Sexta-feira, 2 de Outubro de 2009

3 Anos - Parabéns Lesboa

Há três anos foi a Duca que me desafiou a ir à Lesboa, "uma coisa nova" que surgia no cenário do entretenimento LGBT da cidade. Desde então, são raras as edições do evento que tenho perdido, evento esse que conquistou por mérito próprio um lugar incontornável como "happening" LGBT de Lisboa.

Hoje a Lesboa já não é uma "coisa nova", mas continua a ser uma coisa boa. Parabéns.

 

Buraco tapado por Citadina às 12:09
Link do post | Tapa também
Quinta-feira, 2 de Julho de 2009

Não notícia

Infelizmente, José Mourinho não chegou ontem a Lisboa ao mesmo tempo que o menino guerreiro dava a sua entrevista televisiva de "I'm back like a nightmare", nem o realizador do noticiário em causa encontrou outro pretexto igualmente relevante para a interromper. Espero que ao menos tenha procurado.

Buraco tapado por Citadina às 12:20
Link do post | Tapa também | Ver comentários (1)
Sexta-feira, 19 de Junho de 2009

É já amanhã

 

Aproveiro para reproduzir aqui um excerto de um texto do Ricardo Santos Pinto, publicado no Aventar há uns dias, que era muito importante que TODA a gente lesse:

 

"(...) Pela primeira vez desde que existe a Marcha, tenho uma filha. E foi então que me ocorreu a seguinte pergunta: devem as famílias heterossexuais participar no evento e levar os seus filhos?
A resposta, como é óbvio, tem de ser positiva. Por várias razões: em primeiro lugar, de forma mais geral, por uma questão de solidariedade para todos aqueles que se vêem na necessidade de mostrar que são iguais aos outros e que reivindicam essa mesma igualdade na lei. De forma mais específica, penso que a formação de uma criança deve incluir o contacto com pessoas que pensam de forma diferente daquelas que normalmente a rodeiam. «Abrir os olhos» para outras realidades, aprender desde cedo a conviver com as diferenças, saber que gostar de pessoas do mesmo sexo é a coisa mais natural do mundo. Ganhar instrumentos para pensar com a própria cabeça quando for grande e ser a favor, se isso corresponder à sua consciência, do casamento gay» ou da adopção de crianças por casais do mesmo sexo.
Não é por isso, descansem os críticos, que ela será mais ou menos heterossexual. (...)"

Buraco tapado por Citadina às 12:07
Link do post | Tapa também
Segunda-feira, 15 de Junho de 2009

Jantar da blogosfera LGBT em Lisboa

Porque várias coisas se meteram no meio (eleições,  destaques do Sapo, férias...) e porque o (meu) tempo não estica, ainda não tinha falado aqui sobre um ponto alto de um fim de semana (ultra)passado, que foi o jantar da blogosfera LGBT, organizado pelos meninos do Devaneios LGBT e gentilmente apoiado pela ILGA Portugal, que cedeu o espaço.

O convívio foi fantástico e o mais interessante foi ver os nicks ganharem rosto, claro. Mas ainda há uma nota extremamente positiva a fazer e que me tocou muito: terem comparecido vários bloggers heterossexuais, rejeitando-se assim uma postura de gueto e transformando a iniciativa numa reunião abrangente e, como tal, muito mais rica.

Venham mais iniciativas destas!

Buraco tapado por Citadina às 12:34
Link do post | Tapa também
Sexta-feira, 29 de Maio de 2009

Re-post: movidos pela igualdade

"Alexandra Lencastre, Alexandre Quintanilha, Ana Bola, Ana Catarina Mendes, Ana Drago, Ana Gomes, Ana Marques, Ana Salazar, Ana Sara Brito, Ana Vicente, Ana Zanatti, Anabela Mota Ribeiro, Anália Torres, André Freire, António Avelãs, António Costa, António Marinho Pinto, António Pinto Ribeiro, Astrid Werdnig.


Bárbara Bulhosa, Bernardo Sassetti, Boaventura de Sousa Santos, Bruno Nogueira, Carlos Fiolhais, Carlos Poiares, Catarina Furtado, Catarina Portas, Clara Ferreira Alves, Dalila Carmo, Dalila Rodrigues, Daniel Oliveira, Daniel Sampaio, Daniela Ruah, David Fonseca, Delfim Sardo, Desidério Murcho, Diana Andringa, Diogo Infante, Duarte Cordeiro, Edite Estrela, Edgar Taborda Lopes, Eduarda Abbondanza, Eduardo Dâmaso, Eduardo Pitta, Eurico Reis.


