Segunda-feira, 12 de Maio de 2008

Poema narcótico

Ontem comecei a sonhar algum tempo antes de adormecer.

Sonhei que os anos 80 me perseguiam a alta velocidade, num veículo de vidros fumados onde se escondiam todas aquelas modas carentes de sentido estético e sobriedade psicotrópica.

Acordei sobressaltada ainda antes de cair no primeiro sono.

Constatei que não era sonho, era a realidade a acontecer no meu quarto: a minha mulher dizia-me que tinha encontrado numa velha agenda um poema que (lhe?) escrevi há anos e que era muito bonito.

"O que dizia o poema?"

Não sabia. Deu-me um comprimido para dormir e diz que o recitei toda a noite.

Hoje de manhã acordei com a cara inchada, mas (ainda) não me lembrava de nada.

Buraco tapado por Citadina às 15:38
Link do post | Tapa também
15 comentários:
De Ferónica a 12 de Maio de 2008 às 21:33
Ando sem tempo para passar todos os dias pela azinhaga. Desta vez , mais uma vez, apareci na hora certa. A do narco poema.
Ferónica
De Citadina a 13 de Maio de 2008 às 16:59
Mas quando passas enches-nos a rua com as luzes psicadélicas da vaidade e do orgulho
E como vai essa recuperação?
Beijinhos!
De Ferónica a 13 de Maio de 2008 às 23:46
E isso não serão demasiados foguetes para uma tão simples transeunte?
A recuperação está a correr bem. Lenta, mas a avançar no bom caminho.
[Error: Irreparable invalid markup ('<br [...] <a>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

E isso não serão demasiados foguetes para uma tão simples transeunte? <BR>A recuperação está a correr bem. Lenta, mas a avançar no bom caminho. <BR class=incorrect name="incorrect" <a>Obg</A>
De Citadina a 14 de Maio de 2008 às 10:39
"Demais" não é o meu middle name, como não acredito que "simples" seja o teu...
De Observador a 13 de Maio de 2008 às 14:51
De vez em quando acontece-me uma coisa parecida.
Há causas, claro.
Mas de que adianta procurá-las se, com isso, o sono se afasta mais?

Diz-me que comprimido a Cosmopolita te deu.
Sempre posso experimentar.

Bjs
De Citadina a 13 de Maio de 2008 às 17:08
Não sei se o comprimido se chamava Herdade dos Grous Reserva 2004 ou 2005... Olha, agora é que eu não sei...
Venha o diabo e escolha!
De A metade a 13 de Maio de 2008 às 20:26
Como acabei por ler esta entrada após a da sessão de terapia, pergunto-me se vale a pena pensar numa desintoxicação, numa reunião dos Líricos Anónimos (se calhar eu é que preciso) em vez de terapia freudiana... freud já era e temos tido terapias de choque quante baste desde oa anos oitenta. Espero que o sarcasmo não te tenha impedido de ter sonhos cor-de-rosa. Sempre gostei da tua capacidade de desconcerto.
De Citadina a 14 de Maio de 2008 às 10:56
Pois precisamente AGORA é que eu consigo ter sonhos cor-de-rosa! Mesmo que sejam um bocadinho sarcásticos. Já sabes que o sarcasmo é para mim uma forma de humor irresistível, mas felizmente com a idade tenho aprendido a orientá-lo melhor (digo eu, enfim, vale o que vale).
Isso dos Líricos Anónimos é que é uma excelente ideia! Há que admitir que é preciso um pouco mais de sociedade americana na Europa em certos aspectos e essa cena dos grupos anónimos é um deles! Sempre achei hiper-fixe a ideia de reunir malucos com motivações idênticas, é uma excelente forma de conhecer pessoas interessantes! Ou, no pior dos cenários, rirmo-nos a bandeiras despregadas.
De Cosmopolita a 14 de Maio de 2008 às 11:12
Boa, essa dos Líricos Anónimos! Mas proponho que em vez da terapia tradicional de desintoxicação, inovemos e façamos uma terapia de intoxicação. Sempre será mais divertido e saudável!
De Citadina a 14 de Maio de 2008 às 11:18
É o que eu digo! Juntar malucos com motivações idênticas é que dá, muitas vezes até acaba em casamento!
De A metade a 14 de Maio de 2008 às 13:06
A minha metade (assim é um quarto) a mais lírica funciona à velocidade da luz. Juntando a ideia da intoxicação, do vinho e do Vasco Graça Moura (deve tocar piano e falar francês) aparece uma das minhas referências de sempre: Baudelaire e o célebre: Enivrez-vous, que começa assim e traduzindo: "Embebedai-vos/Embriagai-vos... è preciso estar todos os dias bêbado/embriagado...." veja-se em:
www.poetry.eserver.org/enivrez-vous.html
a tradução fica por vossa conta.
È preciso estar um pouco assim ou se goza ou se dá em maluco...


