Quarta-feira, 15 de Dezembro de 2010

Está tudo ligado

Há bocado produzi um cagalhão que cheirava a pão quente. Ou dois. Muito bom. Juro. Eu sei, extraordinário. Também produzi um post que é, em si, um autêntico cagalhão. Isto está tudo ligado. Nada acontece por acaso.

Buraco tapado por Citadina às 18:14
Link do post | Tapa também | Ver comentários (8)
Sexta-feira, 10 de Setembro de 2010

SCUT ou CDCUT?

A sigla SCUT é uma abreviatura de "Sem Custo para os Utilizadores". Cerca de 2/3 destas AE eram antigos IPs e ICs que foram reclassificados e cuja manutenção e conservação foi entregue a privados, sem que, para usufruto dos tais utilizadores, tenham sido feitos esforços para encontrar boas alternativas aos IPs e ICs que lhes deram lugar.

 

Deveríamos chamar "os bois pelos nomes" e propor que esta sigla seja alterada para CDCUT "Com Duplo Custo para os Utilizadores", senão há uma contradição entre o que a sigla implica e a realidade da dupla cobrança efectuada: a das portagens nestas vias e a de impostos aos cidadãos. 

Buraco tapado por Cosmopolita às 06:36
Link do post | Tapa também | Ver comentários (2)
Quarta-feira, 25 de Agosto de 2010

Portugal de ontem e de hoje

O chamado "clube dos cinco", em 1884: da esquerda para a direita, Eça de Queiroz, Oliveira Martins, Anthero de Quental, Ramalho Ortigão e Guerra Junqueiro.

 

Descubra as diferenças...

 

"Estamos perdidos há muito tempo...

O país perdeu a inteligência e a consciência moral.

Os costumes estão dissolvidos, as consciências em debandada.

Os caracteres corrompidos.

A prática da vida tem por única direcção a conveniência.

Não há princípio que não seja desmentido.

Não há instituição que não seja escarnecida.

Ninguém se respeita.

Não há nenhuma solidariedade entre os cidadãos.

Ninguém crê na honestidade dos homens públicos.

Alguns agiotas felizes exploram.

A classe média abate-se progressivamente na imbecilidade e na inércia.

O povo está na miséria.

Os serviços públicos são abandonados a uma rotina dormente.

O Estado é considerado na sua acção fiscal como um ladrão e tratado como um inimigo.

A certeza deste rebaixamento invadiu todas as consciências.

Diz-se por toda a parte, o país está perdido!"

 

Eça de Queirós, Revista "Farpas" (1871)

 

 

"Um povo imbecilizado e resignado, humilde e macambúzio, fatalista e sonâmbulo, burro de carga, besta de nora, aguentando pauladas, sacos de vergonhas, feixes de misérias, sem uma rebelião, um mostrar de dentes, a energia dum coice, pois que nem já com as orelhas é capaz de sacudir as moscas; um povo em catalepsia ambulante, não se lembrando nem donde vem, nem onde está, nem para onde vai; um povo, enfim, que eu adoro, porque sofre e é bom, e guarda ainda na noite da sua inconsciência como que um lampejo misterioso da alma nacional, reflexo de astro em silêncio escuro de lagoa morta.

 

[…] Uma burguesia, cívica e politicamente corrupta até à medula, não descriminando já o bem do mal, sem palavras, sem vergonha, sem carácter, havendo homens que, honrados na vida íntima, descambam na vida pública em pantomineiros e sevandijas, capazes de toda a veniaga e toda a infâmia, da mentira à falsificação, da violência ao roubo, donde provém que na política portuguesa sucedam, entre a indiferença geral, escândalos monstruosos, absolutamente inverosímeis no Limoeiro […]

 

Um poder legislativo, esfregão de cozinha do executivo; este criado de quarto do moderador; e este, finalmente, tornado absoluto pela abdicação unânime do País.