Fátima Bonifácio, Fátima Lopes, Fernanda Fragateiro, Fernanda Lapa, Fernando Alvim, Fernando Rosas, Fernando Pinto do Amaral, Francisco George, Francisco Teixeira da Mota, Gabriela Moita, Gonçalo M Tavares, Graça Morais, Guta Moura Guedes, Helena Pinto, Helena Roseta, Heloísa Apolónia, Heloísa Santos, Henrique de Barros, Herman José.


Inês Castelo-Branco, Inês de Medeiros, Inês Pedrosa, Irene Pimentel, Isabel do Carmo, Isabel Mayer Moreira, Jamila Madeira, João Gil, João Luís Carrilho da Graça, João Salaviza, José Diogo Quintela, José João Zoio, José Luís Peixoto, José Manuel Pureza, José Maria Vieira Mendes, José Mário Branco, José Saramago, José Wallenstein, Julião Sarmento, Júlio Machado Vaz, Lena Aires, Leonor Xavier, Lídia Jorge, Lígia Amâncio, Lili Caneças, Luís Capoulas Santos, Luís Eloy, Luís Fazenda, Luís Filipe Costa, Luís Miguel Viana, Luís Osório, Mafalda Ivo Cruz, Manuel Graça Dias, Manuel Hermida, Marco Delgado, Margarida Gaspar de Matos, Margarida Vila-Nova, Maria João Luís, Maria João Seixas, Maria Isabel Barreno, Maria Rueff, Maria Velho da Costa, Marta Crawford, Marta Rebelo, Merche Romero.


Miguel Lobo Antunes, Miguel Portas, Miguel Sousa Tavares, Miguel Vale de Almeida, Nuno Artur Silva, Nuno Costa Santos, Nuno Galopim, Nuno Lopes, Nuno Markl, Odete Santos, Patrícia Vasconcelos, Paula Lobo Antunes, Paula Neves, Paulo Baldaia, Paulo Pena, Paulo Pires, Paulo Trezentos, Pedro Calapez, Pedro Marques Lopes, Pedro Nuno Santos, Pêpê Rapazote, Piet Hein Bakker, Ricardo Araújo Pereira, Ricardo Pais, Richard Zimler, Rosa Mota, Rui Cardoso Martins, Rui Pena Pires, Rui Reininho, Rui Rangel, Rui Tavares, Rui Zink, Sérgio Godinho, Sérgio Trefaut, Solange F., Sofia Aparício, Soraia Chaves, Teresa Beleza, Teresa Guilherme, Vasco Rato, Vera Mantero, Vital Moreira, Wanda Stuart, Xana, Zé Pedro.


(Estes são alguns dos mais de 800 900 subscritores do Movimento pela Igualdade e do respectivo manifesto a favor do casamento civil das pessoas do mesmo sexo, um movimento da sociedade civil que será lançado no domingo, dia 31, às 16.00, no Cinema São Jorge, em Lisboa. Mova-se também.)"

 

No Jugular e no DN, pela Fernanda Câncio.

 

Eu e a Cosmo também somos subscritoras e eu estarei no Domingo, no Cinema São Jorge em Lisboa, para assistir à apresentação formal do MPI.

 

Buraco tapado por Citadina às 14:31
Link do post | Tapa também | Ver comentários (2)
Terça-feira, 28 de Abril de 2009

Restaurante Luca

Ciente de que as probabilidades são todas contra os estados de graça durarem muito tempo, aproveito, enquanto é oportuno, para tecer elogios a um restaurante lisboeta, que espero que nunca se estrague: o Luca, na Rua de Santa Marta.
O serviço é ultra atencioso, simpático e profissional (e também tem muitos sotaques e nenhum é português de Portugal, mas eu não sou a Manuela Ferreira Leite para me importar com isso); a ementa é criativa e diversificada; a confecção e qualidade dos pratos (entradas, pratos fortes e sobremesas) é simplesmente excepcional; há um bar de tapas que também é sala de espera e zona de fumo.
Quem chega sem reserva só por milagre não terá de aguardar pacientemente por uma mesa mas é bem recebido e informado com tolerável intervalo de confiança sobre os tempos de espera e, last but not the least, não sendo propriamente barato, os preços são comportáveis e adequados.
Tudo isto é resultado de uma evidente gestão de excelência, com obsessiva atenção aos detalhes e aspirações perfeccionistas no que toca ao essencial.
Pronto. Agora ide lá enchê-los de soberba, ide!
Buraco tapado por Citadina às 16:04
Link do post | Tapa também | Ver comentários (4)
Sexta-feira, 20 de Fevereiro de 2009

É já amanhã!

