passaram dois dias) ou talvez o evento se tenha resumido - sem subestimações implícitas, uma vez que as referidas qualificações não deixam de ter o seu valor - a isso mesmo.

No entanto, inclino-me a julgar que os debates mais empolgantes sobre o tema se dão a um nível com uma visibilidade porventura menos imediata, mas que a mereciam toda.

É o caso das reflexões consignadas neste texto assinado por Sérgio Vitorino, que originaram esta reacção analítica e construtiva de Miguel Vale de Almeida.

Qualquer dos textos é um marco no pensamento filosófico, antropológico e social sobre a temática LGBT em Portugal e dão-nos, ambos, a oportunidade rara de "beber" do confronto de ideias de dois dos mais importantes activistas portugueses pelos direitos LGBT.

 

Adendas:

aqui um texto que apresenta uma interessante prespectiva sobre os slogans da Marcha, com a qual, aliás, eu estou plenamente de acordo.

 

E para  este  post vai o primeiro prémio na categoria "nota de humor" (via Da Literatura).

Buraco tapado por Citadina às 14:41
Link do post | Tapa também
3 comentários:
De Pugo a 3 de Julho de 2008 às 11:00
Sinceramente devo dizer que alguns dos slogans foram simplesmente vergonhosos!!!!!
Não tenho nada contra as Marchas, mas usar slogans que considero que tão baixo nível....envergonha-me!!!

Estive lá e adorei participar, mas há coisas que não gosto mesmo....
De nunes a 16 de Maio de 2009 às 22:24
Ò Portugal para onde vais !! Nâo; desculpem.. Nâo è Portugal, mas sim os Portugueses. Notem bem, e isto jà o fiz em Portugal, sò que foi pouco tempo, e estou arrependido..Olhem como è o salario em Portugal e como se fazem os descontos para isto e para aquilo, e que no final da vida de uma pessoa a reforma è baixa !! Isto foi assim e ainda hoje è, vos explico..Para as seguranças sociais, è o minimo que se desconta, para as reformas e caixas admnistrativas, declara-se o minimo. Agora voçês nâo sabem sobre qual quantia estes descontos sâo ou serâo feitos ?? Serà para voçês sobre a base de 400 euros ?? Serà sobre a base de 500 euros ??, serà sobre a base de 350 euros ?? serà sobre a base de 600 euros ?? serà sobre a base de 800 euros ou de mil ?? ""Resultado--Porque è que voçê tem uma reforma baixa ? È porque voçe descontou pouco sobre o salàrio que tinha, onde nâo foram descontos conforme com aquilo que voçê ganhava-nada mais... Portugueses, nâo se deixem enganar por patrôes, porque patrôes e ladrôes è tudo a mesma raça--como os caes de caça, mais nada vos digo. Conheço um amigo casal, empreiteiros em Portugal (FORAM E JÀ ESTÂO NO ESTRANGEIRO ) que começaram de nada. Pois tiveram 26 empregados normais a trabalhar. Pois no fim de 14 anos de actividade, se encontram a viver no estrangeiro e jà nâo trabalham com 5 filhos a criar e eles todos fazem os estudos no estrangeiro. Pois vous digo uma coisa; nâo podem imaginar. Nenhum deles sabe trabalhar em computadores ( os pais ). Nenhum deles sabe fazer uma conta de dividir, nem multiplicar; sò somar..mas nâo subtrair..Pois este casal, està com rendimento de 119 euros por dia no estrangeiro.. ""NÂO È BELA A VIDA ?? ""... Essa mulher era agricultora em Portugal com pouca coisa a cultivar.. e ele era empreiteiro de obras em Portugal, conjunto com um que sabia escrever e ler o portugues, mas o pròprio empreiteiro nâo sabia ler nem escrever o português.. QUE VIDA.. Nâo dou nomes de ninguem nem de mais nada..Safem-se na vida... Hà patrôes e patrôes --mas hà mais ladrôes que patrôes.. Matemàtica moderna e antiga--Patrôes + Aldrabôes==100% sem erros, ""CERTINHO "" de Gaspar da Suissa..
De Citadina a 19 de Maio de 2009 às 12:38
Muito obrigada, nunes , pelo comentário "desabafante", espero que depois disto se sinta mais aliviado.
Não percebo o que é que o seu texto tem a ver com o tema do post mas deixe lá, não tem importância nenhuma, o blog também é isso, uma espécie de confessionário, ou de vazadouro de "revoltados anónimos", portanto seja bem-vindo e esteja à vontade para despejar aqui a sua fúria. Desde que não me ofenda a mim, prometo dar-lhe o espaço que precisar para atacar as pátrias do seu desassossego.

Comentar post

Dezembro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
16
17
18
19
20
25
26
27

Posts por autora

Pesquisa no blog

Subscrever feeds

Outras ruas

Arquivo

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Tags

a vida dos outros(31)

açores e madeira(7)

ambiente e oceanos(21)

aniversários(19)

artes(6)

autarquias(12)

auto-recriações(24)

autores(7)

bem-estar(11)

blogs(73)

capitalismo(8)

catástrofes(4)

charlatonices(2)

cidadania(14)

ciências(3)

cinema(18)

citações(38)

clima(7)

condomínio(2)

curiosidades(26)

democracia(32)

desemprego(13)

desporto(22)

dilectos comentadores(5)

direitos humanos(11)

direitos liberdades e garantias(39)

e-mail e internet(6)

economia(27)

educação(8)

eleições(14)

emigração(5)

empresas(3)

estados de espírito(60)

europa(2)

eventos(33)

excertos da memória(24)

fascismo(9)

férias(25)

festividades(29)

fotografia(12)

gatos(10)

gestão do blog(15)

gourmet(3)

grandes tentações(11)

hipocrisia(3)

homens(6)

homofobia(17)

humanidade(8)

humor(24)

igualdade(20)

impostos(5)

infância(7)

insónia(6)

int(r)agável(25)

intimismos(38)

ivg(17)

justiça(17)

legislação(17)

lgbt(71)

liberdade de expressão(13)

língua portuguesa(7)

lisboa(27)

livros e literatura(21)

machismo(3)

mau gosto(8)

media(3)

mulheres(17)

música(35)

noite(5)

notícias(22)

óbitos(5)

países estrangeiros(19)

personalidades(9)

pesadelos(5)

petróleo(4)

poesia(9)

política(86)

política internacional(30)

por qué no te callas?(9)

portugal(31)

publicações(6)

publicidade(9)

quizes(8)

redes sociais virtuais(9)

reflexões(58)

religião(19)

saúde(6)

ser-se humano(15)

sexualidade(9)

sinais dos tempos(8)

sociedade(45)

sonhos(6)

televisão(23)

terrorismo(4)

trabalho(20)

transportes(7)

viagens(19)

vícios(13)

vida conjugal(17)

violência(4)

todas as tags

Quem nos cita