 

[…] A justiça ao arbítrio da Política, torcendo-lhe a vara ao ponto de fazer dela saca-rolhas;

 

Dois partidos […] sem ideias, sem planos, sem convicções, incapazes, […] vivendo ambos do mesmo utilitarismo céptico e pervertido, análogos nas palavras, idênticos nos actos, iguais um ao outro como duas metades do mesmo zero, e não se malgando e fundindo, apesar disso, pela razão que alguém deu no parlamento, de não caberem todos duma vez na mesma sala de jantar…"

 

Guerra Junqueiro, "Pátria" (1896)

Buraco tapado por Cosmopolita às 13:09
Link do post | Tapa também | Ver comentários (19)
Quarta-feira, 14 de Julho de 2010

Dr. House

 

Seguimos esta série cá em casa e, de episódio para episódio, maior é a minha aversão ao Dr. House. Poucas vezes me foi dado ver uma pessoa que se distinguisse tanto pela negativa e que tivesse, simultaneamente, tanto e tão inexplicável êxito. É verdade que esse sucesso tem a ver também com toda a equipa. Os actores principais, Lisa Cuddy (Lisa Edelstein), Eric Foreman (Omar Epps), James Wilson (Robert Sean Leonard), Allison Cameron (Jennifer Morrison), Robert Chase (Jesse Spencer), e em papeis secundários, Thirteen (Olivia Wilde), Chris Taube (Peter Jacobson) e Lawrence Kutner (Kal Penn), desempenham na perfeição o seu papel.

 

Dr. House, o personagem brilhantemente interpretado por Hugh Laurie, como pessoa é absolutamente asqueroso. É um manipulador nato, um ditador desumano e esclavagista, crápula, mentiroso, arrogante, intrusivo, abusador, chantagista, obsceno a nível sexual,  intolerável enquanto chefe ou subordinado. Mistura de forma inaceitável e abusiva a vida profissional e pessoal, sua e da sua equipa ou chefias, com a vida profissional e pessoal de todos.

 

A sua genialidade, enquanto médico especializado em diagnósticos, deixa muito a desejar, pelo menos a mim que não sou médica. Se fossemos ver o custo dos meios de diagnóstico que ele utiliza por paciente, então a medicina teria, de facto, um custo socialmente insuportável. Sobretudo num país como os EUA em que estar doente é um luxo a que poucos se podem permitir.

 

Gostaria de ver um médico assim, a ter de fazer diagnósticos sem meios para o fazer, como acontece em muitos países do mundo. Aí sim, se mantivesse a genialidade, poderia perdoar-se-lhe algumas das suas fraquezas de carácter. Mas hélàs, o mundo está cheio de Dr. Houses que têm a visibilidade e o poder que têm, porque todos nós lhes damos créditos, elogiando-os e dando-lhes tempo de antena.

Buraco tapado por Cosmopolita às 16:13
Link do post | Tapa também | Ver comentários (9)
Terça-feira, 15 de Junho de 2010

Só mesmo por milagre!

 

 

Alguém pode dizer a esta pobre ignorante (em matéria de futebol, claro) se alguma vez, e quando, é que o Cristiano Ronaldo num jogo da Selecção Portuguesa marcou um golinho que fosse contra a equipa adversária?

 

É que tanto quanto tenho notado, o jogador muda drasticamente de melhor do mundo, quando é pago de forma obscena, para bailarino medíocre e caguinchas quando representa o seu país... 

 

Por este andar, não há dúvida que só mesmo um milagre nos pode levar para além do 2º jogo do Mundial!

Buraco tapado por Cosmopolita às 21:57
Link do post | Tapa também | Ver comentários (5)
Quinta-feira, 27 de Maio de 2010

Dois pesos e duas medidas (2)

Que me perdoe o Eduardo por lhe roubar o tema desta citação, mas é por uma boa causa. A de ilustrar, mais uma vez, a aplicação prática do princípio de dois pesos e duas medidas em Portugal.