Buraco tapado por Citadina às 17:51
Link do post | Tapa também
Terça-feira, 27 de Janeiro de 2009

Lesboa

 

A Lesboa Party decidiu, ou assim parece, "saltar" por cima do habitual balanço da festa (de fim de ano) e já está a anunciar a edição de Carnaval.

Boas notícias. Ainda bem que conseguiram aguentar o rombo. E a grande vantagem dos erros é o que muito se aprende com eles.

Quanto ao "esquecido" balanço, em boa verdade ele já tinha sido feito, não lá, mas aqui, portanto agora é passar à frente.

As anteriores edições de Carnaval foram felizes, com destaque para a primeira. Como eu já referi aqui, é mais difícil manter a qualidade que criá-la. Criar qualidade gera expectativas e a gestão destas não é tarefa fácil. Será até, porventura, um desafio só ao alcance dos melhores. É o que desejo que sejam.

Buraco tapado por Citadina às 10:58
Link do post | Tapa também | Ver comentários (2)
Terça-feira, 6 de Janeiro de 2009

Encerrar as festas

As festas terminaram com a pouco concorrida Lesboa Party Passagem de Ano 2008/09 Gold Edition 2.0.

Esta foi, porventura a melhor produção de sempre. Estava simplesmente impecável. Temos de exceptuar aqui a música, que, ao contrário do que é costume, não estava nada de especial. Mas de resto, impressionantemente bom!

Então porque é que a festa foi um fracasso, perguntam vocês? Eu só vejo uma hipótese: o preço dos bilhetes. Sinceramente, nós também não teríamos tido possibilidade de ir se não tivéssemos convites. As entradas eram, em duas palavras, demasiado caras. Poder-se-á sempre contra-argumentar dizendo que as nossas eram circunstâncias particulares, mas será mesmo? Terá sido 2008 um ano financeiramente mau só para mim e para a Cosmo? Sabemos que não. A conjuntura económica prejudicou as intenções de muita gente, tenho a certeza, e estou convencida de que a história teria sido outra se o custo fosse ao nível do que se praticou aqui (aliás, várias fontes nos disseram que a Maria Lisboa estava a abarrotar de gente na passagem de ano).

Assim, a organização da Lesboa deve ter tido um rombo financeiro maior que o do casco do Titanic.

Era possível ter feito uma produção daquelas sem cobrar tanto dinheiro à entrada? Claro que sim! A prova cabal é o facto de a festa se ter realizado. Contar com ovos tão dourados ainda dentro do ânus da galinha é que foi um risco muito mal calculado. Uns ovinhos de prata tinham atraído muito mais gente (ia dizer galinhas, sim, mas contive-me a tempo).

Agora (de novo) a sério, espero francamente que isso não comprometa a continuidade do evento, a Lesboa não merece morrer desta forma. Além dos aspectos relacionados com a viabilidade económica do evento, nunca é demais sublinhar a componente de serviço público ao universo LGBTQ português que a Lesboa tem e presta.

Quanto a quem lá esteve, usufruir de tudo aquilo sem muita azáfama e confusão não terá sido nada mau. Para nós foi óptimo, com o bónus de termos conhecido pessoalmente as simpáticas autoras dos blogs Estrelaminha, ViagemLes e Troca&Tintas.

Um Feliz Ano Novo a@s leitor@s do Azinhaga em particular e aos blogueiros deste país em geral!

Buraco tapado por Citadina às 11:04
Link do post | Tapa também | Ver comentários (9)
Terça-feira, 30 de Dezembro de 2008

Lesboa para começar 2009

 

 

Se este fosse um blog politica ou socialmente correcto eu escreveria agora aqui umas ideiazinhas soft para enterrar de vez o assunto do Natal mas, em vez disso, vou reiterar, para que não se esqueçam daquilo que é a realidade, que o Natal como o conhecemos, na prática,  não passa de uma cagada malcheirosa em três actos.

