Quinta-feira, 29 de Abril de 2010

A nova ordem mundial

Temos assistido nos últimos tempos à intimidação de países limítrofes da União Europeia, através de ataques externos à sua economia. Começou pela Grécia, cujo Governo teve muitíssima culpa no criar da "causa próxima" (o facto, como se diz aqui, de a Alemanha desrespeitar os compromissos europeus, não desculpa os gregos nem os liberta da sua responsabilidade), segue-se aparentemente Portugal, a Espanha, a Irlanda e por aí fora. Basicamente o mote é "Dividir para reinar". Ou dar cabo da Zona Euro para valorizar o dólar.

 

Alguém me sabe dizer o que acontecerá a nível internacional quando e se algum dos credores da dívida externa dos EUA, em que a China está em 1º lugar e o Brasil em 5º, como podem ver aqui, decidir cobrá-la?

 

Há muito que se fala na substituição, no cenário mundial, dos países protagonistas mais ricos e na substituição do dólar como moeda de referência internacional. O economista Jim O'Neill da Goldman Sachs chamou BRIC (Brasil, Rússia, Índia e China) a estes quatro países que têm em comum um crescimento recente muito rápido da sua economia, que somam mais de 25% da área do planeta, 15% da economia global, que representam mais de 40% da população mundial e que, em conjunto, querem alterar os mecanismos financeiros mundiais por forma a manter a estabilidade do sistema financeiro internacional global. Os seus líderes reuniram-se dia 16 de Abril último em Brasília para estudar a reforma das instituições internacionais e a criação de uma moeda de referência alternativa ao dólar, por forma a tornar a economia menos vulnerável às crises, para acordar o financiamento de projectos comuns e a criação de oportunidades de investimento, utilizando as moedas dos seus próprios países e sem recorrer ao dólar, e ainda para promover o diálogo com o Irão em vez de pressionar este país com sanções económicas como desejam os EUA e seus aliados. Como alegadamente terá dito Lula da Silva ao presidente chinês, essas sanções prejudicam mais a população do que os dirigentes do Irão.

 

Será que está a haver aqui, por parte das agências de rating ao estabelecer o terror financeiro, uma manobra de diversão para travar estas medidas ou para as catalisar, tendo por base a possibilidade do desaparecimento do dólar como moeda de referência?

Buraco tapado por Cosmopolita às 19:48
Link do post | Tapa também
Quinta-feira, 26 de Fevereiro de 2009

A armadilha do empreendedorismo

Qual é o percurso natural de alguém que perde o emprego?

Como é (finalmente) reconhecido hoje em dia, não é preciso ser-se o pior empregado, ou mesmo só um mau colaborador para se ser despedido. Como hoje se sabe, basta ter um mau gestor, que desbarate os activos da empresa em auto-prémios de desempenho (não interessa que tipo de desempenho). Ou chega somente que a empresa seja o elo mais fraco da cadeia financeira. O empresário que não é pago pelos seus clientes começa por também não pagar aos seus fornecedores, rapidamente passa a não pagar ao Estado e por fim deixa de pagar até aos seus colaboradores.

Então, perguntava eu, qual é o percurso natural de alguém que perde o emprego, é um bom profissional e tem de encontrar uma solução para a situação de crise da sua família?

Se não há empregos disponíveis - e não há - o bom e  "pró-activo" profissional não se vai deixar abater pelas dificuldades, não vai deixar de acreditar no seu valor, principalmente não vai deixar de ser um pilar económico da sua família, porque a família não pode ter falta de liquidez, para usar termos técnicos, porque a família não pode ficar insolvente, e acima de tudo, porque a família não pode viver no meio da rua, não é assim? Portanto ele vai... exacto: criar o seu próprio posto de trabalho. Ou pelo menos vai tentar.

O bom profissional vai aplicar todo o seu esforço, experiência e activos - enquanto ainda os tem - numa actividade produtiva por conta-própria.

Então abre um café. Ou mesmo um restaurante. Ou um gabinete de contabilidade. Ou uma imobiliária. Ou um escritório de advogados. Ou uma empresa de outros serviços quaisquer.