 

O colarinho branco e a canja da ralé, por José Vítor Malheiros (excertos)

 

1. Quando alguém mete ao bolso uma coisa que não lhe pertence dizemos que a roubou. Mas há justificações para meter coisas ao bolso. E diferentes nomes para usar nas várias circunstâncias, conforme o estatuto social e político dos autores. Uma senhora bem vestida que meta na carteira um perfume, numa loja elegante, distraiu-se - e um engano toda a gente tem. Uma mulher que o faça num supermercado suburbano comete um furto que a sociedade não pode permitir. E um banqueiro que esconda num offshore os milhões que ganhou por vender títulos tóxicos aos incautos clientes é um pilar da sociedade que contribui para o desenvolvimento económico. Esta é a base da sociedade e querer subvertê-la é fomentar o caos e a anarquia. E o sistema judicial existe para garantir a sua subsistência.

 

Quando um deputado rouba alguma coisa também não se trata exactamente de roubo-roubo, como se fosse um maltrapilho qualquer. Pode dizer-se que o deputado se apropriou, tirou ou "roubou" e "furtou", mas entre aspas.

 

2. As medidas de contenção das prestações sociais recentemente apresentadas pelo Governo no âmbito do PEC têm de ser lidas à luz da mesma lógica, que distribui direitos e deveres de acordo com os méritos das pessoas: seria impensável pedir a pessoas de posses, a pessoas de qualidade, a pessoas daquelas de que o país não pode prescindir, que pagassem a crise provocada pelos actos de contabilidade criativa que os corretores e os banqueiros fizeram nos últimos anos e pelos buracos orçamentais criados para colmatar os défices dos bancos. Como o seria combater a fuga de capitais para os paraísos fiscais, ou a fuga ao fisco de pessoas que não sejam trabalhadores por conta de outrem. Tratar-se-ia de uma violência psicológica insuportável.

 

Os pobres já estão habituados a poupar e a apertar o cinto e quase não vão notar a diferença. Os ricos não o sabem fazer. Fá-lo-iam mal. Os desempregados, os recipientes do rendimento mínimo, os trabalhadores precários são peritos na arte de rapar o tacho. Fazem-no há anos, há gerações, há séculos. E atingiram uma eficiência que um banqueiro nunca conseguiria. E, em alturas de crise, temos de apostar na eficiência, temos de entregar a cada um as tarefas que melhor desempenham. Alguém pensa que um gestor de uma grande empresa poderia viver com 1000 euros? Nem vale a pena tentar. Um pobre consegue alimentar uma família de seis com 800 euros. Sabe fazer canja de miúdos de frango e um guisado com um osso de vaca, sabe quais são os medicamentos da receita que não precisa de aviar, conhece as lojas onde pode comprar sapatos e sabe remendar a roupa. Ninguém o faz tão bem como os pobres. É o talento da ralé. Por que se há-de tentar que sejam os ricos a pagar mais impostos e a gastar menos?

Buraco tapado por Cosmopolita às 13:10
Link do post | Tapa também | Ver comentários (3)
Quarta-feira, 26 de Maio de 2010

Dois pesos e duas medidas (1)

Ou de como se aplica ao povo português a expressão "passarinhos e pardais não somos todos iguais" . Ou ainda sobre como esta crise não é para todos.

 

Buraco tapado por Cosmopolita às 20:38
Link do post | Tapa também | Ver comentários (4)
Sexta-feira, 14 de Maio de 2010

Do branqueamento dos crimes da ICAR

Cartoon tirado daqui
A ICAR tem uma longa tradição histórica de crimes contra a Humanidade (quem não se lembra das Cruzadas ou da Inquisição?) nunca olhando a meios para atingir os seus tenebrosos fins, e tem uma ainda maior capacidade de os branquear, não hesitando em deitar mão aos argumentos mais desonestos para se desresponsabilizar.