Festa da família o caralho. Se fosse festa da família, a família TODA participava, a família TODA ajudava. Assim, é só a festa que alguns escravos preparam para uns quantos lordes, que se limitam a sentar-se à mesa a enfardar e a estender o braço para receber prendas, deixando bem claro que não lhes dá absolutamente prazer nenhum estar com a parte escrava da família, para já não falar em colaborar.

E posto isto, eu estou em greve. Não faço mais nada, não organizo mais nada, não cozinho mais nada, não convido mais ninguém lá para casa. Provavelmente vou engolir estas palavras dentro de dois dias apenas mas, até lá, bato no peito como um gorila. Não interessa. Não faço mais nada.

E vou, vejam bem, a uma festa!! Finalmente esta que vos serve vai divertir-se,  numa festa que alguém, que não eu, organizou. Uma festa que vai ter música para eu dançar e, com sorte, até um belos pares de mamas, aconchegados por indumentárias elegantes, para eu admirar e ser infiel em pensamento. Por acaso eu sei que a minha mulher (e o resto da Humanidade) pensa exactamente da mesma maneira por isso poupem-me e deixem lá de se armar em virtuos@s, foda-se para as moralidades, caralho, estou farta.

Mal educada? Mal educada uma merda. Eu pelo menos utilizo os palavrões com propriedade e relevância. E elegância, às vezes, sim, sim, elegância. E muita graça, claro.

Bom, mas isto não é sobre de que é que eu estou farta (embora engane os mais distraídos, tenho consciência) , é sim sobre a festa a que eu vou e que não tenho de organizar. É só pagar e entrar. Nem isso, porque me convidaram, muito simpáticas, as moças (nota mental para depois não vir aqui desancar naquilo, mesmo que seja um nojo, as casas de banho já sei que vão ser mas pronto, não fica bem dizer mal depois de me empanturrar à borla e além disso há sempre a mata, que cheira melhor).

Os lisboetas que queiram tentar recrutar uma lésbica para o menáge à trois (já repararam que "trois" um bocado invertido fica "trios", ah, ah, ah, esta foi boa) que prometeram ao cônjuge como prenda de Natal são muito bem vindos, nós gostamos de vos observar e gozar convosco.

De fora de Lisboa, só as gajas são bem vindas, e lésbicas de preferência. Ou não, Pensando bem, as outras também podem vir. É, venham, venham.

E o que era mais? Era só isso. Eu vou lá estar, e gira, muito gira, e muito bêbeda também, como é costume, afinal esta merda é uma festa ou é uma missa? Acontece que eu sei beber, ninguém nota a não ser por um assinalável incremento qualitativo do meu sentido de humor, pelo menos enquanto se conseguir perceber aquilo que eu digo. Depois disso, farei palhaçadas gestuais igualmente engraçadas.

A ver mas é se não perco o fogo de artifício, que dali de cima deve ser muito romântico.

Buraco tapado por Citadina às 10:37
Link do post | Tapa também | Ver comentários (16)
Sexta-feira, 21 de Novembro de 2008

O prenúncio do caos em Lisboa

Alegrem-se, desta vez ainda não é a sério.

Buraco tapado por Citadina às 10:28
Link do post | Tapa também
Quinta-feira, 9 de Outubro de 2008

Lesboa reveillon

A confirmar-se o que se adianta aqui, ou seja, que a próxima Lesboa está prevista para a noite de Ano Novo, parece-me uma excelente ideia.

Buraco tapado por Citadina às 16:56
Link do post | Tapa também | Ver comentários (3)
Segunda-feira, 29 de Setembro de 2008

Lesboa - II Aniversário

 

Em honra do futuro chumbo parlamentar do próximo dia 10 de Outubro, uma possível leitura política para dress-code branco é haver muita gente que se quer casar e não pode, embora a cor da virgindade ali, seja simbólica, mesmo SÓ simbólica...

Por mim espero que a festa se cubra de todo o espectro de tonalidades e brilho porque a Lesboa está, mais uma vez, de parabéns!

É já na próxima 6ª feira, no belíssimo Pavilhão de Exposições do ISA.

