Segunda-feira, 6 de Dezembro de 2010

Aniversário

O Azinhaga da Cidade fez quatro anos ontem.

Buraco tapado por Citadina às 10:52
Link do post | Tapa também | Ver comentários (13)
Domingo, 25 de Abril de 2010

25 de Abril sempre

Descer a avenida da Liberdade e emocionar-me com a História e as conquistas de Abril. Nunca esquecer.

 

Buraco tapado por Citadina às 23:31
Link do post | Tapa também | Ver comentários (2)
Terça-feira, 30 de Março de 2010

10 anos

Uma década de vida em comum com a Cosmo.

3652 dias de uma união sustentada por um imenso amor, que não sendo assim já as asperezas da vida tinham dado conta das nossas resistências individuais.

Uma boa data para ressuscitar este blog tão abandonado nos últimos tempos, principalmente por mim; uma data por todas as razões e mais alguma, assinalável.

Eu já só volto aqui lá para Agosto, com grande probabilidade.

Entretanto enceta-se hoje uma nova década nas nossas vidas. Que nos seja leve e prazenteira, que o resto, tudo o resto, já nós temos.

Buraco tapado por Citadina às 16:54
Link do post | Tapa também | Ver comentários (6)
Sábado, 5 de Dezembro de 2009

3 anos

Azinhaga da Cidade: a arrastar-se pela blogosfera desde 2006.

Buraco tapado por Citadina às 12:17
Link do post | Tapa também | Ver comentários (7)
Sexta-feira, 2 de Outubro de 2009

3 Anos - Parabéns Lesboa

Há três anos foi a Duca que me desafiou a ir à Lesboa, "uma coisa nova" que surgia no cenário do entretenimento LGBT da cidade. Desde então, são raras as edições do evento que tenho perdido, evento esse que conquistou por mérito próprio um lugar incontornável como "happening" LGBT de Lisboa.

Hoje a Lesboa já não é uma "coisa nova", mas continua a ser uma coisa boa. Parabéns.

 

Buraco tapado por Citadina às 12:09
Link do post | Tapa também
Segunda-feira, 20 de Julho de 2009

O planeta azul

A minhã avó materna tinha um sonho. Nascida em 1911, assistiu pela televisão à alunagem da Apollo 11, cujos 40 anos se comemoram hoje, e ficou fascinada com as fotografias da Terra vista do espaço. Ouvi-a dizer várias vezes que não havia coisa mais linda. O seu sonho era fazer uma viagem espacial, para ver com os seus próprios olhos a magnificência do planeta azul. Daqui a poucos dias terão passado doze anos desde o seu falecimento, mas sei que hoje teria um prazer especial em ver os telejornais para assistir mais uma vez às imagens que tanto a fascinavam. Eu estarei a ver por ela.

Buraco tapado por Citadina às 13:50
Link do post | Tapa também | Ver comentários (10)
Quinta-feira, 4 de Junho de 2009

Massacre de Tiananmen: foi há vinte anos

 

 

O inadmissível aconteceu.

 

(via Arrastão).

Buraco tapado por Citadina às 12:29
Link do post | Tapa também | Ver comentários (6)
Quinta-feira, 12 de Fevereiro de 2009

Darwin Awards

No bicentenário do nascimento de Charles Darwin, o Azinhaga sugere uma alternativa para comemorar: atribuir Darwin Awards.

Estes prémios são entregues - a título póstumo, mas para o exercício lúdico podemos aqui dispensar a exigência do óbito - a quem fez um grande favor à Humanidade por ter morrido sem propagar (mais) os seus genes.

Vale a pena consultar o site, tem histórias deliciosas (para quem aprecia humor negro, claro), como esta dos bêbedos a voar baixinho.

E o meu prémio vai para... não sei se para um sanguinário clássico como o Sr. Mugabe, se para um pseudo-civilizado como Berlusconi. Seja qual for, tem de prometer não andar a espalhar por aí os seus genes defeituosos!

Vou reflectir e amanhã digo.

Entretanto façam as vossas sugestões, celebrem Darwin como deve ser!