 

Um dos lemas que a ICAR segue é o de que a melhor defesa é o ataque. Numa altura em que em muitos países católicos se faz ouvir o coro de milhares de vozes das vítimas de pedofilia (crianças indefesas, muitas delas carenciadas e até deficientes) por parte de padres católicos, numa altura em que nos EUA, com base nomeadamente num documento secreto interno da igreja (Crimen Sollicitationis), que instrui bispos como lidar com acusações de abusos sexuais cometidos por padres nas suas paróquias, há quem acuse o Papa de liderar o "encobrimento de casos de pedofilia", o que vem ele dizer em Fátima?

 

Vem dizer que a profecia do 3º segredo de Fátima revelado em 2000 já falava dos sofrimentos que o Papa viria a experimentar, nomeadamente aquele que vem de dentro da Igreja e que tem a ver com a pedofilia exercida por padres católicos e encoberta durante décadas pela Igreja. Quer dizer, passam de agressores a vítimas, utilizando a fé das pessoas para branquearem os crimes cometidos. E, quando se falou na possibilidade de confrontação do Papa com estes crimes, aquando desta visita a Portugal, o cardeal José Saraiva Martins teve o desplante de dizer que "em Portugal, como noutros países, há uma campanha muito bem organizada para atacar a Igreja"! Perdoai-lhes Senhor, que eles não sabem o que fazem!

 

Como Chefe de um Estado, o Vaticano, o Papa vem, insurrecta e desrespeitosamente, exortar os fiéis de um outro Estado, laico e democrático, a condenar leis, aprovadas no seu parlamento por maioria, de despenalização da interrupção voluntária da gravidez e de aprovação do casamento homossexual como podem comprovar aqui. Ou seja, opta por uma atitude de ingerência intolerável na regulação totalitarista da sociedade civil de um Estado que não dirige nem representa, quando nem sequer consegue pôr ordem dentro da sua própria casa!

 

Ao dizer-se defensor de "iniciativas que visam tutelar os valores essenciais e primários da vida, desde a sua concepção, e da família, fundada sobre o matrimónio indissolúvel de um homem com uma mulher" podia, e devia, preocupar-se com temas da instituição da qual é CEO, como o casamento dos padres católicos, a ordenação de mulheres como sacerdotes, etc., permitindo seguramente "responder a alguns dos mais insidiosos e perigosos desafios que hoje se colocam ao bem comum". Bem prega Frei Tomás...

 

Buraco tapado por Cosmopolita às 23:12
Link do post | Tapa também
Terça-feira, 29 de Setembro de 2009

Como diz que disse?

Desculpe, mas não percebi. O que foi que disse?

 

O sistema de segurança informática da presidência é vulnerável? E só hoje chamou os peritos para um diagnóstico? Em que planeta é que vive? Não sabe que há hackers que até entram no Pentágono? E só hoje se queixa? Tão oportunamente depois da inesperada derrota do PSD nas legislativas e a 15 dias das autárquicas? E quando pensa tomar providências?

 

Mas afinal o tal assessor escreveu ou não escreveu o tal mail a dizer que suspeitava de o vigiavam? Não indagou? Não comunicou à polícia?

 

E quem são as pessoas do PS de quem fala de maneira tão abrangente?  Tem acusações concretas contra elas? Porque não procede judicialmente?

 

De toda esta sua comunicação só nos fica um enorme ponto de interrogação, o que não é nada ético em período eleitoral.

Buraco tapado por Cosmopolita às 21:23
Link do post | Tapa também | Ver comentários (5)
Sexta-feira, 25 de Setembro de 2009

One man show

 

Também conhecido por Paulinho das feiras, este exemplo acabado da manipulação e da mais baixa e primária demagogia, é um homem que não olha a meios para atingir os seus fins pessoais e a sua sede de poder e de protagonismo.

