Terça-feira, 6 de Outubro de 2009

Estação Cronográfica

Dado o meu absoluto fascínio por relógios, é entusiasmante descobrir blogs como este.

(Embora a maior parte do tempo não me interesse nada saber que horas são, por medo das más notícias que chegarão, é certo, mas quanto mais tarde melhor. É um entusiasmo estético, contemplativo, já me quiseram prender por olhar ostensivamente para o pulso de alguém, seria técnico se eu percebesse alguma coisa do assunto, que não é o caso, mas enfim, gosto, como dizia o outro.).

Tags: ,
Buraco tapado por Citadina às 15:32
Link do post | Tapa também | Ver comentários (5)
Sexta-feira, 10 de Julho de 2009

Das manadas

Um dos mais observados - e tristes, diga-se de passagem - comportamentos de grupo é a legitimação por via d' "o pessoal". Funciona assim: se  "o pessoal" diz todo que alguém é [preencher com classificativo conveniente], eh pá, então... é porque é!

Buraco tapado por Citadina às 13:59
Link do post | Tapa também | Ver comentários (6)
Quarta-feira, 1 de Julho de 2009

Ser português - um desabafo caricatural social

Quando tento caracterizar a mentalidade lusitana - e não tento muitas vezes para não me chatear - não consigo deixar de chegar à conclusão que ser português é, acima de tudo, ser desconfiado. É desconfiar de tudo e de todos. É ver intenções duvidosas em toda e qualquer pessoa, intriga e propósitos dissimulados em qualquer conversa. É interpretar da forma mais alucinada possível as palavras e as acções dos interlocutores, sejam meros desconhecidos ou amigos de longa data, não interessa o grau de proximidade ou até mesmo de parentesco, o que interessa é arranjar motivos para se criticar, julgar e condenar sumariamente (quase sempre pelas costas, claro, que a coragem é uma qualidade rara).

E essa tendência observa-se em qualquer lugar e é cega a classes sociais, níveis escolares, crenças religiosas, tonalidade da pele e volume do saldo bancário. Basta ser português.

 

Mas há dias em que tenho a certeza que ser português não é  só ser desconfiado. Ser português é ser paranóico, é ser um doente social com uma constante e aflitiva mania da perseguição, é ter uma profunda e inabalável convicção de que não se pode, de facto, confiar em ninguém, é ser viciado em irracionalidade. É, no fundo, gostar de ser a eterna vítima. Uma vítima passiva-agressiva que não hesita em considerar-se o centro e a razão do Universo e, como tal, defender-se de  ataques  de mosquitos com bombas atómicas. Sounds familiar?

Buraco tapado por Citadina às 14:48
Link do post | Tapa também | Ver comentários (4)
Terça-feira, 21 de Abril de 2009

Moçambique - o país dos procrastinadores

Olá malta!

Há muito que não dou novidades, mas antes tarde que nunca. Tenho andado muitíssimo ocupada, até porque aqui há condicionantes que requerem bastante tempo extra... Para ilustrar o assunto, um trecho de um post publicado no sempre excelente De Rerum Natura:

 

"O bom procrastinador adia por adiar. Para logo, porque não lhe apetece fazer agora. E como passou a oportunidade hoje, talvez amanhã. Porém, como amanhã também não apetece, irá adiar com promessas, para depois de amanhã, ou para mais tarde. Da semana que vem não passa, e jura. Mas passa. O problema é que o vazio de não fazer, vai ficando cheio com um fardo pesado, um mal-estar, enfim, um remorso - sentimento algo em desuso, mas como palavra ainda consta no dicionário. O problema manifesta-se em todos os sectores, é mais intenso em algumas culturas e ataca mais em certos climas. Mas afecta a vida de todos e tem enormes implicações sociais e económicas."