 

Buraco tapado por Citadina às 19:41
Link do post | Tapa também | Ver comentários (1)
Sábado, 13 de Dezembro de 2008

Uma moeda para Caronte

 
 
Há precisamente cinco anos, num dia soalheiro e frio, aconteceu-me perecer debaixo de água, num mergulho trágico, e acabar nesse cais tétrico entre este mundo e lá para onde vai aquela barca.
Nela preparava Caronte mais uma viagem e sem sequer me olhar de frente já tinha estendido a manápula num gesto mecânico, onde depositei o soldo que lhe cabia.
Foi depois de me observar com uma expressão deslocada, que de novo me virou as costas e remou para longe. Ainda hoje não sei se por falta de lugares sentados ou puro desinteresse na encomenda.
 
Buraco tapado por Citadina às 11:30
Link do post | Tapa também | Ver comentários (12)
Sexta-feira, 5 de Dezembro de 2008

II

Há limites para o umbiguismo até num blog, mas... eu queria assumir publicamente que gosto muito do meu blog (e que para tal muito contribui o facto de ele não ser só meu).
Gosto porque por me diverte e puxa por mim intelectualmente e, claro, porque não tem cor-de-rosa bebé em (quase) nenhum sítio, embora esta última qualidade possa vir a deteriorar-se ao longo do tempo.

Suspeito da existência de opiniões defensoras de que:
  • ele não tem fotografias e vídeos do YouTube suficientes, assim como que tem um deficit inaceitável dos termos "sexo", "mamas", "gajas" e "LOL".
  • podia fazer mais pelas audiências e número de comentários, postando frequentemente expressões como "Mário Machado" e "subscrevo as caricaturas do Profeta Maomé".
  • não contribui para causa nobre alguma, mas isso, caras leitoras e leitores, fazemo-lo conscientemente, por princípio e à imagem e semelhança da nossa vidinha injustamente trivial.
  • e, finalmente, que é muita letra, muita conversa, num monótono tom  cinzento, mas também é por isso que gosto dele: dá a imagem de que consigo ordenar num sistema relativamente coerente e comprovadamente chato a minha mente caótica e vibrante.
Isto tudo a propósito de quê? ...Ah, é que este blog faz dois anos hoje.
 
Buraco tapado por Citadina às 11:56
Link do post | Tapa também | Ver comentários (8)
Segunda-feira, 29 de Setembro de 2008

Lesboa - II Aniversário

 

Em honra do futuro chumbo parlamentar do próximo dia 10 de Outubro, uma possível leitura política para dress-code branco é haver muita gente que se quer casar e não pode, embora a cor da virgindade ali, seja simbólica, mesmo SÓ simbólica...

Por mim espero que a festa se cubra de todo o espectro de tonalidades e brilho porque a Lesboa está, mais uma vez, de parabéns!

É já na próxima 6ª feira, no belíssimo Pavilhão de Exposições do ISA.

Buraco tapado por Citadina às 14:29
Link do post | Tapa também
Terça-feira, 2 de Setembro de 2008

Parabéns ao meu Bluebird!

 

Faz hoje 18 anos que nasceste, meu filho, já és um adulto com todas as responsabilidades e direitos inerentes.

Dei-te um nome que evoca em mim os vales solarengos dos Cárpatos no Verão, cheios de relva e flores selvagens, frutos silvestres, abelhas, pássaros e riachos a correr. Daí, por vias indirectas, veio o nome Bluebird.

Vieste quando já não te esperava, embora te tivesse sonhado muitas vezes. Parece-me que ainda foi ontem, não me dei conta de o tempo passar. Passeávamos juntos à beira-mar, tu no teu carrinho, a deitar fora todos os chapéus cada vez que me apanhavas distraída. Ou a vir comer-me à mão o ovo cozido, o tomate ou fruta que levava para a praia. E a gatinhar mar adentro sem nenhum receio deste, com a mana a fazer também de tua mãezinha. Lembras-te? Claro que não, eras tão pequenino!

És tão sensato desde pequeno, tão introvertido no que te diz respeito e ao mesmo tempo tão capaz de fazer rir todos.

Adoro-te! Muitos parabéns por teres nascido.

Buraco tapado por Cosmopolita às 18:36
Link do post | Tapa também | Ver comentários (5)
Sábado, 23 de Agosto de 2008

Parabéns à minha Leoazinha!

 

Faz hoje 23 anos que tu nasceste, meu amor. Lutámos tanto para nos ter! E conseguimos!

 

Quando te ouvi chorar ao nascer e depois te vi, lembro-me de olhar para ti incrédula, tão linda e perfeitinha, e de pensar na sorte que tinha por seres minha.

