Quinta-feira, 13 de Novembro de 2008

O Azinhaga convida

É sempre bom quando alguém se oferece para acabar com a nossa miséria, neste caso concreto, a nossa falta de tempo em geral e inspiração em particular.

Foi nesse contexto que o Azinhaga da Cidade convidou o seu estimado leitor e assíduo comentador que se assina como Pirata Vermelho a escrever um post e o resultado é este: (palminhas!)

 

Quanto custa esta linha azul, para Alfa-pendular,

com a via completamente nova

a permitir velocidades superiores a 200kmh?

 

 

Muita gente pensa que o lançamento de uma linha Faro-Valença do Minho é inviável por ser muito cara, mas uma linha nova para comboios Alfa-Pendular, de Faro a Valença, importaria em cerca de 650 Milhões de Euros. Então, vejamos,
1
se o TGV é tanto mais rentável quanto maior for a distância e quanto menor for o número de paragens, percebe-se assim e desde já que o TGV seria dificilmente rentável na curta e muito segmentada viagem Lisboa-Porto;
2
sendo Portugal um país pequeno, estreito e curto, onde nada garante uma taxa de ocupação padrão de 80% para troços menores ou iguais a 300km, também por isso a rentabilidade se apresenta duvidosa.

Portanto, sabendo que o custo estimado (fora as derrapagens habituais a que ninguem se opõe mas que eu ajudo a pagar) do projecto TGV é de 3800 M € tudo indica que se deveria lançar uma linha Alfa-Pendular, Faro-Valença do Minho, em vez do exótico e muito caro TGV Lisboa-Porto, uma vez que
1
o custo de lançamento de uma linha nova para pendular é de 1Milhão €uros/km, o que importa em cerca de 650M €,
2
a CP tem mais de dez comboios pendulares que, ao valor actual de cerca de 18M€ cada, permitiria duplicar o numero de composições por um custo de 180M€,
3
o que SOMA - linha nova e vinte e tal comboios pendulares em operação - 830 Milhões de Euros.

Acrescentando 15% para desvios de estimativa, ficaria tudo em menos de 1050M €
ie.
cerca de 3 a 4 vezes menos que o descabido TGV e garantindo velocidades de mais de 200 Kms/h, o que, nas "distâncias portuguesas", seria suficiente para as típicas deslocações profissionais ou de outra natureza.

TGV?
Sim, sim.
Se for o prolongamento de uma das longas linhas europeias de Madrid até cá...

nós contribuimos com faixa de território e parte dos custos entre Elvas e Lisboa.

 


Se podemos viajar neste óptimo comboio entre Faro e Braga

 

(neste óptimo ambiente):
     

  


porque haveriamos de usar isto para ir de Lisboa ao Porto?

 

(ganhando apenas 20-30% de tempo e em cabines destas):

 

  

 


Com um custo 3 a 4 vezes menor é possível estender uma linha nova de Faro a Valença do Minho e com o dobro do número de composições agora existentes, de modo a garantir horários e a aumentar a frequência.

JÁ EXISTE LINHA ENTRE FARO E BRAGA
mas

 

 


uma linha para Alfa-Pendular completamente nova, entre Faro e Valença do Minho e mais dez comboios Alfa de última geração, a juntar aos já existentes, custa três a quatro vezes menos que o desmesurado 'Projecto TGV' Lisboa-Porto que, além de muito caro, é de rentabilidade incerta devido ao elevado número de paragens,  à imprevisível taxa de ocupação e ao traçado crítico da via.

 

Buraco tapado por Citadina às 16:29
Link do post | Tapa também
4 comentários:
De Cosmopolita a 13 de Novembro de 2008 às 18:31
De facto! Muito bem vista esta análise.

Infelizmente há alguns portugueses que têm a mania das grandezas, sobretudo quando estas não são pagas com o dinheiro deles!