 

Este homem, que me lembra sempre o personagem Attila do filme de Bertolucci "1900", magistralmente interpretado por Donald Sutherland, aproveita-se de forma ignóbil da falta de memória, da ignorância, da ingenuidade e do conservadorismo que uma determinada parte da população mais desfavorecida possui para mentir, para intrigar, para manipular, para adulterar por completo o que os oponentes dizem, para dizer uma coisa e o contrário da mesma sempre que necessário.

 

Mas a verdade é que o "partido do táxi", graças aos seus shows, vai, segundo as sondagens, crescer proporcionalmente muito mais que outros partidos com propostas e actuações sérias. É de facto curiosa a forma como as tais ditas massas se comportam e como é fácil enganá-las.

Buraco tapado por Cosmopolita às 22:56
Link do post | Tapa também | Ver comentários (2)
Terça-feira, 1 de Setembro de 2009

"O Papa dos gays" e outros flagelos sociais

Elejo este o post mais idiota da silly season 2009. E aposto que @ leitor não me consegue indicar nenhum tão néscio.

Sendo assim, o prémio é um cagalhão. Já está no correio.

 

Adenda: Pronto, isto também ganha, ex aequo. Outro cagalhão.

Buraco tapado por Citadina às 15:24
Link do post | Tapa também | Ver comentários (9)
Sexta-feira, 28 de Agosto de 2009

Para fechar a silly season, quero dizer, para fechar a silly season!

Andou por aí uma moda na blogosfera que consistia em nunca usar pontos de exclamação, sob circunstância alguma. Isto significa que teríamos, se quiséssemos estar na vanguarda das tendências (micro-cronistas?), de pensar e escrever carrancudamente e, sobretudo, sem demonstrar entusiasmo em relação a coisa nenhuma.

Aí está um bom exemplo de como lidar demasiadas horas por dia com um computador pode fazer mal às pessoas.

Por isso espero que na reentré, depois de maravilhosas e inesquecíveis festas de arromba, comezainas, bebedeiras, viagens radicais, excitantes visões diárias de corpos escaldantes em trajes menores, noites longas e animadas conversas, essa mania triste, enfadonha e limitada de escrever, com o questionável intuito de passar por uma pessoa muito bem educada, convenientemente contida e de irrepreensíveis maneiras, já tenha passado.

Ou isso ou que, a quem não passou, experimente sair mais vezes de casa, não se isolar tanto, prestar menos atenção ao que a Paula Bobone diz, atrever-se a dançar em público, vestir uma peça de roupa carnavalesca, enfim, qualquer atitude que contrarie esses hábitos chatos e anti-sociais que fazem de um nerd aquilo que ele é.

Buraco tapado por Citadina às 11:22
Link do post | Tapa também | Ver comentários (5)
Sábado, 25 de Julho de 2009

As pessoas opiniosas

Existe um certo tipo de pessoas que têm "A" opinião certa sobre tudo e sobre todos, opinião essa, claro, que não se aplica a si próprios e aos seus. Essa opinião é vinculativa, porque é a certa, e só os opinados estúpidos é que não o percebem. 

 

Pior do que o opinioso, é, sem dúvida, o opinioso moralista. Porque esse, para além de ter a opinião certa sobre os outros, ainda considera que a virtude, a sensatez e o bom senso chegaram a ele e pararam.

 

O opinioso opina sobre tudo o que diz respeito aos outros, ficando perplexo e irascível quando um opinado ousa, como moeda de troca, servir-lhe de espelho e opinar sobre ele também. Sim, porque uma coisa é o opinioso e outra bem diferente o opinado! Nada de confusões.

 

O opinioso é completamente louco e antidemocrático e, se pudesse, obrigaria  todos os opinados a sê-lo também e de forma tão virtuosa e destrutiva quanto a dele. O opinioso gostaria de, tendo vivido catastroficamente  a sua vida,  viver também a vida de todos os opinados da mesma maneira.

