Quinta-feira, 18 de Setembro de 2008

Não há surpresas no centrão

O PS anunciou que irá impor a disciplina de voto e chumbar os projectos de lei do BE e d'Os Verdes para a igualdade no acesso ao casamento civil, a serem discutidos na Assembleia da República no próximo dia 10 de Outubro.

Para mim nem chega a ser uma desilusão. Nunca esperei nada de bom deste Governo, não era agora que ia começar. Sócrates não é nem nunca será corajoso como Zapatero. Não. Sócrates só há-de avançar, e mesmo assim, apenas com uma figura jurídica manhosa que não tenha nada  a ver com verdadeira igualdade, quando e só quando achar que já não tem nada a perder, ou seja, durante a próxima legislatura.

Dessa forma, e com essa promessa no ar, capitaliza os votos dos homossexuais que, na esperança de finalmente alcançarem um tratamento dignificante, tenderão a votar PS; fica na história como um humanista defensor dos direitos de igualdade; e não perde a face (nem os apoios) perante as franjas conservadoras do PS antes das próximas eleições.

Só vantagens, à nossa custa. À custa de assobiar para o lado perante a discriminação. À custa de manipular as vidas das pessoas em seu proveito político. Pensem nisto quando forem votar.

Buraco tapado por Citadina às 13:47
Link do post | Tapa também
13 comentários:
De Estrelaminha a 18 de Setembro de 2008 às 16:54
boa tarde!
nem mais. isto é a verdadeira politica doa a quem doer.
De tangas a 18 de Setembro de 2008 às 21:38
o que é que distingue o senhor josé de um rufia e cheg«fe de gangue de rua?
De maria papoila a 18 de Setembro de 2008 às 22:05
Precisamento o que pensei quando ouvi.
De marta a 19 de Setembro de 2008 às 00:49
eu nem nisso acredito. nem acho que o ps ganhe as próximas eleições (não se esqueçam, estamos em portugal) nem acho que caso tal proeza se verifique, se venha a legalizar o casamento homossexual (não se esqueçam, estamos em portugal).
De Poppie a 19 de Setembro de 2008 às 10:06
Precisamente!
De Duca a 19 de Setembro de 2008 às 10:59
Nunca deixei de ir às urnas votar. Só que, há alguns anos que o meu sentido de voto é sempre o mesmo, ou seja, nulo. Isto porque a cambada é sempre a mesma e se um governo é mau vem a seguir outro que é ainda pior e assim sucessivamente.

A hipocrisia deste governo é impressionante e nem a "promessa" de que será na próxima legislatura que eventualmente poderei casar, me fará votar de forma diferente. O PS pela primeira vez teve uma maioria absoluta e não aproveitou a oportunidade para provar aos portugueses que eram melhores que o PSD. Enganou os portugueses que lhes deram um voto de confiança. É caso para dizer "que raio de sina a nossa".

Quanto ao casamento homossexual, das duas uma, ou retiram do artigo 13º da CRP a frase "orientação sexual" e alteram o seu artigo 36º que diz que "todos têm o direito de constituir família e de contrair casamento em condições de plena igualdade" ou, caso isto não suceda têm, mais tarde ou mais cedo, que considerar inconstitucional o artigo 1577º do CC.

De facto, o artigo 1577º do CC não pode continuar a coexistir com os artigos 13º e 36º da CRP que é a lei fundamental do país, por óbvia inconstitucionalidade.

E isto é assim, independentemente das discussões sobre o que está certo e o que não está em torno desta questão. Por mais que se discuta sobre questões sociais, religiosas, etc., a verdade é que o referido artigo do CC é inconstitucional!
De Cosmopolita a 19 de Setembro de 2008 às 13:33
As contradições do PS e o seu oportunismo político são mais do que evidentes para nós. E é irritante pensarem que somos parvos!

A propósito do casamento entre homossexuais, vale a pena ler estes posts do Arrastão(http://arrastao.org/sem-categoria/isto-era-so-a-gente-querer-ser-bue-modernos-e-muita-jovens/) (http://arrastao.org/ps/como-nao-temos-posicao-obrigamos-todos-a-votar-contra/) para ver até onde vai a demagogia deles.

Já agora, valia a pena arranjar fórmulas semelhantes aos contratos civis de que eles falam para os casos da igualdade perante a orientação religiosa, a cor da pele, a diferença do género, etc, consagradas no mesmo artigo da Constituição. Assim a descriminação seria assumidamente para todos. Uns azuis claros e outros azuis escuros.
De K a 22 de Setembro de 2008 às 23:30
Querida: escolhe:
descriminação - descriminar - v. tr.,
absolver de crime;
tirar a culpa a.


discriminação (do Lat. discrimatione)
s. f.,
acto ou efeito de discriminar;
separação;
distinção;
diferenciação;
destrinça;
discernimento;
marginalização devido à diferença, de raça, por exemplo.

Beijos
De Cosmopolita a 23 de Setembro de 2008 às 11:07
Tens toda a razão K! Não sei onde tinha a cabeça...
De Cosmopolita a 19 de Setembro de 2008 às 13:49
Ah, e já agora permitam-me que vos lembre os posts que a Azinhaga da Cidade escreveu sobre este assunto de forma até exaustiva.