A quem interessa então este projecto do TGV? Se não for à generalidade dos portugueses que estão endividados até às próximas gerações, será com certeza a quem irá receber umas luvazitas e comissões...
De -pirata-vermelho- a 13 de Novembro de 2008 às 23:07
E a quem produz 'cimento' e equipamento.
Mas tudo será pago com acréscimo ou a grande dívida não é mesmo 'essa', a externa?
De Feronica a 14 de Novembro de 2008 às 06:52
Já tinha pensado se o Alfa não seria de facto uma melhor solução mas não tinha informação suficiente.
No entanto, estou dividida: se por um lado, o Alfa pendular me pareve melhor solução, por outro, se abandonarmos o projecto TGV, perdemos a hipotese de termos o país com os mais pequenos trajactos À mais alta velocodade. No País dos mega projectos, isso seria perder uma gramde oportunidade.
Dinheiro? Isso é problema? Divida externa? Então não temos milhões e milhões? Entre bancos levados À falência por gestores sem escrupulos e infra-estruturas de transportes mesmo que sobredimensionadas, do mal o menos.
Bom post Pirata! Só estranhei o tom tão sério e a natureza tão objectiva. Pelos comentários que costuma fezer, imaginava que um post seu fosse algo menos pragmático.

De -pirata-vermelho- a 14 de Novembro de 2008 às 10:34
Sou alérgico à estupidez.
Quando deparo com Ela, como foi o caso da ota cujo desmantelamento me vanglorio de ter iniciado, visto o Fato Encarnado d'ir à missa e fico 'assim'.
Este é mais difícile mbora não menos estúpido; é que, para o outro propuz uma escapatória...


Obrigado pela sua inesperada correcção. É de facto o desperdiçar a oportunidade d'exibir um bimáximo...

Comentar post

Dezembro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
16
17
18
19
20
25
26
27

Posts por autora

Pesquisa no blog

Subscrever feeds

Outras ruas

Arquivo

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Tags

a vida dos outros(31)

açores e madeira(7)

ambiente e oceanos(21)

aniversários(19)

artes(6)

autarquias(12)

auto-recriações(24)

autores(7)

bem-estar(11)

blogs(73)

capitalismo(8)

catástrofes(4)

charlatonices(2)

cidadania(14)

ciências(3)

cinema(18)

citações(38)

clima(7)

condomínio(2)

curiosidades(26)

democracia(32)

desemprego(13)

desporto(22)

dilectos comentadores(5)

direitos humanos(11)

direitos liberdades e garantias(39)

e-mail e internet(6)

economia(27)

educação(8)

eleições(14)

emigração(5)

empresas(3)

estados de espírito(60)

europa(2)

eventos(33)

excertos da memória(24)

fascismo(9)

férias(25)

festividades(29)

fotografia(12)

gatos(10)

gestão do blog(15)

gourmet(3)

grandes tentações(11)

hipocrisia(3)

homens(6)

homofobia(17)

humanidade(8)

humor(24)

igualdade(20)

impostos(5)

infância(7)

insónia(6)

int(r)agável(25)

intimismos(38)

ivg(17)

justiça(17)

legislação(17)

lgbt(71)

liberdade de expressão(13)

língua portuguesa(7)

lisboa(27)

livros e literatura(21)

machismo(3)

mau gosto(8)

media(3)

mulheres(17)

música(35)

noite(5)

notícias(22)

óbitos(5)

países estrangeiros(19)

personalidades(9)

pesadelos(5)

petróleo(4)

poesia(9)

política(86)

política internacional(30)

por qué no te callas?(9)

portugal(31)

publicações(6)

publicidade(9)

quizes(8)

redes sociais virtuais(9)

reflexões(58)

religião(19)

saúde(6)

ser-se humano(15)

sexualidade(9)

sinais dos tempos(8)

sociedade(45)

sonhos(6)

televisão(23)

terrorismo(4)

trabalho(20)

transportes(7)

viagens(19)

vícios(13)

vida conjugal(17)

violência(4)

todas as tags

Quem nos cita