Terça-feira, 9 de Setembro de 2008

Quer ganhar 250 000 Euros em seis níveis?

Então vá ao novo programa da Teresa Guilherme. Por foder o seu casamento e pôr em causa o amor pelos seus filhos perante milhares de pobres de espírito sanguinários ganha 1.000 Euros e passa o primeiro nível. Eina, parabéns!

Por evidenciar a sua falta de lealdade para com os seus amigos íntimos, fazer a sua mulher passar pela maior cornuda no território português, até porque admitiu que já pagou para ter sexo este ano, ganha 5.000 Euros e passa ao terceiro nível. Pelo ar aliviado que faz quando a maquineta diz que é verdade a atrocidade que acabou de proferir deduz-se que nem lhe está a custar muito, certo? Certo. Decide continuar.

Agora calma, respire, porque como acha que ainda não se humilhou o suficiente na televisão a Teresa tem novas perguntinhas giras para si.

Nesta nova fase do jogo trata-se de assumir alto e em bom som a sua misoginia aguda perante colegas de trabalho e aqui você tenta "uma explicação"... Mas não vale a pena, a sério, concentre-se lá no dinheirinho.

O risco de viver rodeado de gente com muita vontade de se vingar de si depois disto aparentemente não o preocupa e por isso admite que é uma chatice aturar os seus filhos e a sua mulher. Deixe lá, depois vai ter muito dinheirinho para pagar por companhia, verdade? Eia, que bom! 

Mas espere! Ainda tem um amigo que o salvou de admitir que desde que está casado já deu mais de quinze escapadelas! Pronto, está bem, nós fingimos que não percebemos que você é um putanheiro.

Em troca tem de admitir que é desonesto noutras frentes, mas o que é isso para si?! A verdade é que já tem 10.000 Euros! É de homem!

Mas agora a parada sobe: trata-se de admitir que a sua mulher pode ter SIDA por sua causa e o que é que você faz? (pausa para vomitar) Admite que não usa preservativo com as suas amantes... Arghh...

No entanto, você agora parece começar a desesperar e embarca numa atitude patética de afirmar que o seu casamento tem futuro. O computador tem pena de si e diz que é verdade. Que sorte, hã?!

Próxima fase: o seu irmão tem cara de bronco, mas era escusado realçar isso com o seu discurso de macho dominante. Você também é um grandessíssimo bronco, mas vai ganhar 25.000 Euros. Chora lágrimas de crocodilo e dá um abraço ao anormal, eerrr, quer dizer, ao seu querido irmão e fica tudo em família.

Já conseguiu dizer alarvidades que cheguem, quer dizer, verdades que cheguem, e acima de tudo, já conseguiu amealhar a quantia que comprará a sua vida junto dos agiotas a quem deve dinheiro, portanto desiste. A Teresa Guilherme fica toda contente a asseverar-lhe que a verdade compensa e é verdade: compensa-a muito a ela. Fim. Mais um belo momento de televisão.

Buraco tapado por Citadina às 23:41
Link do post | Tapa também
10 comentários:
De Duca a 10 de Setembro de 2008 às 11:43
É por estas e por outras que eu deixei de ver televisão faz tempo.
É que já não há saco que aguente!
De Citadina a 12 de Setembro de 2008 às 11:01
Querida Duca,
Ainda há coisas que valem muito a pena ver em televisão, inclusivé na televisão portuguesa.
Mas definitivamente as produções da Teresa Guilherme não são uma delas.
O ponto de desdignificação pessoal que este tipo de programas explora por um punhado de Euros é ultrajante! Não sei como é possível, sinceramente. O mundo está mesmo louco e se por um lado ela não tem culpa disso, por outro lado o facto de explorar desta forma as vulnerabilidades morais e materiais das pessoas é pura e simplesmente de vómitos!
É como atirar um quilo de carne 20 esfomeados e apresentar em directo e horário nobre a luta físca entre eles por um quinhão que lhes mate a fome. Tão torpe quanto isto.
Beijo grande!
De Pugo a 10 de Setembro de 2008 às 11:59
Pois bem, esperava eu pelo programa na esperança de finalmente ter algo que me ocupasse as noites de descanso quando me depraro com possivelmente uma das piores coisas de a Sra Teresa Guilherme já alguma vez fez em televisão....

Isto vai mesmo de mal a pior....
De Citadina a 12 de Setembro de 2008 às 11:03
Pugo,
Qualquer coisinha menos isto! Até o Canal Infinito consegue ser melhor!
De -pirata-vermelho- a 10 de Setembro de 2008 às 16:14
Apetece-me alargar a certos verdugos-animadores (?) o âmbito do anúncio que publiquei há pouco tempo
---
Macho activo. Experiente.
Mato gajos que batem em gajas.
C'as mãos ou com instrumental apropriado, artesanal ou sofisticado, limpo-lhes o sebo com gosto.
Contratos a prazo, regulares ou eventuais. Trabalho por gosto. Faço pescates de voluntariado ocasional.
Só faço homens - acerto murros nos cornos de quem acha que os tem.
Gosto das mulheres.
---
Assim proposto não arranjaria clientela para actuar sobre a tal manhosa.