 

Lembro-me também de andar por todo o lado a cantarolar irresistivelmente a canção do Caetano Veloso

 

Gosto muito de te ver leãozinho
Caminhando sob o sol
Gosto muito de você leãozinho

 

Para desentristecer leãozinho
O meu coração tão só
Basta eu encontrar você no caminho

 

Um filhote de leão, raio da manhã
Arrastando o meu olhar como um ímã
O meu coração é o sol, pai de toda cor
Quando ele lhe doura a pele ao léu

 

Gosto de te ver ao sol leãozinho
De ter ver entrar no mar
Tua pele, tua luz, tua juba

 

Gosto de ficar ao sol leãozinho
De molhar minha juba
De estar perto de você e entrar numa

 

Foste muito tempo a minha única companheirinha, absorvente, possessiva, o meu brinquedinho, fonte de enormes alegrias e surpresas e também de terror quando adoecias.

 

És a minha amiguinha incondicional, confidente, conselheira sensata. És a minha filhinha, a minha Leoazinha, tão forte e tão frágil ao mesmo tempo, tão corajosa e determinada.

 

Adoro-te! Muitos parabéns por teres nascido! 

Buraco tapado por Cosmopolita às 00:08
Link do post | Tapa também
Quarta-feira, 30 de Janeiro de 2008

54

No dia em que me faltasses, faltava-me tudo.

Buraco tapado por Citadina às 11:40
Link do post | Tapa também | Ver comentários (6)
Quarta-feira, 5 de Dezembro de 2007

Hoje o Azinhaga faz 1 ano

Ao longo deste primeiro ano pronunciámo-nos sobre assuntos da actualidade, sondámos a opinião das leitoras e dos leitores sobre infidelidade e circo (quase a mesma coisa, portanto), retratámos várias cenas do quotidiano de uma relação conjugal nos tempos modernos, publicámos crónicas de viagens, ensaiámos (pronto, ensaiei) exercícios de estilo literário de qualidade duvidosa, festejámos óbitos de fascistas, fizemos campanha pelo Sim no referendo à despenalização da IVG, e escrevemos ainda sobre mais um sem número de coisas que (também) não interessam a ninguém.
Pela paciência, perseverança e amizade dos leitores e comentadores, independentemente do género, credo, etnia, orientação sexual e quantidade de corruptelas utilizadas, muito obrigada por todas as visitas e comentários.
Foi com todo o gosto que vos encontrámos por aqui e será com muito prazer que - esperamos - vos reencontraremos de novo neste espaço que também é vosso.




Buraco tapado por Citadina às 10:03
Link do post | Tapa também | Ver comentários (12)
Segunda-feira, 1 de Outubro de 2007

Mais uma grande festa




Esteve em grande a comemoração do 1º aniversário da Lesboa Party, no local que provavelmente reúne mais consenso, o esplêndido Pavilhão de Exposições do Instituto Superior de Agronomia, decorado para o efeito com simplicidade - como convém, uma vez que o espaço vale por si só e não precisa de grandes atavios - e alguma graça.

A música esteve geralmente boa, primeiro oferecida pela banda Boogie Nights a quem terá sido encomendado um alinhamento musical especialmente orientado para os gostos do público alvo, que resultou numa selecção bem conseguida no propósito de aquecer e animar as hostes, e numa segunda fase pelos DJ's de serviço, que fizeram, na minha opinião, uma boa gestão do alinhamento e dos timmings, optando por ir ao encontro da geração mais madura numa primeira instância, deixando os ritmos mais techno para o fim da noite.

Nos bares, a confusão habitual - porquê insistir em só dois?! - gerou necessariamente bebidas mal servidas e falta de higiene. Nem um paninho à vista, nem sequer um cuidado mínimo aceitável na limpeza dos balcões, bancadas, chão, e restantes zonas dos e adjacentes aos bares. Os barmen e barmaids   - saltava à vista - não eram profissionais na sua maioria.

Uma indicação visível dos acessos - já dentro da Tapada da Ajuda - também faltou, aliás como sempre, à excepção da primeira vez em que a festa se realizou naquele local. Lá andei eu a recolher silhuetas na noite perdidas no labirinto e a dar-lhes boleia lá para cima.

Não utilizei a casa de banho, não porque não precisasse, mas porque me disseram que a fila era quilométrica!! Sei que este problema é difícil de resolver e que o WC portátil para trolha também não é a alternativa mais glamorosa, mas é óbvio que as instalações existentes são manifestamente insuficientes para mais de 1000 pessoas! Vá lá, organização, utilizem a vossa criatividade para resolver este problema (sem ser ir cagar à mata).

