Sexta-feira, 25 de Julho de 2008

Da aversão à maledicência

Amem-me ou odeiem-me, desde que não falem de mim.

 

Buraco tapado por Citadina às 14:37
Link do post | Tapa também
8 comentários:
De Cosmopolita a 25 de Julho de 2008 às 15:45
Amada, é impossível não falarem de ti, tens de compreender isso e habituares-te à ideia.

Os que te amam falam de ti, porque é impossível ignorar a tua beleza, a tua juventude apaixonada, a inteligência, cultura, competência profissional, capacidades de liderança e de entrega a uma causa, sentido de humor a rondar o sarcasmo por um lado e uma profunda e quase inverosímel ingenuidade por outro, generosidade, sentido de responsabilidade, dedicação, solidariedade e verdadeira amizade pelos outros. E são só esses que te interessam para amigos e não os que duvidam de ti ou te tentam encher de lama, enquanto hipocrita e cobardemente te sorriem pela frente.

Os que te odeiam, aqueles cujo ódio não advém dos "derniers cris d'amour", como diria o Aznavour, fazem-no por rancor, por profundo sentido de inferioridade, por inveja, por incapacidade de atingir a tua superioridade moral e ética.

Os que te amam/odeiam são aqueles que no fundo, no fundo, te queriam para eles, mas não te conseguem manipular ou interessar de forma a ter-te, de maneira que se contentam com pessoas menores, ambas sabemos isso.

Como te disse, falarão sempre de ti por uma razão ou por outra. Ouve os que te amam e ignora os outros. "Os cães ladram e a caravana passa" ou "Vozes de burro não chegam ao céu", sempre ouvi o povo dizer.

Sê indiferente, não os oiças, ignora-os que é isso que lhes dói!

Adoro-te!
De Observador a 26 de Julho de 2008 às 12:55
Citadina
Costumava dizer-se "falem bem ou mal desde que falem de mim" .
Creio que é assim, mais ou menos.

Mas estranho essa frase, Citadina, a que agora aparece no vosso blogue.

Se falam, falam, falam e não dizem nada, lixo com eles(as).

Costumo dizer que só oiço o que me interessa.

Toma lá um ... sorriso.
De Duca a 29 de Julho de 2008 às 18:14
Minha querida amiga,

Ao contrário de ti, há quem peça: "falem bem ou mal, mas falem de mim."

Mas conhecendo-te como te conheço, sei que não gostas que falem de ti, nas tuas costas. Antes preferes que falem contigo, de frente.

Só que, amiga, para isso é preciso coragem, qualidade que, infelizmente, muita gentinha não tem!

Sabes o que te digo? Segue o sábio conselho da tua mulher, não lhes ligues que é o pior que lhes podes fazer!

Beijos
De Citadina a 29 de Julho de 2008 às 21:52
Cosmo, Observador e Duca,

Obrigada pelos vossos simpáticos e elogiosos comentários, já sabem que eu própria não sou de muitas palavras, sou mais de acções, portanto fico-me pelos sinceros agradecimentos.
De nnannarella a 30 de Julho de 2008 às 21:46
Citi querida, foi agora a tua vez de sofreres maledicências ?! Ora diz-me lá quem foi que chamo a minha samurai Musashi e o ser há-de ansiar não ter nascido!!!
Beijos.
De Citadina a 30 de Julho de 2008 às 23:17
Como diz a minha querida Cosmo, nem vale a pena, Nnanna, nem vale a pena...
Beijo grande e saudades!!
De K a 31 de Julho de 2008 às 19:56
Se, por acaso, o assunto é o mesmo ... e as pessoas envolvidas as mesmas são... e tendo semi-presenciado em primeira mão a agressão feita, só me resta prestar a minha solidariedade e rematar com umas citações:
"É pior cometer uma injustiça do que sofrê-la, porque quem a comete transforma-se num injusto e quem a sofre não."
(Sócrates)
e
"A coisa mais difícil do mundo é conhecermo-nos a nós mesmos, e o mais fácil é falar mal dos outros."
(Tales de Mileto)

Beijos
De Citadina a 5 de Agosto de 2008 às 00:11
Querida K,
A merda na cabeça das pessoas é e há-de ser sempre a mesma. É recorrente quando está na natureza de alguém.
É certo que deixa o rasto de um cheiro pestilento durante um certo tempo, mas até isso se desvanece nos confins do esquecimento próprio da indiferença.
Beijo grande!

Comentar post

Dezembro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
16
17
18
19
20
25
26
27

Posts por autora

Pesquisa no blog

Subscrever feeds

Outras ruas

Arquivo

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Tags

a vida dos outros(31)

açores e madeira(7)

ambiente e oceanos(21)

aniversários(19)

artes(6)

autarquias(12)

auto-recriações(24)

autores(7)

bem-estar(11)

blogs(73)

capitalismo(8)

catástrofes(4)

charlatonices(2)

cidadania(14)

ciências(3)

cinema(18)

citações(38)

clima(7)

condomínio(2)

curiosidades(26)

democracia(32)

desemprego(13)

desporto(22)

dilectos comentadores(5)

direitos humanos(11)

direitos liberdades e garantias(39)

e-mail e internet(6)

economia(27)

educação(8)

eleições(14)

emigração(5)

empresas(3)

estados de espírito(60)

europa(2)

eventos(33)

excertos da memória(24)

fascismo(9)

férias(25)

festividades(29)

fotografia(12)

gatos(10)

gestão do blog(15)

gourmet(3)

grandes tentações(11)

hipocrisia(3)

homens(6)

homofobia(17)

humanidade(8)

humor(24)

igualdade(20)

impostos(5)

infância(7)

insónia(6)

int(r)agável(25)

intimismos(38)

ivg(17)

justiça(17)

legislação(17)

lgbt(71)

liberdade de expressão(13)

língua portuguesa(7)

lisboa(27)

livros e literatura(21)

machismo(3)

mau gosto(8)

media(3)

mulheres(17)

música(35)

noite(5)

notícias(22)

óbitos(5)

países estrangeiros(19)

personalidades(9)

pesadelos(5)

petróleo(4)

poesia(9)

política(86)

política internacional(30)

por qué no te callas?(9)

portugal(31)

publicações(6)

publicidade(9)

quizes(8)

redes sociais virtuais(9)

reflexões(58)

religião(19)

saúde(6)

ser-se humano(15)

sexualidade(9)

sinais dos tempos(8)

sociedade(45)

sonhos(6)

televisão(23)

terrorismo(4)

trabalho(20)

transportes(7)

viagens(19)

vícios(13)

vida conjugal(17)

violência(4)

todas as tags

Contadores

Quem nos cita