E o que é que lhe acontece? Com uma probabilidade de dez mil para um, ou seja, sem muitas hipóteses realistas de escapar ao fluxo da corrente principal, ele apenas conseguirá engrossar o caudal de empresários desesperados deste país. De qualquer forma, não conseguirá sobreviver só pelo fruto do seu trabalho, ou seja, sem cunhas, sem "conhecimentos", sem praticar corrupção passiva ou activa, sem beneficiar de trafico de influências, sem poder abusar de posição dominante, sem evasão fiscal aqui e ali.

Não conseguirá porque vai ser comido, esmagado por todos os que fazem aquelas coisas.

Empreendedorismo? Ó pá, por favor, "empreendedorismo" é uma palavra que nem sequer existe.

Buraco tapado por Citadina às 15:42
Link do post | Tapa também
Quarta-feira, 22 de Outubro de 2008

Se é fartar vilanagem, então que seja para todos

A proposta de Orçamento para 2009 propõe um regime fiscal excepcional para os Fundos de Investimento Imobiliário em Arrendamento Habitacional (FIIAH), com isenção de IRC sobre os rendimentos obtidos pelo fundo até 2014; isenção de IRS e IRC sobre os rendimentos dos fundos dos detentores das unidades de participação; dedução à colecta das rendas em sede de IRS; isenção de IMI para os imóveis que fiquem na carteira do fundo; e isenção de IMT nas compras desses imóveis.

 

Vejamos quem isto beneficia:

Isenção de IRC sobre os rendimentos obtidos pelo fundo até 2014: os bancos;

Isenção de IRS e IRC sobre os rendimentos dos fundos dos detentores das unidades de participação: os bancos e os investidores nos fundos;

Dedução à colecta das rendas em sede de IRS: ninguém fica consideravelmente "melhor" uma vez que os ex-proprietários já beneficiavam da mesma medida em relação aos juros pagos em empréstimos à habitação, juros esses que, na esmagadora maioria dos casos ultrapassam os 90% da prestação mensal;

Isenção de IMI para os imóveis que fiquem na carteira do fundo: os bancos;

Isenção de IMT nas compras desses imóveis: quem os comprar, o que não significa que sejam os ex-proprietários.

 

O ministro das Finanças, Teixeira dos Santos, disse a propósito que as rendas dos imóveis desses fundos seriam "atractivas" e garantiu ainda que as novas regras para os fundos de arrendamento imobiliário permitirão que os proprietários que entreguem a casa ao fundo voltem a recuperá-la mais tarde, "quando tiverem condições económicas que o permitam". Assegurou ainda que a entrega inicial do imóvel ao fundo de arrendamento e a sua posterior recuperação pelo ex-proprietário futuro não terá "encargos adicionais". No entanto, caso o inquilino falhe o pagamento da renda por um período superior a três meses perde o direito à opção de compra do imóvel.

Estava-se mesmo a ver, não era?

 

Perante esta mina de betão, a CGD anunciou que já está pronta para lançar o seu FIIAH assim que o enquadramento legal o permita. Segundo Paulo Sousa, responsável pelo crédito à habitação da Caixa, "Este veículo de investimentos vai adquirir um conjunto de imóveis a famílias que têm alguma dificuldade em fazer face ao seu serviço da dívida e depois essas mesmas famílias vão arrendar o imóvel a esse fundo, sendo-lhes dada a opção de a prazo recomprarem o imóvel. Vamos criar condições para que o valor da renda seja mais baixo que o da prestação do crédito à habitação."

Quanto? Entre 20% e 25%.

 

Sendo assim, o mesmo responsável admite que "em certas situações algumas famílias poderão deixar de conseguir pagar a renda".

Realisticamente: "certas" famílias? Ou quase todas?

 

E claro que havendo incumprimento "serão desencadeados os mecanismos legais para resolver a situação" e que "se à partida aquela família não pode fazer face ao pagamento da renda, então será melhor encontrar outra solução que não a do fundo imobiliário".