Numa apreciação geral, tratou-se de mais um evento de sucesso. É sabido que a mera repetição sem reforço na qualidade e na inovação não é garante de continuidade e que o verdadeiro desafio não é oferecer mais do mesmo até à exaustão do conceito, mas sim renová-lo de forma cativante, sem nunca desiludir o público específico que aderiu, deu visibilidade e ajudou a construir isto que é a Lesboa Party. A Lesboa veio para ficar! Parabéns e muitos anos de vida!


Buraco tapado por Citadina às 16:32
Link do post | Tapa também
Sábado, 16 de Junho de 2007

Parabéns a mim!

E a minha auto-prenda é uma oldie for a not so young anymore, que já cá cantam 35.

E agora tudo a levantar o rabo dessa cadeira e a cantar comigo, while shaking that ass!!

 

 

 "Holiday"

Holiday Celebrate
Holiday Celebrate

[Chorus:]

If we took a holiday
Took some time to celebrate
Just one day out of life
It would be, it would be so nice

Everybody spread the word
We're gonna have a celebration
All across the world
In every nation
It's time for the good times
Forget about the bad times, oh yeah
One day to come together
To release the pressure
We need a holiday

[chorus]

You can turn this world around
And bring back all of those happy days
Put your troubles down
It's time to celebrate
Let love shine
And we will find
A way to come together
And make things better
We need a holiday

[chorus]

Holiday Celebrate
Holiday Celebrate

[chorus]

Holiday Celebrate
Holiday Celebrate

Holiday, Celebration
Come together in every nation.

Buraco tapado por Citadina às 19:26
Link do post | Tapa também | Ver comentários (4)
Sexta-feira, 30 de Março de 2007

Foi há 7 anos

Chegaste com três vinténs
E o ar de quem não tem
Muito mais a perder
O vinho não era bom
A banda não tinha tom
Mas tu fizeste a noite apetecer
Mandaste a minha solidão embora
Iluminaste o pavilhão da aurora
Com o teu passo inseguro
E o paraíso no teu olhar
 
Eu fiquei louco por ti
Logo rejuvenesci
Não podia falhar
Dispondo a meu favor
Da eloquência do amor
Ali mesmo à mão de semear
Mostrei-te a origem do bem e o reverso
Provei-te que o que conta no universo
É esse passo inseguro
E o paraíso no teu olhar
 
Dá-me lume, dá-me lume
Deixa o teu fogo envolver-me
Até a música acabar
Dá-me lume, não deixes o frio entrar
Faz os teus braços fechar-me as asas
Há tanto tempo a acenar
 
Eu tinha o espírito aberto
Às vezes andei perto
Da essência do amor
Porém no meio dos colchões
No meio dos trambolhões
A situação era cada vez pior
Tu despertaste em mim um ser mais leve
E eu sei que essencialmente isso se deve
A esse passo inseguro
E ao paraíso no teu olhar
 
Dá-me lume, dá-me lume
Deixa o teu fogo envolver-me
Até a música acabar
Dá-me lume, não deixes o frio entrar
Faz os teus braços fechar-me as asas
Há tanto tempo a acenar
 
Se eu fosse compositor
Compunha em teu louvor
Um hino triunfal
Se eu fosse crítico de arte
Havia de declarar-te
Obra-prima à escala mundial
Mas eu não passo dum homem vulgar
Que tem a sorte de saborear
Esse teu passo inseguro
E o paraíso no teu olhar
Esse teu passo inseguro

E o paraíso no teu olhar.

 

"Dá-me Lume", música e letra de Jorge Palma, poeta urbano e trovador errante, 1989.

Buraco tapado por Citadina às 10:15
Link do post | Tapa também | Ver comentários (6)
Terça-feira, 30 de Janeiro de 2007

Parabéns querida!

És o amor da minha vida.

 

Elegia dum incoerente

Tua Presença
É o todo-inteiro,
Real, verdadeiro,
De que a beleza
É um fragmento;
Tua Presença
Lembra um Mosteiro,
É como um claustro,
Como um convento
Onde se bebe
Recolhimento,
E cada qual
Se sente menos
Preso da Vida
Que a carne tenra
Recém-nascida
Se prende à vida
Pelo cordão
Umbilical.