De Citadina a 14 de Maio de 2008 às 14:18
Ora nem mais!
De Observador a 14 de Maio de 2008 às 19:12
Fico sem direito a resposta?

:(
De Citadina a 15 de Maio de 2008 às 12:10
Como assim, Observador?!
Não só obtiveste resposta como foste dos primeiros a quem respondi:

"Não sei se o comprimido se chamava Herdade dos Grous Reserva 2004 ou 2005... Olha, agora é que eu não sei...
Venha o diabo e escolha!"

Sou eu que ainda estou sob o efeito do narcótico, ou és tu que não estás a "observar" como deve ser?
De Observador a 16 de Maio de 2008 às 19:14
Pois ...
Peço desculpa pela minha distracção.

Buenas tardes

Comentar post

Dezembro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
16
17
18
19
20
25
26
27

Posts por autora

Pesquisa no blog

Subscrever feeds

Arquivo

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Tags

a vida dos outros(31)

açores e madeira(7)

ambiente e oceanos(21)

aniversários(19)

artes(6)

autarquias(12)

auto-recriações(24)

autores(7)

bem-estar(11)

blogs(73)

capitalismo(8)

catástrofes(4)

charlatonices(2)

cidadania(14)

ciências(3)

cinema(18)

citações(38)

clima(7)

condomínio(2)

curiosidades(26)

democracia(32)

desemprego(13)

desporto(22)

dilectos comentadores(5)

direitos humanos(11)

direitos liberdades e garantias(39)

e-mail e internet(6)

economia(27)

educação(8)

eleições(14)

emigração(5)

empresas(3)

estados de espírito(60)

europa(2)

eventos(33)

excertos da memória(24)

fascismo(9)

férias(25)

festividades(29)

fotografia(12)

gatos(10)

gestão do blog(15)

gourmet(3)

grandes tentações(11)

hipocrisia(3)

homens(6)

homofobia(17)

humanidade(8)

humor(24)

igualdade(20)

impostos(5)

infância(7)

insónia(6)

int(r)agável(25)

intimismos(38)

ivg(17)

justiça(17)

legislação(17)

lgbt(71)

liberdade de expressão(13)

língua portuguesa(7)

lisboa(27)

livros e literatura(21)

machismo(3)

mau gosto(8)

media(3)

mulheres(17)

música(35)

noite(5)

notícias(22)

óbitos(5)

países estrangeiros(19)

personalidades(9)

pesadelos(5)

petróleo(4)

poesia(9)

política(86)

política internacional(30)

por qué no te callas?(9)

portugal(31)

publicações(6)

publicidade(9)

quizes(8)

redes sociais virtuais(9)

reflexões(58)

religião(19)

saúde(6)

ser-se humano(15)

sexualidade(9)

sinais dos tempos(8)

sociedade(45)

sonhos(6)

televisão(23)

terrorismo(4)

trabalho(20)

transportes(7)

viagens(19)

vícios(13)

vida conjugal(17)

violência(4)

todas as tags

Quem nos cita