Buraco tapado por Cosmopolita às 17:10
Link do post | Tapa também | Ver comentários (2)
Terça-feira, 24 de Março de 2009

O meu Meo e a Angelina Jolie

Para vos dar uma ideia que quão alheada eu posso ser em relação à chamada "cultura lésbica", até ontem à noite nunca tinha ouvido falar num filme chamado "Gia", em que Angelina Jolie desempenha o principal papel, representando uma top model fora de série e lésbica, afinal o sonho molhado da maioria das mulheres atraídas sexualmente por outras mulheres.

A película é baseada numa história verdadeira, ou melhor, numa pessoa que existiu mesmo. Essa mulher, Gia Maria Carangi, encantou as passerelles no fim dos anos setenta e primeira metade dos anos oitenta do século passado, tendo sido toda a sua vida adulta objecto de explorações várias, inclusivé as decorrentes de uma forte dependência de drogas duras, tendo sucumbido aos vinte e seis anos de idade, em 1986, vítima do flagelo da SIDA.

Pois bem, ontem à noite, num canal que se Chama "Fox: Next", do qual também nunca tinha ouvido falar até ter recentemente instalado o Meo, deleitei-me com um verdadeiro festival estético, tão estético quão bonita pode ser uma mulher em cada detalhe físico seu. E horrorizei-me com a armadilha que a beleza  extrema pode constituir, não no sentido de ser à priori prejudicial ser-se bel@,  muito menos no sentido de uma alusão demoníaca da beleza, tão clássica [a alusão] afinal, porque não é nada disso, nem neste caso as portas que a extraordinária beleza lhe abriu e o que lhe proporcionou foram o que a foi matando aos poucos, mas sim a ilusão de poder que ser bel@ dá a alguém, a essa pessoa e só a ela própria, uma tentação irresistível de cair na falácia de se achar sobrehuman@, impermeável a inseguraças e outras fragilidades, uma noção fantasiosa de domínio e influência muito perigosas para ela, mas também para quem lhe é emocionalmente próximo. Porque, se parece que toda a gente quer as pessoas belas, que toda a gente as solicita, alimentando-lhes o ego e a auto-estima, a realidade é que a grande maioria das pessoas apenas as quer possuir para alimentar o seu próprio ego, usá-las e deitá-las fora assim que aparece um melhor sucedâneo.

No fim, toda a gente se lembra dela, mas raros são os que vão sentir a sua falta e é este o epílogo de uma vida infeliz.

Buraco tapado por Citadina às 11:36
Link do post | Tapa também | Ver comentários (2)
Terça-feira, 13 de Janeiro de 2009

Dicionário

Eu consulto muito o dicionário. Aliás, eu adoro consultar o dicionário. Vários dicionários. Pode parecer uma coisa chata, mas acreditem, é espectacular.

Normalmente, a premência da consulta instala-se quando me cruzo com palavras que conheço bem, mas não ao ínfimo detalhe. Isto não sucederá amiúde a quem não tenha o hábito de ler, mas a quem tenha e ainda por cima seja obsessivo-compulsivo, há que dizer com frontalidade, corre-se o risco.

Por exemplo: "neurótico". Toda a gente sabe o que significa neurótico, mas quantos de vocês, estimados leitores, podem afirmar que conhecem a fundo a classificação gramatical, etimologia, sinónimos e aplicações correctas da palavra?

Eu tive que ir ver se neurótico era mesmo o que eu pensava quando li um texto que mencionava "almoços neuróticos", mas no dicionário, e achei isto uma lacuna assinalável, não vem referência nenhuma ao meu ambiente profissional...

Buraco tapado por Citadina às 10:14
Link do post | Tapa também | Ver comentários (5)
Terça-feira, 18 de Novembro de 2008

Gostava tanto de não gostar...

... de fumar.