 

Qual solução? Eu dou uma sugestão: para não alimentar mais as barrigas gordas desses chulos, vendam a casa no mercado, mesmo que abaixo de custo. Se ainda ficarem a dever ao banco, paciência, eles que desencadeiem os tais mecanismos legais.

O pior que vos pode acontecer, despojados de todos os bens como estão, desempregados, indigentes, velhos ou explorados, é o Estado arranjar-vos uma nova casa, com grades e tal, um bocado feia, pronto, mas ainda assim, o tecto que vocês precisavam. Só espero que as prisões, lares de 3ª idade, orfanatos e ruas em geral estejam prontos para receber a classe média.

Buraco tapado por Cosmopolita às 15:09
Link do post | Tapa também
Terça-feira, 21 de Outubro de 2008

Para mamões arranja-se sempre

O Estado garante a banca. Já as reformas dos contribuintes que pagam as garantias do Estado, essas não estão assim tão garantidas.

Buraco tapado por Citadina às 12:43
Link do post | Tapa também | Ver comentários (2)
Quinta-feira, 2 de Outubro de 2008

Crise do subprime para leigo entender

Como só os brasileiros sabem fazer:

 

"Para quem não entendeu ou não sabe bem o que é ou gerou a crise americana, segue breve relato econômico para leigo entender...
É assim:
O seu Biu tem um bar, na Vila Carrapato, e decide que vai vender cachaça "na caderneta" aos seus leais fregueses, todos bêbados, quase todos desempregados. Porque decide vender a crédito, ele pode aumentar um pouquinho o preço da dose da branquinha (a diferença é o sobre preço que os pinguços pagam pelo crédito).

O gerente do banco do seu Biu, um ousado administrador formado em curso de emibiêi, decide que as cadernetas das dívidas do bar constituem, afinal, um ativo recebível, e começa a adiantar dinheiro ao estabelecimento, tendo o pindura dos pinguços como garantia.

Uns seis zécutivos de bancos, mais adiante, lastreiam os tais recebíveis do banco, e os transformam em CDB, CDO, CCD, UTI, OVNI, SOS ou qualquer outro acrônimo financeiro que ninguém sabe exatamente o que quer dizer.

Esses adicionais instrumentos financeiros, alavancam o mercado de capitais e conduzem a operações estruturadas de derivativos, na BM&F, cujo lastro inicial todo mundo desconhece (as tais cadernetas do seu Biu).

Esses derivativos estão sendo negociados como se fossem títulos sérios, com fortes garantias reais, nos mercados de 73 países.

Até que alguém descobre que os bêbados da Vila Carrapato não têm dinheiro para pagar as contas, e o Bar do seu Biu vai à falência. E toda a cadeia sifudeu !

Viu... é muito simples...!!!"

 

(Via e-mail)

 

Buraco tapado por Citadina às 10:43
Link do post | Tapa também | Ver comentários (4)
Quarta-feira, 9 de Abril de 2008

Dúvidas sobre o País das Maravilhas segundo Sócrates *

Dada a crise instalada, nomeadamente no que toca, por um lado, aos problemas de falta de liquidez e insolvência das famílias, e por outro, ao sobreendividamento consequente e situações dramáticas que ele cria, pergunto-me se a publicidade dos bancos e demais instituições de crédito a apelar à obtenção de dinheiro fácil, em que tudo é magnífco, não custa nada a pagar, é imediato, et cætera, não devia, pura e simplesmente, ser proibida?

* Post inspirado pela Cosmopolita, que ontem à noite se escandalizava em frente da TV com certos anúncios...

Buraco tapado por Citadina às 12:15
Link do post | Tapa também | Ver comentários (2)
Segunda-feira, 3 de Março de 2008

Falta de jeito para o liberalismo selvagem

Se pudesse escolher entre um emprego desafiante profissionalmente e outro que não o fosse, mas que em contrapartida me proporcionasse um manancial de disponibilidade para o lazer, a cultura e outras formas de alimentação do intelecto, não seria uma escolha fácil nem linear. Mas em ambas as hipóteses a motivação no meu dia-a-dia estaria assegurada.