Vale a pena lerem o que foi deixado para memória futura: http://azinhagadacidade.blogs.sapo.pt/81040.html
http://azinhagadacidade.blogs.sapo.pt/82681.html
http://azinhagadacidade.blogs.sapo.pt/83189.html

Por tudo isto se pode ver como estes senhores são uma cambada de aldrabões e que de democrático não têm nada, senão não imporiam a disciplina de voto aos seus deputados no caso da discussão do casamento homossexual!
De Druiel a 20 de Setembro de 2008 às 13:59
E acham que o PSD faria diferente? Se fosse o PSD ainda tinhamos o aborto ilegal.
O sistema político peca em Portugal pela falta de uma verdadeira alternância partidária. Alternar entre PS e PSD não é uma alternância, é um vicío que consome o país, o sistema e o Governo.

Beijinhos
Druiel
De DD a 23 de Setembro de 2008 às 22:32
O primeiro ataque que ouvi contra o Sócrates, antes das últimas eleições, foi o de que era homosexual e que vivia "maritalmente" com o Diogo Infante.
Não sei se é verdade ou não; só o conheço de jantares e almoços comemorativos e de algumas reuniões no Largo do Rato. Mas se fosse, não me importava nada e não deixaria de votar nele.
Se ele aprovasse o casamento homo, lá estariam a dizer que estava a legislar em causa própria e que iria casar com o Diogo Infante e não com a Câncio com quem dizem que anda a fingir ser hetero.
Nada sei da vida dele, a não ser o que dizem e que foi casado, tem dois filhos que vivem na Freguesia do Lumiar e arranjou um pequeno tacho para a ex-mulher.
De qualquer modo, o Sócrates é um gajo bestial que atrai homens homo e mulheres hetero.
Eu admiro a sua oratória e notável memória política e o modo como é capaz de exercer bem o poder.
Sim, poder, para quem o conheceu por perto, é um exercício chato de escolha de pessoas para os diversos cargos com as missões adequadas a uma dada política, certificando-se da sua fidelidade e capacidade para exercer bem a missão que lhes foi confiada.
A grande preocupação dum alto dirigente é que o seu pessoal não faça asneiras e não se exponha estupidamente perante a opinião pública. O resto é oratória e memória.
O pior político é sempre o que tiver a mania que sabe mais que os outros e que as coisas devem ser feitas de acordo com a sua cabeça, sempre estúpida, dada a incapacidade para abarcar todos os assuntos. Sócrates é um "perguntador", quer sempre saber a opinião dos outros e raramente declara o sentido da sua opinião. Com ele, um gajo nunca fica a saber se o tipo está ou não de acordo com as nossas ideias. Para além disso é teimoso e exigentes até dizer basta, nunca está satisfeito com o trabalho dos colaboradores, mas, enfim, nesse aspecto conheci gajos muito piores no PS.

Comentar post

Dezembro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
16
17
18
19
20
25
26
27

Posts por autora

Pesquisa no blog

Subscrever feeds

Outras ruas

Arquivo

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Tags

a vida dos outros(31)

açores e madeira(7)

ambiente e oceanos(21)

aniversários(19)

artes(6)

autarquias(12)

auto-recriações(24)

autores(7)

bem-estar(11)

blogs(73)

capitalismo(8)

catástrofes(4)

charlatonices(2)

cidadania(14)

ciências(3)

cinema(18)

citações(38)

clima(7)

condomínio(2)

curiosidades(26)

democracia(32)

desemprego(13)

desporto(22)

dilectos comentadores(5)

direitos humanos(11)

direitos liberdades e garantias(39)

e-mail e internet(6)

economia(27)

educação(8)

eleições(14)

emigração(5)

empresas(3)

estados de espírito(60)

europa(2)

eventos(33)

excertos da memória(24)

fascismo(9)

férias(25)

festividades(29)

fotografia(12)

gatos(10)

gestão do blog(15)

gourmet(3)

grandes tentações(11)

hipocrisia(3)

homens(6)

homofobia(17)

humanidade(8)

humor(24)

igualdade(20)

impostos(5)

infância(7)

insónia(6)

int(r)agável(25)

intimismos(38)

ivg(17)

justiça(17)

legislação(17)

lgbt(71)

liberdade de expressão(13)

língua portuguesa(7)

lisboa(27)

livros e literatura(21)

machismo(3)

mau gosto(8)

media(3)

mulheres(17)

música(35)

noite(5)

notícias(22)

óbitos(5)

países estrangeiros(19)

personalidades(9)

pesadelos(5)

petróleo(4)

poesia(9)

política(86)

política internacional(30)

por qué no te callas?(9)

portugal(31)

publicações(6)

publicidade(9)

quizes(8)

redes sociais virtuais(9)

reflexões(58)

religião(19)

saúde(6)

ser-se humano(15)

sexualidade(9)

sinais dos tempos(8)

sociedade(45)

sonhos(6)

televisão(23)

terrorismo(4)

trabalho(20)

transportes(7)

viagens(19)

vícios(13)

vida conjugal(17)

violência(4)

todas as tags

Quem nos cita