Tags:
Buraco tapado por Citadina às 14:21
Link do post | Tapa também | Ver comentários (3)
Sexta-feira, 25 de Janeiro de 2008

Smoke

A grande novidade deste ano, até ver, em jeito de sinal dos tempos, é mesmo ter deixado de escolher restaurantes com base em critérios de qualidade gastronómica e ter passado a frequentá-los na condição de existir um determinado e reconfortante rótulo azul à porta.
Tenho esperança que me passe este estado de dependência rapidamente - só este específico, que das minhas outras dependências acontece que gosto - mas por enquanto, é assim que tem de ser.

Buraco tapado por Citadina às 10:02
Link do post | Tapa também | Ver comentários (5)
Sexta-feira, 18 de Janeiro de 2008

Fim adiado para as minhas noites boémias

Discotecas ficam fora da proibição de fumar. O bom senso prevalece, enfim.

Buraco tapado por Citadina às 09:56
Link do post | Tapa também | Ver comentários (2)
Segunda-feira, 30 de Julho de 2007

Últimos efeitos (de calor e álcool)

Havia pó, uma muito densa nuvem de pó e, dentro do pó, a casa. Num início de tarde de extremo calor o vento desfaleceu e pôde-se finalmente ver as pereiras que ladeavam a escadaria exterior do solar, assim como os três cães presos a elas por correntes, mortos de fome e sede. Foi nesse preciso momento que chegámos. De repente, estávamos lá, como aparições sobrenaturais, estáticas, de pernas e braços entreabertos, ombros retesados, lado a lado. Os cães já não ladravam há uns dias, mas assim que nos viram levantaram-se num salto e assassinaram-nos com o olhar. Começaram a ladrar furiosamente, espumando aos cantos da boca, escorrendo raiva pelos caninos, e apesar de ser incerto se nos consideravam comida ou cruéis, tive medo pelas duas razões.
Em todas as casas de que não me esqueci há uma figueira. E eu que nem gosto de figos. Nesta também. Entrei por debaixo dela, que envolvera o portão há muito, ou o espaço onde havia o portão de ferro forjado, agora caído sobre as raízes que desconjuntaram o muro onde se fixavam as charneiras. Nunca tirei os olhos dos cães, que davam esticões tresloucados às correntes, e eu não sabia quanto mais elas iam aguentar. Mas avancei. Avançámos, tu um passo atrás de mim. Se se soltassem ficaríamos retalhadas em segundos. Não havia para onde fugir. Não tínhamos a chave da casa e sabíamos que não havia ninguém para nos abrir a porta. Não conseguiríamos subir à figueira a tempo, quanto mais alcançar o carro, parado lá em baixo, no princípio do acesso.
Foi então que levei o primeiro tiro. Atingiu-me no antebraço esquerdo. Voltei-me com a força do impacto e dei de caras com os teus olhos emancipados das órbitas pelo choque e pela surpresa. Tentaste amparar-me, proteger-me. Acompanhaste-me na descida até ao chão. Deitei-me e tu apoiaste-me a cabeça no regaço. Os cães calaram-se. O velho apareceu, com a espingarda apontada a nós. Ninguém dizia nada. Não me doía, mas queimava. Silêncio. Silêeencio...
Não. Um telefone tocava. Tocava. Tocava. O velho também ouvia. Voltou lentamente a cabeça na direcção do som, mas não a arma. Olhou-me de novo. E BANG! Estremeci violentamente, tentando ao mesmo tempo perceber onde este me tinha atingido. Dobrei-me como uma mola e fiquei sentada.
Depois de recuperar o fôlego, sequei a testa com as costas da mão esquerda e desliguei o despertador com a direita.
Buraco tapado por Citadina às 18:33
Link do post | Tapa também | Ver comentários (4)
Sexta-feira, 20 de Abril de 2007

Snapshot no escritório

- Desculpa lá mas o chefe apareceu de repente e eu tive de sair.

- Deixa lá, de qualquer forma tinhas um jogo de merda.

Buraco tapado por Citadina às 15:32
Link do post | Tapa também
Quinta-feira, 12 de Abril de 2007

Why do I keep doing this to myself?