Certo é que definharia a olhos vistos num emprego que não proporcionasse nem desafio nem disponibilidade, só por causa de dinheiro, só para acumular riqueza material.

O dinheiro é apenas um meio para adquirir qualidade de vida. Mas para a ter, é preciso dispor de tempo para dedicar a vivências qualitativas. No entanto, as vidas profissionais de hoje assemelham-se cada vez mais a novas fórmulas de escravidão que passam por viver exclusivamente para a "carreira" a maior parte da vida, sem tempo de qualidade para mais nada, apostando na esperança de gozar os hipotéticos frutos do esforço mais tarde.

Essa esperança num futuro ou fim dourado que pode nem chegar a existir, ou existindo, revelar-se falacioso, nas formas de exclusão social, ambiente destruído, guerras ou outras catástrofes que, por mais que lutemos não consigamos evitar, é um salto de fé que não consigo dar. Para mim só faz sentido lutar e contribuir agora por uma vida de qualidade hoje. Até porque, como dizia Keynes, a longo prazo estaremos todos mortos.

Buraco tapado por Citadina às 11:42
Link do post | Tapa também | Ver comentários (1)
Quinta-feira, 11 de Outubro de 2007

Mas então a Barbie não era uma p...?

Na Indonésia foi criada uma Barbie que veste as roupas tradicionais. O nome da boneca também mudou. Chama-se Salma.

Marketing é marketing, o que interessa é vender, portanto, em nome do respeito pelas convicções religiosas,  disfarça-se a gaja um bocadinho e já está!
Pois.

Buraco tapado por Citadina às 17:47
Link do post | Tapa também | Ver comentários (2)

Dezembro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
16
17
18
19
20
25
26
27

Posts por autora

Pesquisa no blog

Subscrever feeds

Outras ruas

Arquivo

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Tags

a vida dos outros(31)

açores e madeira(7)

ambiente e oceanos(21)

aniversários(19)

artes(6)

autarquias(12)

auto-recriações(24)

autores(7)

bem-estar(11)

blogs(73)

capitalismo(8)

catástrofes(4)

charlatonices(2)

cidadania(14)

ciências(3)

cinema(18)

citações(38)

clima(7)

condomínio(2)

curiosidades(26)

democracia(32)

desemprego(13)

desporto(22)

dilectos comentadores(5)

direitos humanos(11)

direitos liberdades e garantias(39)

e-mail e internet(6)

economia(27)

educação(8)

eleições(14)

emigração(5)

empresas(3)

estados de espírito(60)

europa(2)

eventos(33)

excertos da memória(24)

fascismo(9)

férias(25)

festividades(29)

fotografia(12)

gatos(10)

gestão do blog(15)

gourmet(3)

grandes tentações(11)

hipocrisia(3)

homens(6)

homofobia(17)

humanidade(8)

humor(24)

igualdade(20)

impostos(5)

infância(7)

insónia(6)

int(r)agável(25)

intimismos(38)

ivg(17)

justiça(17)

legislação(17)

lgbt(71)

liberdade de expressão(13)

língua portuguesa(7)

lisboa(27)

livros e literatura(21)

machismo(3)

mau gosto(8)

media(3)

mulheres(17)

música(35)

noite(5)

notícias(22)

óbitos(5)

países estrangeiros(19)

personalidades(9)

pesadelos(5)

petróleo(4)

poesia(9)

política(86)

política internacional(30)

por qué no te callas?(9)

portugal(31)

publicações(6)

publicidade(9)

quizes(8)

redes sociais virtuais(9)

reflexões(58)

religião(19)

saúde(6)

ser-se humano(15)

sexualidade(9)

sinais dos tempos(8)

sociedade(45)

sonhos(6)

televisão(23)

terrorismo(4)

trabalho(20)

transportes(7)

viagens(19)

vícios(13)

vida conjugal(17)

violência(4)

todas as tags

Quem nos cita