Buraco tapado por Citadina às 14:29
Link do post | Tapa também
Segunda-feira, 25 de Agosto de 2008

Foi Há 20 anos

 

 

Nesse dia acordei às duas da tarde, quando a minha mãe chegou a casa do trabalho. Estava de férias e tinha dezasseis anos. Ela disse-me o que tinha acontecido. Fiquei ali especada, de pijama, a tentar absorver a notícia. Tinha passado esse ano escolar de 87/88 a apaixonar-me por Lisboa, a explorá-la. Lisboa foi a primeira cidade que identifiquei como minha porque ninguém ma impôs como tal, eu é que a quis. Não a herdei, ela não é a cidade dos meus pais. Não nasci cá, mas passei aqui a maior parte da minha vida. Ninguém me levou pela mão a conhecê-la. Fui eu que fiz isso sozinha, quando tinha quinze anos e saí de uma escola dos subúrbios para frequentar o Liceu Pedro Nunes.

Naquele dia de Agosto de 1988, ao ver pela televisão a Baixa ardida, mirrada, destruída, experimentei, chocada, uma nova noção de perda, a perda de identidade cultural.

Buraco tapado por Citadina às 11:42
Link do post | Tapa também | Ver comentários (2)
Sexta-feira, 22 de Agosto de 2008

Salto Alto - aquele bar

(imagem roubada aqui)

 

Os bares dos amigos são, à partida, melhores que os outros nem que seja só porque lá toda a gente sabe o nosso nome, como ilustrava aquela velhinha série televisiva.

A Cátia e a Rita não são nossas amigas íntimas. Mas a Cátia e a Rita (e a Mónica e o Lino) recebem-nos no seu bar com um sorriso aberto e um contentamento genuíno e, sim, tratam-nos pelo nosso nome. E sendo assim, porque não falar em amizade?!

Estes quatro cavaleiros de noites apocalípticas embarcaram na aventura de (man)ter um bar no Bairro Alto que não seja só mais um investimento comercial, e que seja, em vez disso, um compromisso pessoal e um projecto de vida. Especulo, claro, em relação às suas apostas e aspirações, mas arrisco fazê-lo por sentir que não ando muito longe da verdade.

Mas fingindo que não os conheço mesmo e que me são indiferentes o calor e o sorriso com que nos recebem, e aplicando toda a objectividade na crítica, assumo que o entusiasmo me invadiu assim que entrei e me apercebi que é permitido fumar no interior. E nem se nota, vos garanto, graças a um eficiente sistema de extracção de fumos.

A ampla porta aberta ajuda, claro, mas, mais do que isso, ela é a metáfora perfeita da noção de que se é bem-vindo e do acolhimento como estandarte de um espaço de convívio.

A decoração é bem conseguida: de um lado, dois grandes nichos rectangulares, harmoniosamente iluminados rasgam a parede branca com linhas elegantes e alojam os fluídos engarrafados que aguçam o apetite da nossa ebriedade.

Do outro, uma combinação de espaços estilizados: um canto molemente sentado para maior recato, uma parede feérica de pele vermelha, a saída discreta para os lavabos.

Ao fundo, uma pequena pista de dança termina numa parede padronizada com figuras heráldicas. Ao meio, no lugar de honra, estende-se o balcão e as cadeiras altas e tudo isto é coroado pelos arcos de pedra da casa original, que foram mantidos.

Dentro do Salto Alto, a principal sensação com que se fica é de que é fácil a circulação e prazeirosa a permanência. O alto pé-direito consubstancia uma atmosfera respirável e uma impressão de amplitude num espaço que, bem vistas as coisas, não é propriamente enorme. Um paradoxo feliz, portanto.

A música é excelente! O critério na escolha não é de sofisticação nem vanguardismo e, felizmente, também não é dado a new waves nem budhas! Creio que é simplemente um critério de familiaridade, de identificação pessoal, de saudosismo talvez, mas o resultado musical é entusiasmante como, de resto, convém a qualquer bar.

E então, vemo-nos por lá um dia destes?

 

Salto Alto - Rua da Rosa, 159 - Bairro Alto - Lisboa

 

Buraco tapado por Citadina às 12:34
Link do post | Tapa também | Ver comentários (1)
Segunda-feira, 30 de Junho de 2008

LGBT em Portugal: de onde vimos e para onde vamos?

Andei, na Internet, à procura de reacções à Marcha do Orgulho LGBT 2008 e Arraial Pride de Lisboa.

Não encontrei nada extremamente interessante, devo dizer, pelo menos nada que fosse além das etiquetas "marco histórico", "visibilidade" e "festa". Talvez ainda seja muito cedo (ainda não passaram dois dias) ou talvez o evento se tenha resumido - sem subestimações implícitas, uma vez que as referidas qualificações não deixam de ter o seu valor - a isso mesmo.