A única informação que estou em condições de assimilar neste momento é que infelizmente não posso tomar mais nenhum Guronsan hoje, além dos três anteriores, que por sinal ainda não me fizeram nada de assinalavelmente positivo (a diarreia já a tinha).
E porquê? Porque eu tenho esta estúpida mania de, mais amiúde do que seria compreensível, me comportar como se tivesse 17 anos, não trabalhasse, estudasse mas ainda não na faculdade, não tivesse portanto compromissos nem responsabilidades de maior e tivesse uma resistência física à prova de bala.
Mas não, a vida já não é assim e estas noitadas de exageros vários (os alcoólicos então...) a meio da semana fazem-me pagar caríssimo o meu desvario adolescente, e no dia seguinte tenho mesmo que me levantar e arrastar-me penosamente para o escritório, independentemente de ter passado metade da noite estreitamente abraçada à retrete* e de ter acordado ainda vestida da cintura para cima com a mesma roupa de ontem.

*Expressão da autoria da minha querida Cosmopolita (amor vem tratar de mim, please!)

Tags:
Buraco tapado por Citadina às 14:09
Link do post | Tapa também | Ver comentários (10)
Domingo, 7 de Janeiro de 2007

Há dias que começam às seis da tarde...

Depois do Rali Dakar seguido de noitada até ao amanhecer, o meu Domingo será... mais curto.

E nada lúcido. Quando essa útil faculdade me regressar ao cérebro, fica prometido slide show do espectáculo motorizado.

Buraco tapado por Citadina às 21:13
Link do post | Tapa também | Ver comentários (2)

Dezembro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
16
17
18
19
20
25
26
27

Posts por autora

Pesquisa no blog

Subscrever feeds

Outras ruas

Arquivo

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Tags

a vida dos outros(31)

açores e madeira(7)

ambiente e oceanos(21)

aniversários(19)

artes(6)

autarquias(12)

auto-recriações(24)

autores(7)

bem-estar(11)

blogs(73)

capitalismo(8)

catástrofes(4)

charlatonices(2)

cidadania(14)

ciências(3)

cinema(18)

citações(38)

clima(7)

condomínio(2)

curiosidades(26)

democracia(32)

desemprego(13)

desporto(22)

dilectos comentadores(5)

direitos humanos(11)

direitos liberdades e garantias(39)

e-mail e internet(6)

economia(27)

educação(8)

eleições(14)

emigração(5)

empresas(3)

estados de espírito(60)

europa(2)

eventos(33)

excertos da memória(24)

fascismo(9)

férias(25)

festividades(29)

fotografia(12)

gatos(10)

gestão do blog(15)

gourmet(3)

grandes tentações(11)

hipocrisia(3)

homens(6)

homofobia(17)

humanidade(8)

humor(24)

igualdade(20)

impostos(5)

infância(7)

insónia(6)

int(r)agável(25)

intimismos(38)

ivg(17)

justiça(17)

legislação(17)

lgbt(71)

liberdade de expressão(13)

língua portuguesa(7)

lisboa(27)

livros e literatura(21)

machismo(3)

mau gosto(8)

media(3)

mulheres(17)

música(35)

noite(5)

notícias(22)

óbitos(5)

países estrangeiros(19)

personalidades(9)

pesadelos(5)

petróleo(4)

poesia(9)

política(86)

política internacional(30)

por qué no te callas?(9)

portugal(31)

publicações(6)

publicidade(9)

quizes(8)

redes sociais virtuais(9)

reflexões(58)

religião(19)

saúde(6)

ser-se humano(15)

sexualidade(9)

sinais dos tempos(8)

sociedade(45)

sonhos(6)

televisão(23)

terrorismo(4)

trabalho(20)

transportes(7)

viagens(19)

vícios(13)

vida conjugal(17)

violência(4)

todas as tags

Contadores

Quem nos cita