 

O opinioso fica muito irritado quando o opinado não acata, não percebe ou ousa contestar a sua opinião. Sim, porque o opinado é um mero atrasado mental que deve seguir cegamente  a opinião vinculativa do opinioso. 

 

Mais! O opinioso sente-se no direito de, sem que o opinado saiba ou opine ele próprio sobre o assunto, opinar sobre a vida da família do opinado junto de cada um dos membros dessa família. Com a persuasão que lhe é conferida pelo grau de irritabilidade e totalitarismo intelectual que a possibilidade de haver outras opiniões ou de a sua opinião poder ser questionada lhe conferem. 

 

É possível que tenha tendência para ser opiniosa, mas felizmente, os meus mais próximos não me deixam e espero que seja sempre assim. Por muito que isso me possa custar quando estou a opinar.

Buraco tapado por Cosmopolita às 12:19
Link do post | Tapa também | Ver comentários (2)
Sexta-feira, 17 de Julho de 2009

E uma farda, não?

Até podia ser o equipamento do Porto, para ser azul e com fibra, não o do campo, mas aquele que eles usam para andar de avião.

Todos iguais, todos irmãozinhos, uma equipa coesa, vencedora, com uma imagem de marca no mercado  e todos esses epítetos que se desejam para uma empresa moderna.

Ou a farda dos Meos, simplesmente, afinal de contas tanto dinheiro investido nessa imagem que podia ser tão melhor capitalizado!

E nada quanto ao corte de cabelo? Isso é que eu acho que está mal, uma pessoa assim não sabe o que há-de fazer e ó se há gente que precisa de orientação nesse aspecto, meu deus!

 

 

Buraco tapado por Citadina às 16:40
Link do post | Tapa também
Quinta-feira, 16 de Julho de 2009

A minha aposta

Alberto João Jardim, com boçalidades fascistas destas, acaba por fazer assinaláveis favores eleitorais à CDU.

Buraco tapado por Citadina às 14:43
Link do post | Tapa também | Ver comentários (1)
Segunda-feira, 6 de Julho de 2009

Que tristeza...

Abro a televisão para ver o telejornal e nem acredito nos meus olhos e ouvidos! Está há 15 minutos a dar na RTP África a recepção de Cristiano Ronaldo no estádio do Real Madrid...

 

Que raio, eu não gosto de futebol e, mesmo que gostasse, neste tempo de crise o que menos interessa é o Cristiano Ronaldo! Mas o povo gosta de circo, este fá-lo esquecer-se do que verdadeiramente importa.

 

E como é fácil alienar a malta! Que tristeza!

Buraco tapado por Cosmopolita às 20:13
Link do post | Tapa também | Ver comentários (3)
Sexta-feira, 3 de Julho de 2009

Joanix na Madeira

Ano de 2009, séc. XXI. As terras lusas estão dominadas por uma força moral avassaladora que erradicou todos os políticos mal-educados do mapa. Todos? Não! Uma pequena ilha resiste ao largo da costa de África Ocidental, onde o seu bravo líder não só fala como gesticula  ao jeito dos mais experimentados arruaceiros. E se ainda não se agarrou aos tomates flectindo o abdómen para frente diante de jornalistas, nesse extraordinário gesto tão típico da nossa cultura popular, é de certeza porque, como qualquer político que se preze reconhecerá, os jornalistas nunca estão no sítio certo à hora certa.

Buraco tapado por Citadina às 17:09
Link do post | Tapa também

O que este país faz às pessoas

Ontem fui-me deitar cedo, exausta, e tive um sonho absolutamente doido em que um Ministro se punha a fazer cornos para um Deputado em plena Assembleia da República, sob a mira de  todas as câmaras televisivas e máquinas fotográficas do País, criando um grave incidente institucional, sendo por isso obrigado a demitir-se e gerando uma subsequente crise governamental a três meses das eleições legislativas, ou seja, já em pré-campanha, acto esse cuja última consequência era entregar o poder à Direita durante os próximos anos.