(Este blog é de gente séria -sem dúvida- mas! puxa-me p'a língua p'o disparate e o pé p'a chinela.


A sério! também...)
De Citadina a 12 de Setembro de 2008 às 11:08
Pirata,
É sempre bom ter um amigo assim!
De Andarilha Estelar a 11 de Setembro de 2008 às 17:49
Uai, estão pagando para o pessoal ser cruel, desleal e sacana!
Acho que vai faltar dinheiro que baste para pagar a tantos e tantas!
Tô achando que muita gente vai ganhar dinheiro fácil, fácil!
Argh!!!!!!!!
De Citadina a 12 de Setembro de 2008 às 11:17
Andarilha,
Sim, o dinheiro parece ser fácil. Mas ou aquilo é uma total encenação, ou o aparente facilitismo cedo se vai transformar no inferno de Dante daqueles pobres de espírito que vão lá em busca das notas.
De qualquer das formas, como é que chegámos a este ponto de prostituição da consciência ?!
Isto é para lá dos limites aceitáveis. Ultrapassa uma linha ténue que se apaga quando se olha para trás. A partir daí já é muito dificil regressar.
Eu já me contentaria em saber que quem vai a este tipo de concursos e se presta a tais papéis tem a noção disto.
De Cosmopolita a 12 de Setembro de 2008 às 14:58
Minhas caras, estes programas tiveram, têm e terão sempre uma enorme audiência, não há nada a fazer. E quanto mais dolorosos e mais ao de cima trouxerem os dramas ou que há de mais íntimo, básico, cruel, primitivo no ser humano, tanto mais público terão. E para a guerra das audiências vale tudo, desde que distraia as pessoas do seu dia-a-dia.

A Teresa Guilherme limita-se a explorar e bem essa faceta do público. Este sempre gostou de circo, desde antes do tempo dos romanos...
De Pugo a 12 de Setembro de 2008 às 14:41
Ao ver o gajo e também a Teresa Guilherme recuei uns anitos e depressa me fez lembrar de um tal de Marco Borges....

Desculpem-me se firo algumas susceptibilidades mas era quase a cópia perfeita do outro....

Comentar post

Dezembro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
16
17
18
19
20
25
26
27

Posts por autora

Pesquisa no blog

Subscrever feeds

Outras ruas

Arquivo

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Tags

a vida dos outros(31)

açores e madeira(7)

ambiente e oceanos(21)

aniversários(19)

artes(6)

autarquias(12)

auto-recriações(24)

autores(7)

bem-estar(11)

blogs(73)

capitalismo(8)

catástrofes(4)

charlatonices(2)

cidadania(14)

ciências(3)

cinema(18)

citações(38)

clima(7)

condomínio(2)

curiosidades(26)

democracia(32)

desemprego(13)

desporto(22)

dilectos comentadores(5)

direitos humanos(11)

direitos liberdades e garantias(39)

e-mail e internet(6)

economia(27)

educação(8)

eleições(14)

emigração(5)

empresas(3)

estados de espírito(60)

europa(2)

eventos(33)

excertos da memória(24)

fascismo(9)

férias(25)

festividades(29)

fotografia(12)

gatos(10)

gestão do blog(15)

gourmet(3)

grandes tentações(11)

hipocrisia(3)

homens(6)

homofobia(17)

humanidade(8)

humor(24)

igualdade(20)

impostos(5)

infância(7)

insónia(6)

int(r)agável(25)

intimismos(38)

ivg(17)

justiça(17)

legislação(17)

lgbt(71)

liberdade de expressão(13)

língua portuguesa(7)

lisboa(27)

livros e literatura(21)

machismo(3)

mau gosto(8)

media(3)

mulheres(17)

música(35)

noite(5)

notícias(22)

óbitos(5)

países estrangeiros(19)

personalidades(9)

pesadelos(5)

petróleo(4)

poesia(9)

política(86)

política internacional(30)

por qué no te callas?(9)

portugal(31)

publicações(6)

publicidade(9)

quizes(8)

redes sociais virtuais(9)

reflexões(58)

religião(19)

saúde(6)

ser-se humano(15)

sexualidade(9)

sinais dos tempos(8)

sociedade(45)

sonhos(6)

televisão(23)

terrorismo(4)

trabalho(20)

transportes(7)

viagens(19)

vícios(13)

vida conjugal(17)

violência(4)

todas as tags

Quem nos cita