No entanto, inclino-me a julgar que os debates mais empolgantes sobre o tema se dão a um nível com uma visibilidade porventura menos imediata, mas que a mereciam toda.

É o caso das reflexões consignadas neste texto assinado por Sérgio Vitorino, que originaram esta reacção analítica e construtiva de Miguel Vale de Almeida.

Qualquer dos textos é um marco no pensamento filosófico, antropológico e social sobre a temática LGBT em Portugal e dão-nos, ambos, a oportunidade rara de "beber" do confronto de ideias de dois dos mais importantes activistas portugueses pelos direitos LGBT.

 

Adendas:

aqui um texto que apresenta uma interessante prespectiva sobre os slogans da Marcha, com a qual, aliás, eu estou plenamente de acordo.

 

E para  este  post vai o primeiro prémio na categoria "nota de humor" (via Da Literatura).

Buraco tapado por Citadina às 14:41
Link do post | Tapa também | Ver comentários (3)
Segunda-feira, 26 de Maio de 2008

Lesboa VIII: o bom, o mau e o cómico

O bom: a música. Nunca esteve tão boa, que eu me lembre. Acertaram em cheio, cá para os meus gostos, parabéns!

O mau: as casas de banho químicas. Ou deveria dizer as casas de banho radioactivas? O que é aquilo, minha gente?! Antes a mata que tal sorte, a sério, sempre é mais arejada e até estava um luar inspirador. De resto não houve nada verdadeiramente mau, pelo menos para quem tenha sentido de humor.

O cómico: aqui a lista é extensa. Entrava-se desde logo para um picadeiro imenso e subaproveitado mas isso, tenho a certeza, deveu-se a problemas de agenda dos foliões de Pamplona que ainda estariam a recuperar das largadas de touros deste ano, mas o lugar tinha potencial para correrias bem velozes na tentativa de salvar a vida.

Quanto a actividades mais íntimas, como é óbvio faltaram uns arbustos. Com um frio assinalável e um descampado daqueles aposto que ninguém conseguiu encontrar um lugar suficientemente acolhedor dentro do recinto para ser apanhado com a boca na botija, o que retira sempre uma certa emoção a estas reuniões. E assunto para falar no dia seguinte, como é?!

A barraca transparente poupava na sinaléctica, via-se perfeitamente da Praça do Comércio que a festa era ali. Aliás, caso um cigarro tivesse acidentalmente entrado em contacto com alguma das "paredes", tenho a certeza que se veria muito bem do Cabo Espichel, numa alegre antecipação das fogueiras de S. João e Deus sabe como tinha sabido bem algum calorzinho naquela noite fria.

Algum parolo com necessidades extremas de atenção foi de limousine branca de dez metros alugada, mas ainda bem porque nestes sítios é sempre bom ter alguém com quem gozar e é muito útil como assunto para meter conversa com desconhecidos, para quebrar o gelo, encetar engates e essas coisas. Um verdadeiro serviço público.

Os tapetes que pediram emprestados ao Circo Cardinalli foram muito úteis como "lama free zone" para as parvas que resolveram levar sapatos bons em geral e saltos altos em particular.

Em suma: diverti-me muito. Foi, de facto, a Lesboa mais cómica jamais organizada. O que prova que é quando a organização mais se esforça por não ser levada a sério que melhor consegue divertir o público da festa. É uma estratégia de sucesso tão legítima como outra qualquer, minha gente!

 

(Foto roubada aqui).

Buraco tapado por Citadina às 16:23
Link do post | Tapa também | Ver comentários (15)
Segunda-feira, 5 de Maio de 2008

Lesboa: após a consagração, que fazeis pela manutenção?



Estamos em mês de Lesboa Party. Para a VIII edição, a Entre Vírgulas, empresa organizadora do evento, escolheu o cartaz em cima reproduzido.

Não obstante existir uma espécie de ligação emocional generalizada ao Pavilhão de Exposições do Instituto Superior de Agronomia, acho positivo que a organização experimente novos espaços. Umas vezes sai-se melhor, outras pior, mas quand même, é bom e pedagógico variar. Desta vez propõe-se um espaço ultra avant-garde em conceito, mas que deixa algumas questões no ar sobre como responderá em termos de funcionalidade e conforto. A organização ainda não divulgou se haverá multibanco, quantas casas de banho estarão disponíveis e quantos bares, se haverá snacks à venda e se se acomodarão zonas sentadas suficientes, items que constituem os habituais calcanhares de Aquiles das edições anteriores. Esperemos para ver.