Vejam lá o disparate, como se fosse possível!

Buraco tapado por Citadina às 11:25
Link do post | Tapa também | Ver comentários (4)
Sexta-feira, 6 de Fevereiro de 2009

A Vida Privada de Salazar - who cares?

Não vi a mini-série (nem sei se já deu) e também não vou ver o filme, mas como a SIC não pára de nos assustar com publicidade a tais produções, eu queria pedir ao Nuno Santos, ou lá quem manda no canal, se ainda é possível, recorrendo a tecnologia avançada, retirar as últimas duzentas camadas de maquilhagem de cima da cara do Diogo Morgado, que é quem faz o papel de António Oliveira, porque assim ele vai-se parecer menos com um morto-vivo e, consequentemente, a série / filme ganhará mais credibilidade, aumentando as hipóteses de convencer alguém que a vida privada de Salazar tinha mais interesse quando ele era vivo do que agora, que está morto. Obrigada.

Buraco tapado por Citadina às 09:56
Link do post | Tapa também | Ver comentários (6)
Sexta-feira, 10 de Outubro de 2008

Dia de nojo

É histriónico (sim, histriónico, vem de histrião, ou seja, homem hipócrita, abjecto pelo seu procedimento; charlatão; comediante; vil, farsante) como é que num país que se diz democrático e se quer justo e progressista, se vota no Parlamento contra a própria Constituição!

 

Buraco tapado por Citadina às 14:04
Link do post | Tapa também

Dezembro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
16
17
18
19
20
25
26
27

Posts por autora

Pesquisa no blog

Subscrever feeds

Outras ruas

Arquivo

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Tags

a vida dos outros(31)

açores e madeira(7)

ambiente e oceanos(21)

aniversários(19)

artes(6)

autarquias(12)

auto-recriações(24)

autores(7)

bem-estar(11)

blogs(73)

capitalismo(8)

catástrofes(4)

charlatonices(2)

cidadania(14)

ciências(3)

cinema(18)

citações(38)

clima(7)

condomínio(2)

curiosidades(26)

democracia(32)

desemprego(13)

desporto(22)

dilectos comentadores(5)

direitos humanos(11)

direitos liberdades e garantias(39)

e-mail e internet(6)

economia(27)

educação(8)

eleições(14)

emigração(5)

empresas(3)

estados de espírito(60)

europa(2)

eventos(33)

excertos da memória(24)

fascismo(9)

férias(25)

festividades(29)

fotografia(12)

gatos(10)

gestão do blog(15)

gourmet(3)

grandes tentações(11)

hipocrisia(3)

homens(6)

homofobia(17)

humanidade(8)

humor(24)

igualdade(20)

impostos(5)

infância(7)

insónia(6)

int(r)agável(25)

intimismos(38)

ivg(17)

justiça(17)

legislação(17)

lgbt(71)

liberdade de expressão(13)

língua portuguesa(7)

lisboa(27)

livros e literatura(21)

machismo(3)

mau gosto(8)

media(3)

mulheres(17)

música(35)

noite(5)

notícias(22)

óbitos(5)

países estrangeiros(19)

personalidades(9)

pesadelos(5)

petróleo(4)

poesia(9)

política(86)

política internacional(30)

por qué no te callas?(9)

portugal(31)

publicações(6)

publicidade(9)

quizes(8)

redes sociais virtuais(9)

reflexões(58)

religião(19)

saúde(6)

ser-se humano(15)

sexualidade(9)

sinais dos tempos(8)

sociedade(45)

sonhos(6)

televisão(23)

terrorismo(4)

trabalho(20)

transportes(7)

viagens(19)

vícios(13)

vida conjugal(17)

violência(4)

todas as tags

Contadores

Quem nos cita