A tua Ausência
É o todo-inteiro
Real, verdadeiro,
De que o Inferno
É um fragmento;
A tua Ausência
Lembra as galés,
Traz-nos atados
De mãos e pés,
Remando sós
Pelos infinitos
Mares deste mundo,
Seguindo o rumo
Dos Desvairados,
Como proscritos,
Como gafados.
A tua Ausência!
Antes ser cego,
Antes cativo,
Antes ser posto
Num caixão estreito,
Levado à cova
E sepulto vivo.

Tua Presença
É como nave
De Catedral,
Dum goticismo
Tão trabalhado,
Tão requintado,
Que são aladas
As próprias pedras
Das arcarias
Abobadadas,
E os capitéis
Das colunatas
Fogem em bandos,
Em revoadas
Ascensionais,
Para aquele ponto,
Exterior ao mundo,
Pra onde tendem
As catedrais!

A tua Ausência
É um oceano
Glauco e sem fundo
Onde naufragam
Os bens do mundo;
É uma imagem
Tumultuária
Dos Derradeiros
Dias Finais;
É como um campo aberto
Para a pilhagem
Das tentações,
Dos desatinos,
Das abjecções;
A tua Ausência
É cavalgada
Desenfreada
DApocalipse,
É o remorso
De quem celebra,
Com mãos profanas,
Ritos sagrados,
É um telescópio
Das dores humanas

Tua Presença
Dimana graças
De iluminura;
Foi modelada
Num raio fulvo
De luz sidéria;
Tem os caprichos,
As fantasias,
Duma voluta
De incenso em brasa;
Tua Presença
Foi feita à imagem
Das vagas névoas,
Sonhos dispersos
Pelos rutilantes
Rubros gritantes
Da madrugada,
E em si resume
O azul doente
Em que dilui
A macerada
Melancolia
Do Sol poente.
É essência Pura
Do ideal,
É um vitral
Que transfigura
Raios de Sol
Que correm montes
Buscando fontes
Para as calar

Sòmente estou triste,
Pois sei que a Presença
Que eu canto em bravatas
Com coros de latas
E versos quebrados,
Enfim, só existe
Na minha Elegia,
Nas minhas bravatas,
Se um dia tombar.

(Reinaldo Ferreira)

Buraco tapado por Citadina às 09:43
Link do post | Tapa também

Dezembro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
16
17
18
19
20
25
26
27

Posts por autora

Pesquisa no blog

Subscrever feeds

Outras ruas

Arquivo

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Tags

a vida dos outros(31)

açores e madeira(7)

ambiente e oceanos(21)

aniversários(19)

artes(6)

autarquias(12)

auto-recriações(24)

autores(7)

bem-estar(11)

blogs(73)

capitalismo(8)

catástrofes(4)

charlatonices(2)

cidadania(14)

ciências(3)

cinema(18)

citações(38)

clima(7)

condomínio(2)

curiosidades(26)

democracia(32)

desemprego(13)

desporto(22)

dilectos comentadores(5)

direitos humanos(11)

direitos liberdades e garantias(39)

e-mail e internet(6)

economia(27)

educação(8)

eleições(14)

emigração(5)

empresas(3)

estados de espírito(60)

europa(2)

eventos(33)

excertos da memória(24)

fascismo(9)

férias(25)

festividades(29)

fotografia(12)

gatos(10)

gestão do blog(15)

gourmet(3)

grandes tentações(11)

hipocrisia(3)

homens(6)

homofobia(17)

humanidade(8)

humor(24)

igualdade(20)

impostos(5)

infância(7)

insónia(6)

int(r)agável(25)

intimismos(38)

ivg(17)

justiça(17)

legislação(17)

lgbt(71)

liberdade de expressão(13)

língua portuguesa(7)

lisboa(27)

livros e literatura(21)

machismo(3)

mau gosto(8)

media(3)

mulheres(17)

música(35)

noite(5)

notícias(22)

óbitos(5)

países estrangeiros(19)

personalidades(9)

pesadelos(5)

petróleo(4)

poesia(9)

política(86)

política internacional(30)

por qué no te callas?(9)

portugal(31)

publicações(6)

publicidade(9)

quizes(8)

redes sociais virtuais(9)

reflexões(58)

religião(19)

saúde(6)

ser-se humano(15)

sexualidade(9)

sinais dos tempos(8)

sociedade(45)

sonhos(6)

televisão(23)

terrorismo(4)

trabalho(20)

transportes(7)

viagens(19)

vícios(13)

vida conjugal(17)

violência(4)

todas as tags

Contadores

Quem nos cita