O elenco está a ser dissecado no blog da Lesboa, obviamente para promover uma escolha de ilustres desconhecidos, por muito que a organização o negue. No entanto, verdade seja dita, os "cabeças de cartaz" nunca foram um elemento determinante na afluência do público. As pessoas vão à Lesboa pelo conceito e não para ver o espectáculo de música ao vivo que vem por acréscimo na compra do bilhete. Nesse capítulo, já houve edições em que nomes sonantes foram uma estrondosa desilusão e já houve outras em que desconhecidos levaram o público ao rubro (não foi o caso da última edição, em Monsanto, onde uma banda brasileira fez esperar e desesperar até às 4 da manhã para se limitar a desiludir numa actuação medíocre e que, depois de tanta espera ansiosa, pareceu durar uns meros 10 minutos). De qualquer modo, se por um lado a animação é essencial num evento deste tipo, por outro as escolhas não têm sido determinantes nem aglutinadoras. Ou seja: se a organização pretende capitalizar a adesão por essa via, terá de fazer (bem) melhor.

A confiar nos números divulgados pela Entre Vírgulas (e eles lá devem saber quantos bilhetes vendem e quantas pessoas "carimbam" à entrada), os níveis de frequência, grosso modo, têm sido os seguintes:

Lesboa I (30 de Setembro de 2006, Gare Marítima de Alcântara): 1500 pessoas (eram esperadas 800);
Lesboa II (2 de dezmbro de 2006, Pavilhão de Exposições do ISA): 1200 pessoas;
Lesboa III (17 de Fevereiro de 2007, edição de Carnaval, Pavilhão de Exposições do ISA): 1700 pessoas;
Lesboa IV (5 de Maio de 2007, Armazém C2, Docas de Alcântara): 1600 pessoas;
Lesboa V (30 de Junho de 2007, Quinta Pau de Bandeira, Pragal, Almada):  900 pessoas;
Lesboa VI (28 de Setembro de 2007, comemoração do 1º aniversário da Lesboa, Pavilhão de Exposições do ISA): 1600 pessoas;
Lesboa VII (4 de Fevereiro de 2008, edição de Carnaval, Quinta de Casal de Paulos, Monsanto): 1100 pessoas.

Daqui podem tirar-se algumas ilações e reflexões:

Logo desde a primeira edição se constatou que há um espaço a explorar ao nível dos eventos (não políticos) dirigidos à comunidade lgbt em geral e às lésbicas em particular. Este aspecto é importante porque até dentro da comunidade lgbt as mulheres parecem estar remetidas para segundo plano em termos de opções (ou falta delas) sociais de lazer e convívio. Nesse aspecto, o nome do evento é dos mais bem conseguidos em várias décadas, a nível nacional e internacional.

Com a segunda edição veio a desmistificação do receio de "fenómeno isolado" e a consagração como evento de referência na comunidade lgbt. A Lesboa Party é, hoje me dia, a festa lgbt da cidade, sendo que este é um "trono" que traz responsabilidades.

A Lesboa conseguiu afirmar-se como um dos melhores (se não o melhor) programas de Carnaval na cidade de Lisboa, já com duas edições bem sucedidas (Lesboa III e Lesboa VII), ocupando hoje um espaço considerável nesse nicho que pelos vistos tem mercado para além dos tradicionais desfiles.

Lesboa Parties fora de Lisboa, como foi a edição V, em Almada, não parecem cativar a adesão do público. Eu pessoalmente não percebo porquê, até porque neste caso específico me constou que o local foi muito bem escolhido do ponto de vista da beleza, comodidade e adequação ao evento. Mas enfim, como anteriormente referi, há os factores emocionais a considerar e aqui terão sido eles a criar uma certa rejeição à ideia. Outro factor que pode ter vaticinado a menor frequência de sempre terá sido a (péssima) escolha da data, que coincidiu com o Europride 2007 em Madrid, provocando uma lamentável (e evitável) dispersão do público-alvo.

Sendo assim e no que toca à oitava edição, será maximizador da afluência fazer a festa no meio de um fim de semana prolongado? É o que veremos. Eu tenho as minhas dúvidas, sendo que não estamos exactamente no Carnaval e especialmente levando em conta a avidez por sol e mar com que muita gente anda. Eu diria que a escolha desta data comporta um risco desnecessário. Este tipo de erro, a comprovar-se, não será o primeiro pelo que deixa de ser aceitável e pode sair muito caro a uma marca que custou tanto a construir e é tão importante no panorama lgbt da cidade de Lisboa e do país.

Na tag "eventos" deste blog poderão encontrar tudo o que eu disse em posts passados sobre a Lesboa Party.

Buraco tapado por Citadina às 10:58
Link do post | Tapa também | Ver comentários (6)
Quinta-feira, 6 de Março de 2008

Há esperança ao fundo do túnel

Mas parece que o túnel só estará pronto daqui a dez anos. Entretanto, e enquanto esperamos, podemos sempre ir aferindo a urgência na conclusão do projecto através deste vídeo e de outros igualmente ilustrativos.

Câmara de Lisboa quer construir quatro reservatórios e um túnel no valor de 200 milhões de euros.

A construção de quatro grandes reservatórios e um túnel entre a Almirante Reis e Santa Apolónia tem um custo estimado entre 160 e 200 milhões de euros, de acordo com o vereador Marcos Perestrello. A obra tem por objectivo a prevenção das cheias.

"Temos a percepção que será necessário um investimento na ordem dos 200 milhões de euros, que deve ser realizado no período de 10 anos", disse o autarca.

Buraco tapado por Citadina às 12:05
Link do post | Tapa também | Ver comentários (1)
Sexta-feira, 29 de Fevereiro de 2008

Da série Para mais tarde recordar

Contrariando o meu receio expresso aqui, o Presidente em exercício da Câmara Municipal de Lisboa defende um segundo pulmão verde para a cidade. A ver se as boas intenções sobrevivem até à hora da verdade...

"Para o presidente da autarquia lisboeta, quando a Portela for liberta do aeroporto, parte do espaço deve ser transformada num pulmão verde, para garantir que não é utilizada em «especulação urbanística»."





(Imagens descaradamente roubadas ao Viver na Alta de Lisboa).
 
Buraco tapado por Citadina às 12:10
Link do post | Tapa também | Ver comentários (2)

Dezembro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
16
17
18
19
20
25
26
27

Posts por autora

Pesquisa no blog

Subscrever feeds

Outras ruas

Arquivo

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Tags

a vida dos outros(31)

açores e madeira(7)

ambiente e oceanos(21)

aniversários(19)

artes(6)

autarquias(12)

auto-recriações(24)

autores(7)

bem-estar(11)

blogs(73)

capitalismo(8)

catástrofes(4)

charlatonices(2)

cidadania(14)

ciências(3)

cinema(18)

citações(38)

clima(7)

condomínio(2)

curiosidades(26)

democracia(32)

desemprego(13)

desporto(22)

dilectos comentadores(5)

direitos humanos(11)

direitos liberdades e garantias(39)

e-mail e internet(6)

economia(27)

educação(8)

eleições(14)

emigração(5)

empresas(3)

estados de espírito(60)

europa(2)

eventos(33)

excertos da memória(24)

fascismo(9)

férias(25)

festividades(29)

fotografia(12)

gatos(10)

gestão do blog(15)

gourmet(3)

grandes tentações(11)

hipocrisia(3)

homens(6)

homofobia(17)

humanidade(8)

humor(24)

igualdade(20)

impostos(5)

infância(7)

insónia(6)

int(r)agável(25)

intimismos(38)

ivg(17)

justiça(17)

legislação(17)

lgbt(71)

liberdade de expressão(13)

língua portuguesa(7)

lisboa(27)

livros e literatura(21)

machismo(3)

mau gosto(8)

media(3)

mulheres(17)

música(35)

noite(5)

notícias(22)

óbitos(5)

países estrangeiros(19)

personalidades(9)

pesadelos(5)

petróleo(4)

poesia(9)

política(86)

política internacional(30)

por qué no te callas?(9)

portugal(31)

publicações(6)

publicidade(9)

quizes(8)

redes sociais virtuais(9)

reflexões(58)

religião(19)

saúde(6)

ser-se humano(15)

sexualidade(9)

sinais dos tempos(8)

sociedade(45)

sonhos(6)

televisão(23)

terrorismo(4)

trabalho(20)

transportes(7)

viagens(19)

vícios(13)

vida conjugal(17)

violência(4)

todas as tags

Contadores

Quem nos cita